Pular para o conteúdo principal

Hortas urbanas: os desafios da fusão entre campo e cidade

Vista da fazenda urbana Eagle Street em Greenpoint, Brooklyn. 

Não é novidade que a produção de hortaliças está voltando às cidades: hortas urbanas no meio de Berlim e Nova York, e vários projetos de fazendas verticais em desenvolvimento confirmam esta tendência.

Entretanto, a fusão (ou reaproximação) do campo com a cidade não é tão simples. Da análise sobre o uso do espaço público à quantidade efetiva de alimentos que se pode produzir, há diversas questões sobre as quais é preciso refletir.

Um artigo do Grist reflete sobre esta questão e destaca alguns pontos importantes.

Nem sempre os espaços públicos disponíveis nas cidades são adequados para o cultivo e nem sempre se pode levar uma comunidade ao campo (em referência a projetos de comunidades rurais) Certos espaços urbanos são mais úteis para outras atividades, e às vezes, transpor uma comunidade para o campo acaba criando apenas mais um subúrbio.Certos espaços urbanos são mais úteis para outras atividades, e às vezes, transpor uma comunidade para o campo acaba criando apenas mais um subúrbio.

- A diferença entre campo e cidade deve continuar existindo: quando se tem espaços metade urbanos e metade campestres, acaba-se criando um grande espaço híbrido que não é é nem um, nem outro.

-A agricultura em pequena escala desempenha um papel dentro das cidades, mas mantendo a trama urbana intacta e se adaptando aos espaços disponíveis: tetos, ilhas de tráfego, interiores de quadras, pátios e jardins. "Onde há limitações, há inovação", ressalta o texto, sobre a necessidade de se aproveitar ao máximo estas áreas.

-Outra opção é apelar para os chamados "jardins urbanos efêmeros", assim batizados por Jason King referindo-se ao uso temporário de áreas disponíveis para a instalação de hortas de curta duração.

-Finalmente, é possível produzir na cidade toda a comida de que seus habitantes precisam? Provavelmente não, por isso não há problema na concentração de fazendas agrícolas nos arredores das cidades.

Enquanto o assunto continua se desenvolvendo e amadurecendo, estas reflexões são interessantes para entendermos para onde caminham nossas cidades. E você, já tem sua horta urbana?


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Casas Sustentáveis

Diversos modelos e ideias ou projetos de casas sustentáveis bem legais! Divirta-se e apreciem os modelos sem moderação! Captação de água e circulação de ar que mantém a temperatura agradável.  Ideias para aplicar em casas já construídas! Telhado verde! Tendência e obrigatoriedade em alguns países! Este modelo apresenta novas tecnologias! Lâmpadas com energia eólica! Captação de água e armazenamento. Fonte: Bioconservation

AQUECEDOR SOLAR DE ÁGUA FEITO COM TUBOS DE PVC

PROJETO EXPERIMENTAL solução barata para aquecer água para banho Nota:  Aquecedor Solar de Água com o coletor solar feito com tubos de PVC: Criação, pesquisa e desenvolvimento por Edison Urbano. Obs.: Esse projeto foi baseado na tecnologia do ASBC - Sigla que caracteriza o Aquecedor Solar de Baixo Custo, projeto originalmente elaborado pela equipe da ONG Sociedade do Sol que, para a confecção do seu coletor térmico solar, usa placas alveolares de PVC (normalmente usadas para construções de forros). ÍNDICE INTRODUÇÃO Energia Elétrica - consumo sustentável. Formas simples para economizar energia elétrica. Estudo do consumo de energia elétrica por um chuveiro elétrico Explicações gerais do projeto experimental do Aquecedor Solar de água feito com tubos de PVC próprios para água potável. Aprendendo a dimensionar um Aquecedor Solar feito com tubos de PVC. MONTAGEM do(s) COLETOR(es) MONTAGEM do COLETOR feito com TUBOS de PVC Obs.: as medidas podem ser alt

Como Assentar um Piso Drenante?

O piso drenante não é apenas um piso pré moldado em placas de concreto drenante, é na verdade um sistema que engloba os materiais de assentamento formando uma escala granulométrica que drena as águas pluviais para o solo. As placas de piso não podem ser assentadas diretamente sobre a terra, pois a mesma irá entupir os vazios da placa de concreto evitando o correto funcionamento. A placa drenante deve ser assentada em um colchão drenante da seguinte forma de acordo com o manual técnico da Segato Pisos do Brasil: -Espalhar sobre o solo compactado uma camada de brita de aproximadamente 12cm de espessura. -Sobre a camada de brita, espalhar uma camada de Areia de aproximadamente 7cm de espessura. -Fazer colocação das placas usando uma linha de nylon para orientar no alinhamento e nivelamento. -A colocação tem que ser feita de forma que as peças fiquem travadas. Seguindo essas regras, teremos um piso ecologicamente correto podendo participar dos projetos com princípios