Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Março, 2012

Projeto arquitetônico define a eficiência

Estudo climático do local é o primeiro passo Cenpes, projeto de Siegbert Zanettini, exemplo de edificação eficiente (crédito: Zanettini Arquitetura Planejamento e Consultoria) Vários são os aspectos que envolvem a eficiência de uma edificação tanto energética quanto operacional, a começar pela relação do ambiente interno com o externo. Edificações eficientes devem ser planejadas e estudadas para alcançarem o seu melhor desempenho de acordo com as necessidades de cada ambiente, sendo que a principal ação para um projeto correto é o estudo climático do local que definirá os passos seguintes, como a escolha dos materiais e tecnologias mais adequados. De acordo com o arquiteto Siegbert Zanettini, diretor da Zanettini Arquitetura Planejamento e Consultoria, dentre as várias soluções que proporcionam eficiência a um edifício algumas são relevantes, como os estudos climáticos do local, que definirão a correta orientação das faces do edifício para aproveitar as correntes de vento e

Residência em La Gorce

Ousadia no projeto de casa em Miami O projeto desenvolvido pelo Touzet Studio seguiu as especificações do cliente que somavam cerca de 4.900 m2 de área construída.  O esquema pensado para a concretização do projeto foi dividi-lo em três volumes: uma casa principal que contém as principais áreas sociais e privadas, um pavilhão para hóspedes e uma terceira  estrutura de serviço com quartos do empregados, garagem, depósito e casa de máquinas.  A casa principal é composta de um grande volume interceptado por planos de outros cômodos: a suite master fica encravada,  em balanço, com amplas paredes de vidro  cuja vista  é um espelho d’água e um braço do mar. A sala de estar se ergue como uma cunha e paira sobre o jardim da frente. A sala de do café da manhã é uma caixa de vidro que se estende para além do volume principal de onde pode-se capturar uma bela paisagem da região e apreciar o sol da manhã. O principal elemento vertical, no centro da residência, é um  diâmetro que abriga

Confira os 10 prédios mais feios do mundo

A beleza, de fato, é relativa. O que é feio para alguns pode ser bonito para outros. E quando o assunto gira em torno de edifícios, as discussões tornam-se mais acaloradas. O site da CNN listou os dez prédios mais feios e polêmicos do mundo. E o Brasil não escapou dessa lista. Ryugyong Hotel, Pyongyang, Coréia do Norte 1. Ryugyong Hotel, Pyongyang, Coréia do Norte Com típicas construções de regimes comunistas sem muita beleza, o hotel Ryugyong se destaca por seu futurismo exagerado, numa pirâmide de vidro de 330 metros de altura. O prédio começou a ser construído nos anos 80, mas as obras ficaram paradas por mais de 15 anos. Erguida, aparentemente, como uma resposta à Coréia do Sul para ganhar o direito de sediar os Jogos Olímpicos de 1988, o empobrecido Norte ficou sem dinheiro para o projeto no início de 1990. Em 2008, um grupo de investidores egípcios retomou e está terminando a construção. Depois de um hiato de 16 anos, o hotel deverá ser inaugurado neste ano, a tempo das

Casas construídas com plástico reciclado

Rio de Janeiro – O uso de garrafas PET em tapetes, bases de pufes, luminárias e sistemas de aquecimento solar já é conhecido. Pois no segmento de materiais de construção, o tal polietieleno tereftalato também vem ganhando destaque. Em Manaus, o engenheiro eletrônico Luiz Antônio Pereira Formariz começou a investir na resina, tradicionalmente usadas em embalagens de refrigerante e água mineral, para fazer telhas. Assim, fundou a empresa Telhas Leve. O custo do metro quadrado do produto é de R$ 39, duas vezes mais alto que o da telha convencional de barro, que gira em torno de R$ 19. Mas, de acordo com Formariz, devido à sua leveza, o gasto com a estrutura do telhado custa R$ 15, um quarto do preço da tradicional, que é de R$ 70 em média. As telhas de PET podem ainda ser encontradas em diferentes cores, como azul, amarela e vermelha. A marrom-cerâmica reproduz fielmente o tom das peças de barro. E a durabilidade do produto pode ser até cinco vezes maior. Além disso, Formariz destaca a

Jardim vertical é solução para espaços pequenos

As plantas devem ser selecionadas de acordo com cada ambiente, pensando na manutenção. Falta de espaço não é mais desculpa para não cultivar plantas em casa. A solução para ambientes pequenos pode ser aproveitar paredes como base para um jardim vertical, explorando locais bem iluminados. Diferentemente das paredes vivas, geralmente externas e cobertas por trepadeiras, esse modelo de jardim não exige um espaço mínimo para ser montado. Pode ser um lugar na área de serviço, da sala de jantar, parte da sacada ou mesmo um recanto no jardim externo. O importante é selecionar as plantas certas para cada ambiente, pensando na manutenção. – Se as plantas estiverem juntas, o ideal é escolher as que têm a mesma frequência de rega e cuidar com o espaço que precisarão para crescer. O jardim vertical é igual a um jardim qualquer, o que muda é a forma de construí-lo – diz a paisagista Olir Corrêa Lima de Menz. A especialista destacou plantas que são ideais para serem cultivadas dentr

Palácio Capanema - O abandono de um patrimônio histórico e cultural

Palácio Gustavo Capanema interditado! Prédio símbolo mundial da arquitetura modernista, e proposto como Patrimônio da Humanidade, no coração do Rio, é também símbolo do descaso dos órgãos públicos para com o patrimônio cultural da Cidade. Vejam abaixo o aviso expedido pela Superintendência do IPHAN noRio, interditando o acesso ao prédio, após mais um acidente com seus elevadores, ocorrido no último dia 15 de março. No dia seguinte (16), esse aviso foi expedido como medida de preservação de segurança das centenas de servidores que trabalham no prédio. “A todos os servidores e usuários do Palácio Gustavo Capanema, Peço apoio e divulgação para a ação de interdição dos elevadores do PGC (Palácio Gustavo Capanema) que iniciamos motivados pela total insegurança nestes equipamentos e pela atitude da empresa de manutenção, Ideal Elevadores, quando entrou na justiça contra o IPHAN, exigindo o direito de exercer o objeto firmado com o condomínio, de executar a manutenção, em det