Pular para o conteúdo principal

EcoD Básico: Energia Eólica



 eolica
Energia eólica é renovável e de pouco impacto ambiental/Foto: sparktography

Tida atualmente por boa parte dos especialistas como a fonte energética mais promissora do mundo, a energia eólica é produzida através dos ventos. Ela é uma fonte renovável de energia, limpa e está disponível em diversas regiões do planeta. 

Para a avaliação do potencial eólico de uma determinada região é necessária uma coleta de massas de ar feita com precisão e qualidade, capaz de fornecer um mapeamento adequado.

Como funciona

A força dos ventos gira uma hélice gigante conectada a um gerador que produz eletricidade. Quando vários mecanismos como esse, também conhecidos como turbinas de vento, são ligados a uma central de transmissão de energia, temos então uma central eólica. Já a quantidade de energia produzida por uma turbina varia de acordo com o tamanho de suas hélices, sem esquecer, é claro, da intensidade dos ventos na região em que está instalada.

As hélices têm o formato de asas de aviões e usam o mesmo sistema de aerodinâmica. Em movimento, elas ativam um eixo que está ligado à caixa de mudança. Por meio de uma série de engrenagens, a velocidade do eixo de rotação aumenta. O eixo de rotação está conectado ao gerador de eletricidade que com a rotação em alta velocidade gera energia. Um aerogerador consiste num gerador elétrico movido por uma hélice, que por sua vez é movida pela força do vento. A hélice pode ser vista como um motor a vento e a quantidade de eletricidade gerada depende de quatro fatores:

• da quantidade de vento que passa pela hélice
• do diâmetro da hélice
• da dimensão do gerador
• do rendimento de todo o sistema

Não é só a velocidade dos ventos que conta. Também é importante que eles sejam regulares, não sofram turbulências e nem estejam sujeitos a fenômenos climáticos como, por exemplo, os tufões. A explicação é de Everaldo Feitosa, vice-presidente da Associação Mundial de Energia Eólica.

Economia

Atualmente, o mercado da energia eólica já movimenta cerca de US$ 2 bilhões anuais em todo o planeta. Um dos empecilhos atuais para a instalação das centrais eólicas é o fato de que a energia gerada por essa alternativa costuma custar entre 60% e 70% a mais que a mesma quantidade oriunda de uma usina hidrelétrica. No entanto, financiamentos (sobretudo estatais) em todo o mundo têm conseguido reduzir esses valores.

Houve um crescimento de 28,8% na produção dessa fonte energética em 2008, no comparativo com 2007, segundo dados da Global Wind Energy Council (GWEC). As instalações deste segmento geram 120,8 gigawatts (GW), equivalentes a nove vezes a capacidade instalada da Usina de Itaipu. O que isso significa? Esta potência quantitativa evitará que 158 milhões de toneladas de dióxido de carbono (CO2) sejam emitidos na atmosfera. Até o mês de junho de 2009, os principais produtores de energia eólica no mundo são:

1º Estados Unidos;
2º Alemanha;
3º Espanha, 
4º Portugal
5º China
6º Áustria
7º Suécia

Brasil

Descontadas as reservas florestais e as cidades, onde não se poderiam erguer turbinas, pode-se dizer que o potencial de geração de energia eólica no Brasil é de 30 mil megawatts, o equivalente a potência de duas hidrelétricas do tamanho da Itaipu. No entanto, esse potencial é subutilizado. O Brasil tem hoje apenas 218 MW de capacidade instalada em parques eólicos no Ceará, Rio Grande do Norte e Rio Grande do Sul. O maior deles está no município gaúcho de Osório, que produz 150 megawatts. Quando o assunto é a participação eólica no consumo mundial de energia eólica, o Brasil aparece na 10º colocação, com 0,23%.

Países com maior participação eólica no consumo de energia elétrica - em porcentagem total:

1º Dinamarca – 21,4% 
2º Espanha – 8,8% 
3º Portugal - 7% 
4º Alemanha – 7% 
5º Índia – 1,7% 
6º Inglaterra – 1,5% 
7º Itália - 1,3% 
8º Estados Unidos – 0,8% 
9º França – 0,7% 
10º BRASIL – 0,23%

Fonte: Portal EcoD

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Casas Sustentáveis

Diversos modelos e ideias ou projetos de casas sustentáveis bem legais! Divirta-se e apreciem os modelos sem moderação! Captação de água e circulação de ar que mantém a temperatura agradável.  Ideias para aplicar em casas já construídas! Telhado verde! Tendência e obrigatoriedade em alguns países! Este modelo apresenta novas tecnologias! Lâmpadas com energia eólica! Captação de água e armazenamento. Fonte: Bioconservation

AQUECEDOR SOLAR DE ÁGUA FEITO COM TUBOS DE PVC

PROJETO EXPERIMENTAL solução barata para aquecer água para banho Nota:  Aquecedor Solar de Água com o coletor solar feito com tubos de PVC: Criação, pesquisa e desenvolvimento por Edison Urbano. Obs.: Esse projeto foi baseado na tecnologia do ASBC - Sigla que caracteriza o Aquecedor Solar de Baixo Custo, projeto originalmente elaborado pela equipe da ONG Sociedade do Sol que, para a confecção do seu coletor térmico solar, usa placas alveolares de PVC (normalmente usadas para construções de forros). ÍNDICE INTRODUÇÃO Energia Elétrica - consumo sustentável. Formas simples para economizar energia elétrica. Estudo do consumo de energia elétrica por um chuveiro elétrico Explicações gerais do projeto experimental do Aquecedor Solar de água feito com tubos de PVC próprios para água potável. Aprendendo a dimensionar um Aquecedor Solar feito com tubos de PVC. MONTAGEM do(s) COLETOR(es) MONTAGEM do COLETOR feito com TUBOS de PVC Obs.: as medidas podem ser alt

Como Assentar um Piso Drenante?

O piso drenante não é apenas um piso pré moldado em placas de concreto drenante, é na verdade um sistema que engloba os materiais de assentamento formando uma escala granulométrica que drena as águas pluviais para o solo. As placas de piso não podem ser assentadas diretamente sobre a terra, pois a mesma irá entupir os vazios da placa de concreto evitando o correto funcionamento. A placa drenante deve ser assentada em um colchão drenante da seguinte forma de acordo com o manual técnico da Segato Pisos do Brasil: -Espalhar sobre o solo compactado uma camada de brita de aproximadamente 12cm de espessura. -Sobre a camada de brita, espalhar uma camada de Areia de aproximadamente 7cm de espessura. -Fazer colocação das placas usando uma linha de nylon para orientar no alinhamento e nivelamento. -A colocação tem que ser feita de forma que as peças fiquem travadas. Seguindo essas regras, teremos um piso ecologicamente correto podendo participar dos projetos com princípios