Translate

Google Translate
Arabic Korean Japanese Chinese Simplified Russian Portuguese
English French German Spain Italian Dutch

Quem sou eu

Minha foto

Pesquisadora nas áreas de sustentabilidade e saúde da habitação. Tem como objetivo projetar e prestar consultoria a clientes com interesse na busca pelo Viver Saudável, uma interação equilibrada entre meio ambiente, pessoas  e o Lar em que habitam.

Fale Conosco

- Deixe seu comentário ou envie um e-mail: celinalago@hotmail.com
- Se desejar receber as novidades do site seja um seguidor que o envio é automático.
- A sua participação é muito importante. Só assim, unidos conseguiremos reverter o processo de destruição planetária pelo qual estamos passando e encontrar um equilíbrio saudável.

Muita Luz e Amor,

Celina Lago

29 de out de 2011

“Não pode haver prosperidade com destruição ambiental”


“A mente que se abre a uma nova ideia jamais volta ao seu tamanho original”, teria dito o gênio Albert Einstein com total razão. E entre as diversas formas de se abrir a novas ideias tenho a certeza de que estão as viagens, principalmente as internacionais que aliás estão em alta graças ao dólar e euro menos valorizados.
Foi numa dessas experiências que o biólogo e Doutorando em Ciências Ambientais Daniel Fonseca de Andrade conheceu a Austrália para participar do 6º Congresso Mundial de Educação Ambiental em Brisbane, no estado de Queensland, há poucos meses. De lá, Daniel traz relatos de soluções simples e bem implementadas para a conservação ambiental.
Como nos conta o doutorando, “(a)s unidades de conservação estão em todos os lugares, assim como os programas de coleta seletiva de materiais recicláveis e as sacolas retornáveis.”
O país também está implantando o “Carbon Tax”, imposto pesado (23 dólares australianos por tonelada de CO2) a ser cobrado das empresas poluidoras. O dinheiro arrecadado será investido no desenvolvimento de tecnologias de produção de energia mais “verdes” e eficientes, o que inclusive já vem sendo feito em escolas.
Como dizem por lá, não pode haver prosperidade com destruição ambiental.
Diferente do Brasil, onde a falta é reclamação constante, por lá se nota a existência de grande quantidade de áreas verdes, parques e espaços públicos que atraiam habitantes e turistas para o contato coma Natureza, gerando inegável melhoria na qualidade de vida e controle do clima.
Já sobre as ciclovias, Daniel diz que “estão implantadas em praticamente toda a cidade, o que possibilita não só um transporte ágil para os trabalhadores e estudantes, como também momentos saudáveis e agradáveis para a população em geral.”
Para garantir a segurança de ciclistas e pedestres, até mesmo nas pontes que cruzam o Rio Brisbane o doutorando notou a existência de faixas exclusivas para esses grupos.
Brisbane se coloca como uma lição para aqueles responsáveis por pensar o planejamento das cidades brasileiras (…) O Brasil de hoje já não pode mais fazer uso do discurso da pobreza, muito comum na nossa história, para justificar o não investimento de qualidade nas pessoas.
Seja por iniciativa governamental, e consequentemente pelas escolhas que fazemos nas eleições, seja por pressão popular, nós estamos no caminho certo? 
Baseado em publicação do Jornal Gazeta de Ribeirão de 22/10/2011 | Imagem via