Pular para o conteúdo principal

Arquitetos planejam casa acessível e de baixo impacto para moradores do Gana


 casa-capa.jpg

Pensar em uma casa que estivesse inserida no contexto arquitetônico e prático da região onde seria construída, que fosse modular e pudesse ser montada, transportada e reutilizada de forma prática e eficaz, e que aproveitasse ao máxima as técnicas de eficiência energética, como uso de ventilação natural, aproveitamento solar, aproveitamento da água, tratamento de resíduos e materiais sustentáveis.
Foi com isso em mente que as arquitetas do Blaanc, em parceira com o arquiteto João Caeiro, projetaram a Emerging Ghana – uma casa modulada feita especialmente para os moradores do Gana.

casa-02.jpg

A casa é versátil e pode crescer sempre que a renda permitir ou que a família aumentar. Todos os materiais utilizados na construção, como paredes de terra socada, madeira Dahoma e bambu, são naturais da região e podem ser encontrados sem dificuldades pelos moradores. Além disso, os próprios moradores e vizinhos poderão ajudar na construção, gerando renda para a comunidade e dando uma nova capacitação aos habitantes.
A eficiência energética ficará por conta de algumas soluções de baixo impacto que, além de reduzir o consumo, irão melhorar o conforto térmico no local. Um design que favorece a entrada da luz natural, com a construção profunda, voltada para o sul, e beirais largos que garantem sombra nas laterais da casa reduzem a necessidade de climatização ou iluminação artificiais.

casa-03.jpg

Um aquecedor solar no telhado garante água quente para cozinha e banheiros sem uso de eletricidade. A água da chuva também é coletada e reutilizada no jardim e horta – que proverá alguns alimentos e auxiliará no sustento da família. Uma pequena fossa séptica será construída para gerir os resíduos da família e uma composteira transformará o lixo orgânico em adubo.
Projeto premiado
Tantos benefícios fizeram do projeto o vencedor do concurso Open Source House, organizado pela ONG que busca alternativas de moradia dignas, acessíveis e sustentáveis para populações de países em desenvolvimento.

casa-04.jpg

"O objetivo do concurso era projetar uma habitação sustentável, flexível e de baixo custo, destinada à classe média de Gana”, afirmam os vencedores. Com planos de ser construída ainda em 2010, a casa completa custará em torno de US$12.500,00.
Fonte:  Portal EcoD

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Casas Sustentáveis

Diversos modelos e ideias ou projetos de casas sustentáveis bem legais! Divirta-se e apreciem os modelos sem moderação! Captação de água e circulação de ar que mantém a temperatura agradável.  Ideias para aplicar em casas já construídas! Telhado verde! Tendência e obrigatoriedade em alguns países! Este modelo apresenta novas tecnologias! Lâmpadas com energia eólica! Captação de água e armazenamento. Fonte: Bioconservation

Como Assentar um Piso Drenante?

O piso drenante não é apenas um piso pré moldado em placas de concreto drenante, é na verdade um sistema que engloba os materiais de assentamento formando uma escala granulométrica que drena as águas pluviais para o solo. As placas de piso não podem ser assentadas diretamente sobre a terra, pois a mesma irá entupir os vazios da placa de concreto evitando o correto funcionamento. A placa drenante deve ser assentada em um colchão drenante da seguinte forma de acordo com o manual técnico da Segato Pisos do Brasil: -Espalhar sobre o solo compactado uma camada de brita de aproximadamente 12cm de espessura. -Sobre a camada de brita, espalhar uma camada de Areia de aproximadamente 7cm de espessura. -Fazer colocação das placas usando uma linha de nylon para orientar no alinhamento e nivelamento. -A colocação tem que ser feita de forma que as peças fiquem travadas. Seguindo essas regras, teremos um piso ecologicamente correto podendo participar dos projetos com princípios

Telhado de Bambu

É muito resistente quando devidamente tratado, com uma estética linda e, não se utiliza só como cobertura, mas como vedação (paredes).  Quando os bambus não são tratados, o sol e a chuva os tornam fragilizados, criando fungos e ressecamento, a durabilidade é de uns 2 ou 3 anos, dependendo da região. Mas, se souber colher no dia certo (não caruncha e dura bastante) e aplicar um spray impermeável, a duração será muito maior que três anos *Dica:  - popularmente, a lua minguante (4ºdia) é conhecida como a melhor lua para se cortar os colmos (caule) de bambu.  - Use sulfato de cobre. Fonte: Brincadeira Sustentável