Translate

Google Translate
Arabic Korean Japanese Chinese Simplified Russian Portuguese
English French German Spain Italian Dutch

Quem sou eu

Minha foto

Pesquisadora nas áreas de sustentabilidade e saúde da habitação. Tem como objetivo projetar e prestar consultoria a clientes com interesse na busca pelo Viver Saudável, uma interação equilibrada entre meio ambiente, pessoas  e o Lar em que habitam.

Fale Conosco

- Deixe seu comentário ou envie um e-mail: celinalago@hotmail.com
- Se desejar receber as novidades do site seja um seguidor que o envio é automático.
- A sua participação é muito importante. Só assim, unidos conseguiremos reverter o processo de destruição planetária pelo qual estamos passando e encontrar um equilíbrio saudável.

Muita Luz e Amor,

Celina Lago

22 de ago de 2011

Tinta invisível limpa o ar


Prédios, prédios e mais prédios. Como fica a qualidade do ar nas grandes cidades nós já sabemos: Péssima. Qual a melhor solução, além de plantarmos mais árvores? Para a fabricante de alumínio Alcoa, a melhor solução é a EcoClean, uma tinta que promete limpar o ar.
A tinta é invisível, ou seja, ela não muda a cor dos prédios que a aplicarem e conta com uma camada de partículas de dióxido de titânio. Essa camada, aplicada sobre alumínio, cataliza a luz do sol e faz com que os elétrons da tinta agitem as moléculas de ar para que elas librem seus radicais livres. Isso tudo faz com que poluentes, como o óxido de nitrogênio, sejam quebrados.
Craig Belnap, presidente da divisão de produtos para arquitetura da Alcoa, diz que “Uma superfície de 3 mil metros quadrados pintada com o produto equivale a 80 árvores limpando o ar. Só nos EUA existem 4,2 bilhões de metros quadrados de edificações com painéis de alumínio, se uma fração desses edifícios usasse o EcoClean, seria o equivalente a plantar milhões de árvores”.
Para melhorar tudo ainda mais, a empresa está testando a tinta em carros(!) além dos dois prédios modelos, um nos EUA e outro na Europa.

Fonte: Info | Imagem: Oga Mendonça                                               Via: Eco4planet