Translate

Google Translate
Arabic Korean Japanese Chinese Simplified Russian Portuguese
English French German Spain Italian Dutch

Quem sou eu

Minha foto

Pesquisadora nas áreas de sustentabilidade e saúde da habitação. Tem como objetivo projetar e prestar consultoria a clientes com interesse na busca pelo Viver Saudável, uma interação equilibrada entre meio ambiente, pessoas  e o Lar em que habitam.

Fale Conosco

- Deixe seu comentário ou envie um e-mail: celinalago@hotmail.com
- Se desejar receber as novidades do site seja um seguidor que o envio é automático.
- A sua participação é muito importante. Só assim, unidos conseguiremos reverter o processo de destruição planetária pelo qual estamos passando e encontrar um equilíbrio saudável.

Muita Luz e Amor,

Celina Lago

21 de jul de 2012

Guia da Construção Verde: Materiais sustentáveis


Segundo a Sociedade de Pesquisa sobre Materiais Industriais Renováveis, a construção de 1,7 milhões de casas com estruturas tradicionais de madeira, aço e concreto consome a mesma quantidade de energia que o aquecimento e a refrigeração de 10 milhões de casas por ano.

Por isso, é importante pensar na utilização de materiais que ajudam a tornar a construção de uma casa bem mais sustentável. E atualmente, já é possível encontrar alguns deles com facilidade.

É fundamental lembrar também que materiais e produtos que se auto-intitulam verdes, ecológicos e ambientalmente responsáveis, devem ser questionados. A melhor forma de saber se ele realmente é verde é por meio da certificação de algum órgão ou entidade responsável por análises de padrões confiáveis.

Materiais que ajudam na economia e água




Vasos sanitários e pias costumam ocasionar desperdício de água. Muitas vezes esquecemos uma torneira pingando ou a descarga desregulada, e acabamos gastando grande quantidade de água sem necessidade. Para evitar que isso ocorra foram desenvolvidos equipamentos reguladores de consumo, como torneiras com sensor de presença e vasos sanitários com duplo acionamento.

A ideia das torneiras com sensor é diminuir o desperdício de água. O acionamento é automático por sensor, ao aproximar as mãos, e libera apenas a quantidade de água necessária para cada uso, o que proporciona cerca de 70% de economia.

Já o vaso funciona com meia descarga no caso de líquidos e vazão completa para sólidos. Alguns modelos mais simples limitam a vazão de seis litros mesmo com o botão sendo apertado insistentemente.

Materiais que ajudam na economia de energia

Foto: nighto

Existem muitos tipos de lâmpadas eficientes no mercado e algumas que ainda estão por vir, pouco difundidas e que prometem uma revolução na iluminação dos edifícios.

As mais comuns são as lâmpadas fluorescentes compactas, apesar de caras, representam um consumo de energia 80% menor e duram 10 vezes mais que as lâmpadas convencionais, além disso, aquecem menos o ambiente.

A maior promessa no setor de iluminação são os LEDs, que em inglês significam Diodo Emissor de Luz. São diodos semicondutores que, ao receberem energia, iluminam. Muito comum em televisores e computadores são aquelas luzes que ficam acesas indicando que o aparelho está ligado ou em stand by. Elas possuem inúmeras vantagens, pois são luzes que desperdiçam pouquíssima energia, não esquentam, compactas, mas ainda são caras e pouco difundidas.

Materiais de acabamento

Foto: Chan360

Resinas, tintas, colas, seladores, todos esses materiais são utilizados no acabamento de uma obra, e muitas vezes podem ser danosos à saúde e ao meio ambiente por conterem substâncias orgânicas tóxicas, derivadas do petróleo e compostos voláteis altamente poluidores ao contato com córregos e lençóis freáticos.

A boa notícia é que a maioria deles já existe na versão verde. Colas e tintas, por exemplo, podem ser encontradas fabricadas a base de água. Além disso, as tintas, vernizes, impermeabilizantes e solventes também existem a base de óleos vegetais, que descartam o uso de produtos químicos prejudiciais a saúde.

Materiais para erguer as paredes


Há boas opções de tijolos cerâmicos com boa eficiência térmica, assim como tijolos de concreto reciclado, tijolo de solo-cimento e placas cimentícias. Para interiores, o gesso acartonado reduz desperdícios e, por ser bem mais leve que uma parede de alvenaria, supõe uma economia no dimensionamento estrutural.

O solo cimento é um material homogênio resultante da mistura de solo, cimento e água, ideal para construção de pequeno porte. Muito útil na zona rural pela disponibilidade da matéria-prima, já que a maior parte da mistura vem do chão. Ele é ideal na composição de argamassa ou estrutura, adequado para uso em revestimentos de pisos, paredes devido à elasticidade, assim como em pavimentação, muros de arrimo e fabricação de tijolos e telhas sem a necessidade de uma queima prévia.

Outra opção de material verde importante na estrutura de uma casa é o concreto reciclável. Composto por cimento, areia, água e compostos britados, o uso do concreto reciclado tem despertado cada vez mais consciência de reaproveitamento dos materiais que sobram nos canteiros de obras e nas demolições e que anteriormente eram descartados.

Madeiras


A madeira é um ótimo material, muito utilizada na construção civil. Porém, todos sabem dos riscos da extração em larga escala sem as devidas preocupações ambientais. Muitas espécies de árvores e suas florestas foram dizimadas para abastecer o consumo humano em toda a história. Por isso, a preocupação de se utilizar madeiras alternativas (de reflorestamento e certificadas) é de extrema importância quando aplicadas em uma construção sustentável.

As madeiras de reflorestamento são aquelas que na hora da compra podem comprovar a origem de onde foram retiradas, geralmente de lugares que mantém área de floresta original ou replantada, através de manejos sustentáveis de produção. A atividade prevê a preservação dessas matas ao mesmo tempo em que sustenta o ritmo da extração.

A madeira plástica é outro produto que vem atraindo a atenção por suas características e propriedades ecologicamente corretas. É muito semelhante à madeira convencional, mas é totalmente reciclável e com uma relação de custo-benefício maior. Além de preservar o ambiente, por reduzir o desmatamento florestal, a madeira plástica também evita o surgimento de pragas, como cupins, traças e roedores, que são atraídos pela madeira convencional.

Ela ainda pode ser utilizada como pisos, revestimentos, mobiliário interno e externo, pergolados, gazebos e caxepós, para paisagistas. Os ambientes ganham vida sem prejudicar a natureza.
Fonte: Portal EcoD