Translate

Google Translate
Arabic Korean Japanese Chinese Simplified Russian Portuguese
English French German Spain Italian Dutch

Quem sou eu

Minha foto

Pesquisadora nas áreas de sustentabilidade e saúde da habitação. Tem como objetivo projetar e prestar consultoria a clientes com interesse na busca pelo Viver Saudável, uma interação equilibrada entre meio ambiente, pessoas  e o Lar em que habitam.

Fale Conosco

- Deixe seu comentário ou envie um e-mail: celinalago@hotmail.com
- Se desejar receber as novidades do site seja um seguidor que o envio é automático.
- A sua participação é muito importante. Só assim, unidos conseguiremos reverter o processo de destruição planetária pelo qual estamos passando e encontrar um equilíbrio saudável.

Muita Luz e Amor,

Celina Lago

10 de mar de 2014

NY tem projeto de ilhas artificiais para compostagem, cultivo e lazer


O escritório de arquitetura Present pensou em uma solução para o lixo produzido em Nova York. A proposta deve reduzir os gastos com o transporte dos resíduos e ainda ajudar a criar áreas de lazer e agricultura em meio ao centro urbano.

Nova York produz anualmente mais de 14 milhões de toneladas de lixo. Todo esse montante precisa ser transportado diariamente para locais adequados, que ficam fora da cidade. Isso significa que a metrópole norte-americana gasta mais de US$ 300 milhões só com caminhões de lixo. A logística é cara financeiramente e também ambientalmente, já que representa mais congestionamentos, poluição, barulho e muito mais.

O projeto feito pelos arquitetos do Present consiste em construir ilhas gigantes de compostagem. Apelidado de Green Loop, a estrutura foi planejada para ser instalada em pontos estratégicos dos canais que cortam a cidade.


As ilhas devem ter dois andares. No espaço inferior acontecerá o manejo dos resíduos orgânicos, que devem ser transformados em adubo, enquanto a ala superior será utilizada para o lazer e plantio de diferentes culturas, onde será aproveitada a matéria orgânica produzida localmente.


Instalando diversas dessas ilhas pela cidade, o caminho que os caminhões têm que percorrer para descarregar os resíduos será menor e, consequentemente, os problemas ambientais gerados por este transporte também serão reduzidos.



O escritório de arquitetura ressalta que será possível que os próprios moradores sejam responsáveis pela compostagem e destinação de seus resíduos, compartilhando essa tarefa com os órgãos públicos. A população também pode aproveitar para plantar diferentes culturas no “parque”.


Fonte: CicloVivo