Pular para o conteúdo principal

Projetos arquitetônicos arrojados transformam paisagem da Dinamarca


A maioria das construções tem a própria usina de força: quando não é o sol, é o vento que gera energia. Esses projetos desmistificam a ideia de que conforto e sustentabilidade não habitam o mesmo espaço.


Projetos arquitetônicos arrojados estão transformando a paisagem da capital da Dinamarca e a vida dos moradores. A reportagem é de Marcos Losekann e Sérgio Gilz.
Viver na cidade, cercado de edifícios. E mesmo assim se sentir livre, como se fosse no campo.
Os clássicos prédios da capital dinamarquesa, Copenhague, passaram a dividir espaço com o que há de mais moderno em termos de projetos arquitetônicos no mundo.
Em um prédio, pista de ciclismo fica dentro do condomínio, que também tem bares, restaurantes e um shopping.
Em outro prédio, as janelas imensas deixam passar mais luz do sol e as lâmpadas não precisam ser acesas durante o dia.
O telhado pode ser um gramado. Frescor no verão e calor no inverno. Resultado: economia no uso do ar condicionado. O prédio ainda fica ao lado de um rio artificial.
A maioria das construções tem a própria usina de força: quando não é o sol, é o vento que gera energia.
Esses projetos desmistificam a ideia de que conforto e sustentabilidade não habitam o mesmo espaço. Na chamada arquitetura sustentável, natureza e qualidade de vida se encaixam perfeitamente em obras arrojadas, que aproveitam, ao máximo, o que o meio ambiente oferece.
“É um jeito tropical de viver em plena Escandinávia”, diz o morador, que pagou o equivalente a R$ 500 mil por um apartamento de três quartos. Uma pechincha, segundo ele.
“É fantástico estar na cidade sem abrir mão da natureza”, completa a moradora.
Um escritório reúne 200 arquitetos e estudantes cheios de ideias. “Nossa maior ferramenta é a criatividade. O objetivo é aproveitar espaços e possibilidades, do telhado até o porão”, diz um dos sócios da empresa.
Outras empresas da Dinamarca também exportam projetos pra mais de 100 países. O mais ousado está em construção no Azerbaijão. O condomínio vai ocupar uma ilha inteira, na baía em frente à capital, Baku. Os prédios terão formato de montanhas ou pirâmides para aproveitar o máximo de sol, e a ilha será autossustentável, com emissão zero de carbono. Para os gênios da arquitetura sustentável, nem mais o mar é limite.
Fonte: G1

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Casas Sustentáveis

Diversos modelos e ideias ou projetos de casas sustentáveis bem legais! Divirta-se e apreciem os modelos sem moderação! Captação de água e circulação de ar que mantém a temperatura agradável.  Ideias para aplicar em casas já construídas! Telhado verde! Tendência e obrigatoriedade em alguns países! Este modelo apresenta novas tecnologias! Lâmpadas com energia eólica! Captação de água e armazenamento. Fonte: Bioconservation

AQUECEDOR SOLAR DE ÁGUA FEITO COM TUBOS DE PVC

PROJETO EXPERIMENTAL solução barata para aquecer água para banho Nota:  Aquecedor Solar de Água com o coletor solar feito com tubos de PVC: Criação, pesquisa e desenvolvimento por Edison Urbano. Obs.: Esse projeto foi baseado na tecnologia do ASBC - Sigla que caracteriza o Aquecedor Solar de Baixo Custo, projeto originalmente elaborado pela equipe da ONG Sociedade do Sol que, para a confecção do seu coletor térmico solar, usa placas alveolares de PVC (normalmente usadas para construções de forros). ÍNDICE INTRODUÇÃO Energia Elétrica - consumo sustentável. Formas simples para economizar energia elétrica. Estudo do consumo de energia elétrica por um chuveiro elétrico Explicações gerais do projeto experimental do Aquecedor Solar de água feito com tubos de PVC próprios para água potável. Aprendendo a dimensionar um Aquecedor Solar feito com tubos de PVC. MONTAGEM do(s) COLETOR(es) MONTAGEM do COLETOR feito com TUBOS de PVC Obs.: as medidas podem ser alt

Como Assentar um Piso Drenante?

O piso drenante não é apenas um piso pré moldado em placas de concreto drenante, é na verdade um sistema que engloba os materiais de assentamento formando uma escala granulométrica que drena as águas pluviais para o solo. As placas de piso não podem ser assentadas diretamente sobre a terra, pois a mesma irá entupir os vazios da placa de concreto evitando o correto funcionamento. A placa drenante deve ser assentada em um colchão drenante da seguinte forma de acordo com o manual técnico da Segato Pisos do Brasil: -Espalhar sobre o solo compactado uma camada de brita de aproximadamente 12cm de espessura. -Sobre a camada de brita, espalhar uma camada de Areia de aproximadamente 7cm de espessura. -Fazer colocação das placas usando uma linha de nylon para orientar no alinhamento e nivelamento. -A colocação tem que ser feita de forma que as peças fiquem travadas. Seguindo essas regras, teremos um piso ecologicamente correto podendo participar dos projetos com princípios