Translate

Google Translate
Arabic Korean Japanese Chinese Simplified Russian Portuguese
English French German Spain Italian Dutch

Quem sou eu

Minha foto

Pesquisadora nas áreas de sustentabilidade e saúde da habitação. Tem como objetivo projetar e prestar consultoria a clientes com interesse na busca pelo Viver Saudável, uma interação equilibrada entre meio ambiente, pessoas  e o Lar em que habitam.

Fale Conosco

- Deixe seu comentário ou envie um e-mail: celinalago@hotmail.com
- Se desejar receber as novidades do site seja um seguidor que o envio é automático.
- A sua participação é muito importante. Só assim, unidos conseguiremos reverter o processo de destruição planetária pelo qual estamos passando e encontrar um equilíbrio saudável.

Muita Luz e Amor,

Celina Lago

25 de out de 2011

Transforme sua parede em um belo jardim

Foto: Paula Magaldi
 Jardim vertical em casa
O jardim vertical consiste em plantas dispostas em paredes em forma de painéis e são a solução para quem não dispõe de muito espaço, mas sonha ter um jardim em casa. Os jardins verticais que revestem muros e até fachadas economizam espaço, trazem amplitude ao ambiente, reduzem a poluição sonora, visual, do ar, e proporcionam a maravilhosa sensação que a natureza e o verde trazem para dentro de casa.
estrutura do jardim vertical
As estruturas para montar um jardim vertical são diversas. Entre elas estão a de fibra de coco, a de ferro, alvenaria e barras de aço com pintura eletrostática. A variedade de plantas que se pode utilizar na construção de um jardim vertical é grande. É possível ter apenas uma espécie ou fazer diferentes composições com maciços de Alpínia, ripsális, orquídeas, chifre-de-veado, peixinho, madressilvas, falenópsis, a tradicional samambaia, etc. Em espaços externos, você deve preferir plantas resistentes ao tempo e à luminosidade.
Como regar as plantas do jardim vertical?
 área externa com jardim vertical
O sistema de irrigação do jardim vertical é todo automatizado, embutido na própria estrutura, composto por um reservatório próprio, no qual o gotejamento é autocompensado e não drenante. Isso permite a distribuição da mesma quantidade de água entre as plantas ou em cada vaso, recolhendo o excesso para ser usada novamente, sem ocasionar vazamentos nem umidade, evitando desperdício e doenças como a dengue.
Fonte: BBEL