Translate

Google Translate
Arabic Korean Japanese Chinese Simplified Russian Portuguese
English French German Spain Italian Dutch

Quem sou eu

Minha foto

Pesquisadora nas áreas de sustentabilidade e saúde da habitação. Tem como objetivo projetar e prestar consultoria a clientes com interesse na busca pelo Viver Saudável, uma interação equilibrada entre meio ambiente, pessoas  e o Lar em que habitam.

Fale Conosco

- Deixe seu comentário ou envie um e-mail: celinalago@hotmail.com
- Se desejar receber as novidades do site seja um seguidor que o envio é automático.
- A sua participação é muito importante. Só assim, unidos conseguiremos reverter o processo de destruição planetária pelo qual estamos passando e encontrar um equilíbrio saudável.

Muita Luz e Amor,

Celina Lago

2 de out de 2011

Novo enterro ecológico inclui nitrogênio e vácuo


Se você não curtiu a ideia de ser enterrado e virar comida de fungos, temos outra solução para você: ser imerso em nitrogênio para, no final do processo, virar adubo!
É isso que promete o processo de “liofilização” criado pela bióloga marinha Susanne Wiigh-Masak. No procedimento da cientista sueca, o corpo sem vida é imerso em nitrogênio liquido, fazendo sua estrutura ficar bem mais frágil.
Depois ele é agitado para que a água evapore e vá direto para uma câmara selada a vácuo. Lá os filtros separam possíveis implantes cirúrgicos, enchimentos de mercúrio e “itens não originais” e o transformam em pó. A pequena parte restante do corpo é enterrada numa cova rasa.
Dessa forma, o pó e a água reagem se tornando adubo! A empresa que desenvolve esse tipo de funeral, com o sugestivo nome de Promessa, já conseguiu liberar o procedimento no Reino Unido, mas não há previsão de exportação da técnica.
O fator “eco” precisa ser bem analisado já que usar nitrogênio e vácuo não parece econômico em consumo de energia. Aliás, ninguém foi enterrado por esse método até agora. Alguém gostaria de ser cobaia? 
Fonte: Tô Sem Meia Via: Eco4planet