Translate

Google Translate
Arabic Korean Japanese Chinese Simplified Russian Portuguese
English French German Spain Italian Dutch

Quem sou eu

Minha foto

Pesquisadora nas áreas de sustentabilidade e saúde da habitação. Tem como objetivo projetar e prestar consultoria a clientes com interesse na busca pelo Viver Saudável, uma interação equilibrada entre meio ambiente, pessoas  e o Lar em que habitam.

Fale Conosco

- Deixe seu comentário ou envie um e-mail: celinalago@hotmail.com
- Se desejar receber as novidades do site seja um seguidor que o envio é automático.
- A sua participação é muito importante. Só assim, unidos conseguiremos reverter o processo de destruição planetária pelo qual estamos passando e encontrar um equilíbrio saudável.

Muita Luz e Amor,

Celina Lago

16 de set de 2011

Reflexos da boa arquitetura

Harpa Concert Hall muda o leste da capital islandesa

A fachada é composta de uma estrutura tridimensional de aço e vidro
(crédito: Henning Larsen Architects)

Projetado pelo escritório Henning Larsen Architects, com a colaboração do artista islandês Olafur Eliasson, o Harpa Concert Hall and Conference Centre, inaugurado no último dia 20 de agosto em Reykjavik (pronuncia-se Reiquiavique), capital da Islândia, é uma verdadeira obra de arte, com sua fachada feita de mais de mil placas de vidro colorido que refletem a paisagem e a luz única da região.  
O empreendimento de 28 mil m2 está situado em local com visão clara do mar e das montanhas que circundam Reykjavik. O centro cultural dispõe de um foyer e área de chegada na frente do edifício, quatro salas no meio e uma área de bastidores, com escritórios, administração, sala de ensaios e vestiário na parte de trás do edifício. Os três grandes salões são colocados próximos uns dos outros com acesso público no lado sul e bastidores de acesso do norte. O quarto andar é uma sala multifuncional, com espaço para shows mais intimistas e banquetes.

Um dos três grandes salões de espetáculos
(crédito: Henning Larsen Architects)
Visto a partir do hall de entrada, as salas formam uma montanha-como maciço que semelhante ao basalto na costa forma um contraste com a fachada expressivo e aberto. No núcleo da rocha, o maior salão do prédio, a sala de concertos principal, revela o seu interior como um centro incandescente de força.  Há ainda espaço para café e restaurante. As cores dominam os acabamentos, sobretudo o vermelho dos auditórios e do salão maior, que foi planejado para abrigar concertos internacionais.
O artista Olafur Eliasson colaborou na elaboração da fachada sul, que recebeu tijolos de vidro que refletem as cores do ambiente durante o dia e à noite transformam-se em espetáculo de luzes e cores através do projeto de iluminação LEDs.

A fachada de vidro multifacetada é baseada em um princípio geométrico, gerando perspectivas em duas e três dimensões, criando reflexos da cidade e da paisagem circundante.
Os tijolos da fachada sul contêm luzes LEDs em diferente tons, mantendo o brilho do Harpa mesmo depois do sol se pôr. O brilho e a cor de cada módulo pode ser controlado e ajustado conforme a necessidade.
Inspirado pelas formações geológicas de pedra de basalto ao longo da costa da Islândia, a fachada sul se eleva 33 metros. A fachada é composta de uma estrutura tridimensional de aço e vidro.  Composta por mais de 12.000 m2 de vidro, o edifício muda de cor dependendo do clima e hora do dia e ano.
Marco
O Harpa Concert Hall and Conference Centre parte de um projeto de modernização do lado leste da capital islandesa, com o objetivo de aproximar o porto da cidade, e é o primeiro de uma série de obras que devem mudar a cara desse pedaço da cidade. Em breve, a região também deve contar com um shopping center, edifícios comerciais, um hotel cinco estrelas, prédios residenciais e até hospitais e escolas. O prédio se tornará um marco na área e, ao mesmo tempo um símbolo da recuperação econômica da Islândia.
 O nome Harpa possui duplo sentido, referindo-se tanto ao nome do instrumento musical de cordas, como ao nome islandês de um mês no antigo calendário nórdico, que marca o início do verão, um período de particular importância na Islândia.