Translate

Google Translate
Arabic Korean Japanese Chinese Simplified Russian Portuguese
English French German Spain Italian Dutch

Quem sou eu

Minha foto

Pesquisadora nas áreas de sustentabilidade e saúde da habitação. Tem como objetivo projetar e prestar consultoria a clientes com interesse na busca pelo Viver Saudável, uma interação equilibrada entre meio ambiente, pessoas  e o Lar em que habitam.

Fale Conosco

- Deixe seu comentário ou envie um e-mail: celinalago@hotmail.com
- Se desejar receber as novidades do site seja um seguidor que o envio é automático.
- A sua participação é muito importante. Só assim, unidos conseguiremos reverter o processo de destruição planetária pelo qual estamos passando e encontrar um equilíbrio saudável.

Muita Luz e Amor,

Celina Lago

11 de set de 2011

Agricultura Moderna – Menos Agressão ao Ambiente

Agricultura Moderna
Instituída após a primeira fase da Revolução Industrial, mais precisamente entre os séculos 18 e 19, a Agricultura Moderna surgiu a partir da utilização da energia a vapor e da luz elétrica. As principais características que a representam são uma maior regularidade das safras no meio agrícola e o aumento desta produção, graças à utilização de máquinas então consideradas modernas, como colheitadeiras, tratores e semeadeiras, além de novos implementos criados nesta época.
Outros inventos, como a máquina que separa o caroço da fibra do algodão, permitiram o abastecimento crescente de matérias-primas por preços mais competitivos. Esta invenção, datada de 1793 e realizada por Eli Whitney, é tida por muitos historiadores como uma genuína contribuição para a extinção da escravidão na América do Norte – mais efetiva do que qualquer teoria dos pensadores daquele tempo que pudesse incentivar o pensamento libertário.
Com a mecanização dos processos de produção, torna-se possível transformar produtos agrícolas, bem como promover a conservação deles. Em decorrência disso, surge uma agricultura especializada – pela qual a exploração agrícola é adaptada às condições do clima, do relevo e do solo com o objetivo de aumentar a produção ao máximo pelo menor custo possível, o que se reflete num escala cada vez mais acelerada de produtividade.
Esta realidade é absolutamente inversa às práticas da agricultura tradicional, que costuma adotar técnicas rudimentares e dependentes das condições naturais – razão pela qual também é nomeada de agricultura de subsistência.
Atualmente, já se fala em agricultura científica, que se utiliza técnicas sofisticadas: o uso de fertilizantes, sistemas de irrigação adaptados às culturas plantadas, tratamento do solo (com a utilização de produtos químicos para corrigir suas características originais), adoção de estufas, quando necessário, e seleção das sementes de maior qualidade, entre outras práticas.
Segundo pesquisadores, a agricultura moderna de alto rendimento vem reduzindo consideravelmente a emissão de gases de efeito estufa na atmosfera terrestre – e, com isso, tem colaborado de forma valiosa para a preservação do meio ambiente do planeta.