Pular para o conteúdo principal

Meus novos rumos profissionais - André Trigueiro

Depois de 15 anos à frente do Jornal das Dez, chegou a hora de encarar novos desafios


Amigos,

15 anos passam rápido. Lembrar que passei um terço da minha existência à frente do Jornal das Dez é algo que me deixa sinceramente emocionado. Nesse período vivi dois casamentos, escrevi 4 livros, criei dois cursos universitários, virei comentarista de rádio, ganhei alguns prêmios que muito me honram, perdi pessoas muito queridas como minha mãe e ganhei duas filhas “postiças” (Larissa e Rachel). Ainda assim, a impressão é a de que o tempo voou.

Olhando para trás, lembro com clareza que inauguramos a Globo News naquela bancada (a convite de Alice-Maria) quando não tínhamos audiência ou patrocinadores. Era difícil até trazer alguns entrevistados para o estúdio tamanha a nossa invisibilidade nos primeiros momentos da tv por assinatura.

À frente do Jornal das Dez ajudamos a consolidar a linguagem, o jeito de fazer escalada, de chamar os repórteres, de conduzir uma entrevista, de encaixar cacos e improvisos, de arrematar uma informação sem TP. Fiz parte dessa história e me orgulho muito dela.

O principal telejornal da Globo News se firmou relativamente rápido, consolidou sua audiência e atraiu anunciantes importantes.

Pelo Jornal das Dez tive o privilégio de viajar a trabalho para cobrir duas copas do mundo (2002 e 2006), uma olimpíada (2000), as eleições americanas (2004), a mais importante de todas as conferências do clima em Copenhagen (2009), o aniversário do 11/9 em Nova Iorque (2011), entre outras missões tão desafiadoras quanto prazeirosas.

Foi à frente do Jornal das Dez que demos em primeira mão notícias marcantes como a morte de Lady Di (furamos a CNN!) e a 1ª eleição do Presidente Lula em 2003. Foi ali que realizamos a primeira entrevista ao vivo com o presidente da Petrobras, logo após a confirmação do mega vazamento de óleo na Baía de Guanabara em 2000.

No Jornal das Dez produzimos a primeira série da televisão brasileira sobre o Protocolo de Kioto (“Kioto: o protocolo da vida) em 2004. Promovemos o 1º comentarista de sustentabilidade da tv brasileira (aberta ou fechada), Sérgio Besserman, mais tarde cedido ao Bom Dia Rio. Entrevistamos em seguidas eleições todos os candidatos à presidência da República e varamos inúmeras madrugadas acompanhando a contagem dos votos pelo Brasil.

Tantas histórias emocionantes, tristes, engraçadas, trágicas…Difícil contar todas aqui. São lembranças que me acompanharão para sempre.

Perdi a conta de quantas entrei no estúdio rouco, gripado, febril, com coriza, e bastava acender a luz vermelha do “ao vivo” para que um novo e surpreendente ânimo sustentasse o corpo debilitado até o final do expediente. Só o meu profundo respeito pelo que esse jornal representa – e por todos os que o fazem nos bastidores – explica isso.

Devo reconhecer que meu lado eco-chato se fez presente no dia-a-dia da redação. Certa vez, voltando de férias, criei o “clube da caneca” com a distribuição gratuita de várias canecas a colegas que se comprometessem em não usar mais os copos plásticos descartáveis. Se os que ganhassem canecas fossem flagrados bebendo água em copos descartáveis teriam que devolver a mim o presente. A brincadeira deu certo e foi muito divertida. Foi constante também a mobilização em favor da reciclagem e do uso sustentável de papel em nossos afazeres jornalísticos.

Olhando para trás, vejo que em 15 anos de Jornal das Dez fiz muitos amigos, de várias gerações e com muitas visões de mundo. Pelo Jornal das Dez em particular passaram por mim alguns editores-chefe, dezenas de colegas redatores e muitos âncoras de Brasília e São Paulo. Aos poucos fui me dando conta de que o privilégio de estar neste honroso posto significava também ser testemunha ocular da história a partir de um mesmo ponto.

Pois esse ponto está mudando de lugar. Não por outra razão senão pelo fato de que a vida é feita de mudanças, e nós precisamos estar abertos às oportunidades que signifiquem novos desafios e riscos.

De minha parte, resta a gratidão.

Impossível nominar aqui todos os colegas que me ajudaram imensamente com suas críticas, sugestões, apoio, coragem e força!

Ouvi muitas vezes dentro e fora da Globo News que eu seria “a cara” do Jornal das Dez. Na verdade, eu sempre tentei ser o pregoeiro que tenta “vender o produto” confeccionado com extremo zelo e talento pelos colegas da redação. Foram eles, ao longo de todos esses anos, o coração pulsante que movimentou essa imensa e complexa estrutura que fez o Jornal das Dez ser o que é.

Aos que confiaram no meu trabalho, se arriscaram junto comigo,e suportaram meus defeitos e idiossincrasias, meu sincero agradecimento.

Continuaremos juntos na Globo News, pois que o Cidades e Soluções permanece vivo na grade sinalizando rumo e perspectivas. É um programa muito querido!

Foi uma honra e um enorme prazer fazer parte desse time. Obrigado Globo News!

Assumo em abril novas funções na Rede Globo, conforme nota assinada pelo nosso Diretor Geral de Jornalismo e Esporte, Carlos Henrique Schroder. Diz a nota: ”Trigueiro será repórter do primeiro time da rede, trabalhando preferencialmente para o Jornal Nacional, no Rio de Janeiro. Além disso, terá uma coluna sobre sustentabilidade, sua especialidade, no Jornal da Globo. E continuará a liderar o programa Cidades e Soluções, na Globo News, com o sucesso de sempre. Terá ainda um papel de destaque na cobertura da Rio+20, que ajudará a organizar.”
(a nota completa segue abaixo)

Que Deus nos abençoe.

Beijos e até breve.

André Trigueiro


Comentários

  1. Foi com grande tristeza que percebi a saída do André do jornal das 10. Eu o acompanhei desde o início, já que a compra de minha assinatura quase coincide com o programa. Sempre senti uma grande empatia com o André e descobri à pouco que compartilhamos da mesma crença religiosa. O programa perdeu muito, e não o assisto mais. Continuarei a assistir o Cidades que é ótimo, mas certamente não o acompanharei no canal 5, pois não vejo esse canal há mais de uma década e essa foi a razão da assinatura da tv por satélite. A espiritualidade tem uma razão para isso com certeza; tomara seja para o seu crescimento e felicidade. Abraços e muitas felicidades!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Casas Sustentáveis

Diversos modelos e ideias ou projetos de casas sustentáveis bem legais! Divirta-se e apreciem os modelos sem moderação! Captação de água e circulação de ar que mantém a temperatura agradável.  Ideias para aplicar em casas já construídas! Telhado verde! Tendência e obrigatoriedade em alguns países! Este modelo apresenta novas tecnologias! Lâmpadas com energia eólica! Captação de água e armazenamento. Fonte: Bioconservation

Como Assentar um Piso Drenante?

O piso drenante não é apenas um piso pré moldado em placas de concreto drenante, é na verdade um sistema que engloba os materiais de assentamento formando uma escala granulométrica que drena as águas pluviais para o solo. As placas de piso não podem ser assentadas diretamente sobre a terra, pois a mesma irá entupir os vazios da placa de concreto evitando o correto funcionamento. A placa drenante deve ser assentada em um colchão drenante da seguinte forma de acordo com o manual técnico da Segato Pisos do Brasil: -Espalhar sobre o solo compactado uma camada de brita de aproximadamente 12cm de espessura. -Sobre a camada de brita, espalhar uma camada de Areia de aproximadamente 7cm de espessura. -Fazer colocação das placas usando uma linha de nylon para orientar no alinhamento e nivelamento. -A colocação tem que ser feita de forma que as peças fiquem travadas. Seguindo essas regras, teremos um piso ecologicamente correto podendo participar dos projetos com princípios

Telhado de Bambu

É muito resistente quando devidamente tratado, com uma estética linda e, não se utiliza só como cobertura, mas como vedação (paredes).  Quando os bambus não são tratados, o sol e a chuva os tornam fragilizados, criando fungos e ressecamento, a durabilidade é de uns 2 ou 3 anos, dependendo da região. Mas, se souber colher no dia certo (não caruncha e dura bastante) e aplicar um spray impermeável, a duração será muito maior que três anos *Dica:  - popularmente, a lua minguante (4ºdia) é conhecida como a melhor lua para se cortar os colmos (caule) de bambu.  - Use sulfato de cobre. Fonte: Brincadeira Sustentável