Translate

Google Translate
Arabic Korean Japanese Chinese Simplified Russian Portuguese
English French German Spain Italian Dutch

Quem sou eu

Minha foto

Pesquisadora nas áreas de sustentabilidade e saúde da habitação. Tem como objetivo projetar e prestar consultoria a clientes com interesse na busca pelo Viver Saudável, uma interação equilibrada entre meio ambiente, pessoas  e o Lar em que habitam.

Fale Conosco

- Deixe seu comentário ou envie um e-mail: celinalago@hotmail.com
- Se desejar receber as novidades do site seja um seguidor que o envio é automático.
- A sua participação é muito importante. Só assim, unidos conseguiremos reverter o processo de destruição planetária pelo qual estamos passando e encontrar um equilíbrio saudável.

Muita Luz e Amor,

Celina Lago

18 de jun de 2011

Facebook pode ajudar contra lixo

Imagine se todo mundo conseguisse ver o que você está jogando no lixo. Você seria mais precavido? É isso que um grupo de estudantes da Newcastle University, no Reino Unido, perceberam depois de criar um aplicativo para o facebook.
O estudo funcionou assim: Um grupo de estudantes recebeu um smartphone que seria colado dentro do lixo (veja na foto) e cada vez que a lixeira fosse aberta, ele enviaria uma foto em tempo real para o facebook da pessoa. Lá os amigos conseguem ver o que a pessoa está jogando fora. Pense no mico que seria quando seu amigo visse que você desperdiçou itens que podem ser reciclados.
BinCam, nome dado ao aplicativo, foi feito para uma pergunta bem frequente: Você está preocupado com o planeta ou com o que as pessoas vão pensar?
É triste ver que ainda existam pessoas que se enquadram no segundo grupo, mas agora elas vão ficar mais ligadas em reciclagem, pelo bem ou pelo mal, já que o estudo apontou que sim, o lixo na casa das pessoas que instalaram o BinCam diminuiu consideravelmente.
Talvez ele não seja necessário para você, leitor do Eco que já tem uma ideia formada sobre ambientalismo. Só que você deve conhecer um ou outro amigo que merecia uma câmera dessas para ele ficar mais esperto, não?
Fonte: Eco4planet