Translate

Google Translate
Arabic Korean Japanese Chinese Simplified Russian Portuguese
English French German Spain Italian Dutch

Quem sou eu

Minha foto

Pesquisadora nas áreas de sustentabilidade e saúde da habitação. Tem como objetivo projetar e prestar consultoria a clientes com interesse na busca pelo Viver Saudável, uma interação equilibrada entre meio ambiente, pessoas  e o Lar em que habitam.

Fale Conosco

- Deixe seu comentário ou envie um e-mail: celinalago@hotmail.com
- Se desejar receber as novidades do site seja um seguidor que o envio é automático.
- A sua participação é muito importante. Só assim, unidos conseguiremos reverter o processo de destruição planetária pelo qual estamos passando e encontrar um equilíbrio saudável.

Muita Luz e Amor,

Celina Lago

9 de mar de 2014

Fazendas Verticais em Prédios de Edifícios

O cultivo de hortaliças em meio às grandes cidades ajudaria a reduzir a emissão de gases no transporte de alimentos e permitiria a diminuição do uso de herbicidas nas plantações


Foi no conceito de fazendas verticais que o arquiteto brasileiro Rafael Grinberg Costa encontrou uma solução para a utilização de dois prédios públicos degradados em São Paulo. Costa propôs, em 2009, a criação de fazendas de cultivo baseado na hidroponia nos edifícios São Vito e Mercúrio, localizados no centro da capital paulista.

A iniciativa, entretanto, não saiu do papel. A prefeitura não demonstrou interesse, e os prédios foram demolidos para a construção de um parque.

Costa admite que as chances de implementação de um projeto desse tipo ainda são pequenas, tanto no Brasil quanto no restante do mundo, mas ressalta que o interesse pelo tema é crescente. Entre os projetos mais conhecidos, estão o Dragonfly, para Nova York, o Living Tower, para a França, o Orchard, para a Austrália, e o Living Skyscraper, para Londres (imagem à esquerda).


Para o arquiteto, o primeiro país que implementar uma fazenda vertical estará na vanguarda em relação a esse tipo de produção urbana, livre dos riscos sofridos pela agricultura tradicional.

Os maiores interessados seriam países populosos e com pequena extensão territorial, como Japão e Holanda. Mas mesmo países com grande área cultivável, como China e EUA, têm de se preparar para um futuro com escassez de alimentos. A perspectiva de que a população mundial tenha um acréscimo de 3 bilhões de pessoas até 2050 é um dos principais argumentos dos defensores das fazendas verticais – o aumento populacional exigiria o incremento de um pedaço de terra cultivável maior do que o Brasil para gerar comida suficiente para alimentar toda essa gente.

– Nesse momento, um projeto como esse serviria muito mais para a implantação de estudos ligados à hidroponia e à logística do processo. Mas temos de agir antes que acabem os meios, para que as próximas gerações tenham acesso ao que sobrou. Os planos só sairão do papel quando houver vontade política e conscientização do poder público e da sociedade – avalia Costa.


Coordenador do curso de Arquitetura e Urbanismo da PUCRJ, Fernando Betim entende que a ideia pode ser aplicada em menor escala.

– É uma questão de dimensionar. Em função da necessidade, pode ser um edifício de porte grande ou pequeno – diz.

PEDRO MOREIRA


OS PRÓS DA FAZENDA VERTICAL
O alimento é plantado, transportado e consumido na mesma região, evitando o desperdício
Há produção de alimentos durante o ano inteiro
Tem mais produtividade, pois a safra estará menos sujeita a problemas climáticos como seca, enchentes ou pragas
Pode-se priorizar o cultivo de alimentos orgânicos, sem uso de herbicidas, pesticidas ou fertilizantes
Se elimina a contaminação do solo por agrotóxicos
Ocorre a reurbanização, com o aproveitamento de espaços abandonados ou degradados
Reduz-se os danos causados pela agricultura ao ambiente
Há a opção de reflorestar áreas antes utilizadas pela agricultura convencional
Gera emprego urbano
Reduz-se o uso de combustíveis fósseis e a emissão de gases poluentes: não são necessários tratores, arados e transporte
Os defensores da iniciativa estimam que um edifício de 30 andares poderia alimentar até 10 mil pessoas

OS PRÓS DA FAZENDA VERTICAL
O alimento é plantado, transportado e consumido na mesma região, evitando o desperdício
Há produção de alimentos durante o ano inteiro
Tem mais produtividade, pois a safra estará menos sujeita a problemas climáticos como seca, enchentes ou pragas
Pode-se priorizar o cultivo de alimentos orgânicos, sem uso de herbicidas, pesticidas ou fertilizantes
Se elimina a contaminação do solo por agrotóxicos
Ocorre a reurbanização, com o aproveitamento de espaços abandonados ou degradados
Reduz-se os danos causados pela agricultura ao ambiente
Há a opção de reflorestar áreas antes utilizadas pela agricultura convencional
Gera emprego urbano
Reduz-se o uso de combustíveis fósseis e a emissão de gases poluentes: não são necessários tratores, arados e transporte
Os defensores da iniciativa estimam que um edifício de 30 andares poderia alimentar até 10 mil pessoas


Uma cultura vertical
Frente à previsão de escassez de alimentos, surge uma nova proposta de agricultura: as fazendas cultivadas dentro de edifícios nas grandes cidades
Projeto de fazenda vertical do brasileiro Rafael Grinberg - Rafael Grinberg Costa / Divulgação

Que tal um grande prédio em meio à região central de uma metrópole como São Paulo que ofereça tomates direto do pé no segundo andar, pêssegos no quinto e alfaces colhidos na hora no décimo? E tudo orgânico, disponível durante o ano inteiro.

Muito além de hortas em meio aos arranha-céus das grandes cidades ou pequenas plantações em sacadas ou floreiras, uma ideia inovadora propõe produção em larga escala para atender a regiões inteiras de centros urbanos cada vez mais populosos. São as fazendas verticais, conceito ainda em estudo que oferece uma alternativa para solucionar o problema da falta de alimentos para a crescente população mundial.

Partindo da ideia da agricultura indoor, já usada para o cultivo em estufas de hortaliças e frutas, a fazenda vertical formaria um mini ecossistema dentro da edificação - livre de intempéries que causam perdas à agricultura tradicional. Nele, a água e os resíduos seriam reaproveitados, e a plantação seria permanentemente monitorada, dispensando o uso de agrotóxicos e pesticidas.

Com isso, o alimento seria produzido, transportado e comercializado dentro de uma mesma região, evitando o desperdício, gerando empregos e diminuindo a emissão de poluentes e o consumo de combustíveis fósseis.

Idealizador da proposta, o professor americano Dickson Despommier, da Universidade de Columbia, de Nova York, cita o exemplo da própria cidade em que trabalha. Em vídeo publicado no site www.verticalfarms.com, Despommier - autor de um livro sobre o tema (The Vertical Farm, Thomas Dunne Books, sem edição no Brasil) - argumenta que é preciso o equivalente ao Estado da Virgínia em área plantada para alimentar os 8 milhões de habitantes da maior cidade dos EUA.

- E se tivermos um edifício, uma fazenda vertical especializada em apenas uma cultura, como ocorre na agricultura tradicional? Milho, arroz, trigo… Imagine indústrias espalhadas ao redor dessa fazenda, empregando mais pessoas. Do trigo, você pode fazer farinha. Da farinha, pode fazer pães, pode fazer cupcakes. E isso vem daquele prédio - diz o professor no vídeo.

Apesar de existirem diferentes projetos, ainda não há fazendas verticais operando no mundo.

A produção agrícola na própria cidade


Enquanto ideias visionárias como plantações em prédios de 30 andares não são colocadas em prática, soluções menos imponentes ajudam a consolidar a ideia de que os grandes centros também têm de produzir o alimento necessário para o consumo de seus moradores. A agricultura urbana se vale do solo fértil – rico em resíduos – de terrenos baldios e espaços desocupados das cidades para o cultivo de hortaliças e frutas.

Conforme o professor de agroecologia na Escola Superior de Agronomia da USP Carlos Armênio Khatounian, esses produtos são mais perecíveis e difíceis de transportar por grandes distâncias. Além disso, precisam ser consumidos frescos e têm valor agregado elevado, o que acaba compensando o uso de uma área urbana para o plantio. Cabe ao poder público incentivar esse tipo de produção.

Khatounian cita o exemplo de Piracicaba – município com mais de 300 mil moradores no interior paulista – onde a prefeitura oferece isenção parcial de impostos para áreas ocupadas por hortaliças. A cidade tem mais de 70 hortas urbanas, o que a tornou autossuficiente em hortaliças folhosas, como alface e couve.

O plantio para o consumo individual, como no caso das fazendas de janela, em que as pessoas produzem alimentos nas aberturas dos apartamentos, e os jardins em sacadas também são alternativas conscientes à produção agrícola tradicional. Professor da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da PUCRS, Márcio Rosa D’Avila acredita que as pequenas práticas são a semente para o debate sobre uma produção em maior escala dentro das cidades.

– A questão das fazendas verticais está relacionada ao conceito de como o homem se relaciona com o ambiente. Já temos discussões sobre o cultivo de alimentos em telhados verdes – completa D’Avila.
Projeto do brasileiro Grinberg previa o aproveitamento de dois edifícios no centro de São Paulo

Confira no site www.clicrbs.com.br/nossomundo uma entrevista exclusiva com o arquiteto Blake Kurasek, autor do Living Skyscraper, e uma galeria de imagens do projeto