Quem sou eu

Minha foto

Pesquisadora nas áreas de sustentabilidade e saúde da habitação. Tem como objetivo projetar e prestar consultoria a clientes com interesse na busca pelo Viver Saudável, uma interação equilibrada entre meio ambiente, pessoas  e o Lar em que habitam.

Fale Conosco

- Deixe seu comentário ou envie um e-mail: celinalago@hotmail.com
- Se desejar receber as novidades do site seja um seguidor que o envio é automático.
- A sua participação é muito importante. Só assim, unidos conseguiremos reverter o processo de destruição planetária pelo qual estamos passando e encontrar um equilíbrio saudável.

Muita Luz e Amor,

Celina Lago

6 de abr de 2014

Em bairro suíço, moradores plantam o próprio alimento e compartilham com os vizinhos


Um lugar em que os jardins das casas da vizinhança foram transformados em hortas comunitárias, onde todos os vizinhos podem desfrutar dos alimentos colhidos nas plantações. Assim é a Avenida Crozet, em Genebra, na Suíça. Lá vigora, literalmente, a política da boa vizinhança.

Cada família planta determinado alimento no jardim de sua casa. Posteriormente, esses alimentos são trocados por outros, que são plantados em jardins vizinhos. Dessa forma, por meio da troca, o bairro se tornou uma grande horta comunitária que oferece alimentos para todos os seus moradores.

O conceito é antigo e foi criado pelo médico alemão Moritz Schreber, no século 19. No ano de 1864, durante uma campanha para aumentar o número de áreas de lazer para as crianças em alguns bairros de países na Europa, os espaços externos das casas começaram a ganhar outro uso. Foi nessas áreas que as famílias começaram a plantar e cultivar alimentos para seu próprio consumo. Mais tarde a ideia ganhou força e países como Áustria e Suíça também aderiram.

Atualmente, em alguns países europeus, a prática do cultivo do próprio alimento é protegida por lei. Em 2003, o governo russo assinou a Lei da Horta Privada, na qual, todo cidadão tem o direito à parcelas de terra para plantio totalmente de graça.

Será que aqui no Brasil isso funcionaria?

Fonte: EcoD