Pular para o conteúdo principal

Credicitrus: sustentabilidade no canteiro de obras

Edifício da cooperativa de crédito rural recebeu a certificação AQUA

Projeto do novo edifício privilegia ventilação e iluminação naturais
(crédito: Divulgação Credicitrus)
O projeto da nova sede da Credicitrus, cooperativa de crédito rural localizada em Bebedouro, interior de São Paulo, recebeu no início do ano a certificação AQUA (Alta Qualidade Ambiental). Certificada nas duas primeiras etapas, a de programa e a de concepção (projeto), a nova sede administrativa da empresa, com seis pavimentos e área total de 9.300 m², teve sua construção iniciada em outubro de 2010. A obra deve ficar pronta no início de 2012.
O que tem marcado a construção e a faz diferenciar dos demais empreendimentos certificados, no entanto, são as medidas que têm sido adotadas no canteiro de obras. É o que explica o engenheiro Luiz Henrique Ferreira, presidente da Inovatech Engenharia, consultoria especializada em projetos sustentáveis. “É uma obra diferente do que se vê por aí. Há, por exemplo, o aproveitamento da água da chuva para uso na própria obra. Também destaco a grande preocupação com a vizinhança. São realizadas medições periódicas do nível de ruído e, além disso, o tempo inteiro há trabalhadores limpando a rua”, resume Ferreira.
Dentre as obras certificadas com o AQUA, destaca o consultor, a da Credicitrus está entre as que possuem maior índice de aproveitamento de resíduos. “Também destaco o uso de materiais de baixo impacto ambiental. Utiliza-se concreto moldado in loco. Usa-se o cimento CP III (baixa emissão de COna atmosfera durante sua produção). Também são usadas tintas com baixo teor de VOC (compostos orgânicos voláteis) e pouco uso de madeira. Há a preocupação em valorizar a mão de obra local e fornecedores”, explica.
De acordo com Maria Madalena Fernandes Rocha, diretora administrativa da Credicitrus, as duas primeiras etapas da certificação foram baseadas em diversas especificações e critérios de desempenho, que se adaptaram facilmente ao projeto da nova unidade, já que a empresa tem a cultura de promover a sustentabilidade ambiental e social. Outro ponto importante, destaca ela, é o conceito inovador aplicado pelo processo AQUA, com o acompanhamento do desenvolvimento do empreendimento por meio de auditorias presenciais da Fundação Vanzolini. ”Sob a consultoria da Inovatech Engenharia, passamos por um processo de conscientização, desde a preocupação ambiental com o canteiro de obras, respeito à comunidade do entorno, até a destinação de resíduos gerados para cooperativas de reciclagem, além do reaproveitamento de materiais para a criação de uma cisterna de água que abastece o canteiro de obras, entre outras diversas ações”, exemplifica. 
Sede deve ficar pronta no início de 2012
(crédito: Divulgação Credicitrus)
O professor Manoel Carlos Reis Martins, coordenador executivo do Processo AQUA na Fundação Vanzolini, lembra que após a Credicitrus preparar o programa da nova sede, com suas equipes técnicas, foram realizadas as auditorias da Fase Programa e da Fase Concepção, em setembro e outubro de 2010, respectivamente, demonstrando o atendimento ao Referencial Técnico AQUA. “O envolvimento anterior da empresa com ações de sustentabilidade ambiental e social contribuiu bastante para facilitar a certificação. Foram realizados estudos detalhados para indicar as melhores escolhas e demonstrações de desempenho em todas as categorias do AQUA, com ênfase para os materiais, canteiro de baixo impacto, gestão da energia e da água, dos resíduos de uso, conforto térmico e qualidade do ar e da água”, destaca Martins.
A Credicitrus também buscará a certificação AQUA na etapa de construção, cuja auditoria deverá ser realizada após a conclusão da obra “Acreditamos que nossa nova sede será o primeiro edifício a obter a certificação AQUA no interior de São Paulo”, destaca Madalena.
De autoria do arquiteto Nelson Dupré, da Dupré Arquitetura e Coordenação S/S Ltda, que já acumula experiência em edifícios sustentáveis, o projeto da sede da Credicitrus foi concebido com base no equilíbrio ambiental, a começar pela redução do impacto visual na paisagem urbana da cidade, predominantemente horizontal. O projeto traduz conceitos essenciais e os personifica no edifício através do seu desenho e do uso de materiais selecionados, dentro dos critérios rigorosos da certificação AQUA.
Como Bebedouro é uma cidade ensolarada e, portanto, luminosa na maior parte do ano, a orientação do edifício em relação à trajetória do sol assegura períodos adequados de sombreamento, visando à redução da carga térmica dos ambientes, diminuindo o uso de ar condicionado e poupando energia elétrica. Não foram utilizados, como de hábito, vidros espelhados para refletir o calor. O projeto previu ainda vegetação em pontos estratégicos das áreas internas para refrescá-las, além de ventilação e iluminação naturais em vários espaços. A escolha dos materiais, sistemas construtivos e equipamentos, levaram em conta critérios ambientais, com vistas à economia de água e energia, entre outras diversas iniciativas “verdes”.
Para o professor Martins, a Credicitrus demonstra pioneirismo e liderança, tanto por sua representatividade e alcance de atuação, como pela localização de sua nova sede, a dinâmica cidade Bebedouro. “Certamente servirá de exemplo de que é perfeitamente viável, técnica e economicamente, a escolha de um processo de construção sustentável, desde a fase de programa, passando pela concepção até a realização do empreendimento, tendo a certificação AQUA como comprovação de todo esse empenho em poupar recursos naturais, preservar o meio ambiente e proporcionar as condições ideais de conforto e saúde para os usuários”, conclui.
Fonte: Portal EA

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Casas Sustentáveis

Diversos modelos e ideias ou projetos de casas sustentáveis bem legais! Divirta-se e apreciem os modelos sem moderação! Captação de água e circulação de ar que mantém a temperatura agradável.  Ideias para aplicar em casas já construídas! Telhado verde! Tendência e obrigatoriedade em alguns países! Este modelo apresenta novas tecnologias! Lâmpadas com energia eólica! Captação de água e armazenamento. Fonte: Bioconservation

AQUECEDOR SOLAR DE ÁGUA FEITO COM TUBOS DE PVC

PROJETO EXPERIMENTAL solução barata para aquecer água para banho Nota:  Aquecedor Solar de Água com o coletor solar feito com tubos de PVC: Criação, pesquisa e desenvolvimento por Edison Urbano. Obs.: Esse projeto foi baseado na tecnologia do ASBC - Sigla que caracteriza o Aquecedor Solar de Baixo Custo, projeto originalmente elaborado pela equipe da ONG Sociedade do Sol que, para a confecção do seu coletor térmico solar, usa placas alveolares de PVC (normalmente usadas para construções de forros). ÍNDICE INTRODUÇÃO Energia Elétrica - consumo sustentável. Formas simples para economizar energia elétrica. Estudo do consumo de energia elétrica por um chuveiro elétrico Explicações gerais do projeto experimental do Aquecedor Solar de água feito com tubos de PVC próprios para água potável. Aprendendo a dimensionar um Aquecedor Solar feito com tubos de PVC. MONTAGEM do(s) COLETOR(es) MONTAGEM do COLETOR feito com TUBOS de PVC Obs.: as medidas podem ser alt

Como Assentar um Piso Drenante?

O piso drenante não é apenas um piso pré moldado em placas de concreto drenante, é na verdade um sistema que engloba os materiais de assentamento formando uma escala granulométrica que drena as águas pluviais para o solo. As placas de piso não podem ser assentadas diretamente sobre a terra, pois a mesma irá entupir os vazios da placa de concreto evitando o correto funcionamento. A placa drenante deve ser assentada em um colchão drenante da seguinte forma de acordo com o manual técnico da Segato Pisos do Brasil: -Espalhar sobre o solo compactado uma camada de brita de aproximadamente 12cm de espessura. -Sobre a camada de brita, espalhar uma camada de Areia de aproximadamente 7cm de espessura. -Fazer colocação das placas usando uma linha de nylon para orientar no alinhamento e nivelamento. -A colocação tem que ser feita de forma que as peças fiquem travadas. Seguindo essas regras, teremos um piso ecologicamente correto podendo participar dos projetos com princípios