Pular para o conteúdo principal

Pavilhão solar do Porto Olímpico de Barcelona tem emissão zero de CO2


80 módulos solares instalados no telhado fornecem 25 MWh por ano
(crédito: Divulgação)
O edifício de madeira foi construído em apenas um mês, por ocasião da celebração em Barcelona da conferência sobre cidades inteligentes, a SmartCity Expo & Congresso Mundial, realizado em novembro passado. O pavilhão foi concebido pelo Instituto Avanzado de Catalunya e construído pela empresa Visoren para a Endesa.

A Schott Solar, que patrocinou o projeto, apresenta o Pavilhão de 154 metros quadrados como uma alegoria das duas ideias chave que saíram do SmartCity & Expo 2011. A saber: "que os municípios tornem compatíveis entre si dados, redes e circuitos de informação, produtos, água, energia e, inclusive, mobilidade, hoje separados, possibilitando o intercâmbio global" e que evoluam para a produção "local e autônoma ", o que significa que os futuros cidadãos transformarão suas casas em produtoras de energia renovável e, por sua vez, as cidade em fábricas de produtos para consumo próprio.

Uma das intenções é divulgar a eletromobilidade urbana
(crédito: Divulgação)

O edifício conta com 80 módulos solares patrocinados pela Schott Solar, instalados no telhado, capazes de gerar 25 MWh por ano. De acordo com a empresa, o pavilhão precisa, em média, cerca de 4.100 kWh / mês, de modo que a seu balanço de poluentes é "zero emissões de CO2." O pavilhão será utilizado até o final de 2012 como centro de controle, local de encontro para grupos de discussão e laboratório para pesquisas e inovação, aberto a terceiros no âmbito do projeto Endesa SmartCity Barcelona, onde estão sendo investidos, de acordo com a Schott, cem milhões de euros.

Em seu showroom são apresentadas várias iniciativas “SmartCity" da Endesa, que vão desde o desenvolvimento da eletromobilidade, juntamente com a infra-estrutura correspondente de estações de carregamento e gerenciamento remoto de energia através de medidores digitais inteligentes, até a iluminação pública eficiente . Segundo o diretor da División Catalunya Centro de Endesa, Alex Fabregas, "este pavilhão mostra aos cidadãos, empresas e instituições públicas como essas novas tecnologias podem contribuir para a melhoria da qualidade de vida."

Fonte: Portal EA

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Casas Sustentáveis

Diversos modelos e ideias ou projetos de casas sustentáveis bem legais! Divirta-se e apreciem os modelos sem moderação! Captação de água e circulação de ar que mantém a temperatura agradável.  Ideias para aplicar em casas já construídas! Telhado verde! Tendência e obrigatoriedade em alguns países! Este modelo apresenta novas tecnologias! Lâmpadas com energia eólica! Captação de água e armazenamento. Fonte: Bioconservation

Como Assentar um Piso Drenante?

O piso drenante não é apenas um piso pré moldado em placas de concreto drenante, é na verdade um sistema que engloba os materiais de assentamento formando uma escala granulométrica que drena as águas pluviais para o solo. As placas de piso não podem ser assentadas diretamente sobre a terra, pois a mesma irá entupir os vazios da placa de concreto evitando o correto funcionamento. A placa drenante deve ser assentada em um colchão drenante da seguinte forma de acordo com o manual técnico da Segato Pisos do Brasil: -Espalhar sobre o solo compactado uma camada de brita de aproximadamente 12cm de espessura. -Sobre a camada de brita, espalhar uma camada de Areia de aproximadamente 7cm de espessura. -Fazer colocação das placas usando uma linha de nylon para orientar no alinhamento e nivelamento. -A colocação tem que ser feita de forma que as peças fiquem travadas. Seguindo essas regras, teremos um piso ecologicamente correto podendo participar dos projetos com princípios

Telhado de Bambu

É muito resistente quando devidamente tratado, com uma estética linda e, não se utiliza só como cobertura, mas como vedação (paredes).  Quando os bambus não são tratados, o sol e a chuva os tornam fragilizados, criando fungos e ressecamento, a durabilidade é de uns 2 ou 3 anos, dependendo da região. Mas, se souber colher no dia certo (não caruncha e dura bastante) e aplicar um spray impermeável, a duração será muito maior que três anos *Dica:  - popularmente, a lua minguante (4ºdia) é conhecida como a melhor lua para se cortar os colmos (caule) de bambu.  - Use sulfato de cobre. Fonte: Brincadeira Sustentável