Translate

Google Translate
Arabic Korean Japanese Chinese Simplified Russian Portuguese
English French German Spain Italian Dutch

Quem sou eu

Minha foto

Pesquisadora nas áreas de sustentabilidade e saúde da habitação. Tem como objetivo projetar e prestar consultoria a clientes com interesse na busca pelo Viver Saudável, uma interação equilibrada entre meio ambiente, pessoas  e o Lar em que habitam.

Fale Conosco

- Deixe seu comentário ou envie um e-mail: celinalago@hotmail.com
- Se desejar receber as novidades do site seja um seguidor que o envio é automático.
- A sua participação é muito importante. Só assim, unidos conseguiremos reverter o processo de destruição planetária pelo qual estamos passando e encontrar um equilíbrio saudável.

Muita Luz e Amor,

Celina Lago

1 de out de 2012

Empresa no interior de SP investe em tratamento do lixo orgânico doméstico


Esses resíduos transformam-se em adubo, que pode ser usado para cultivar hortaliças e temperos. | Foto:Bomania/SXC
 
Com o aumento da consciência ecológica, os produtos relacionados à sustentabilidade têm ganhado mais espaço no mercado. Uma empresa de Campinas, interior de São Paulo, é um exemplo de negócio focado no tratamento correto do lixo orgânico.

O empresário José Mendonça Furtado, fundador da Novaterra Ambiental, percebeu na demanda existente por produtos e serviços que facilitassem a reciclagem uma oportunidade de empreendimento. Dentre as soluções para redução do impacto ambiental, ele oferece a composteira de 60 centímetros de comprimento e 40 de largura.

Através deste produto, o consumidor pode reciclar seus resíduos em casa. Por ser pequena, é possível usá-la até mesmo em apartamento. “As composteiras foram desenvolvidas com intenção de uso em zonas urbanas, onde é difícil você destinar o seu lixo orgânico para outra opção que não seja o aterro sanitário”, afirmou Furtado ao programa Pequenas Empresas Grandes Negócios.

Ter uma composteira exige alguns cuidados, mas o processo é simples. Ela é montada em uma caixa de plástico com furos em todo seu entorno. Dentro da caixa são colocados papelão picado e umedecido e minhocas. Com essa preparação, já é possível despejar o lixo orgânico e, por fim, cobrir tudo isso com papel picado.

Esses resíduos transformam-se em adubo, o húmus, que pode ser usado para cultivar hortaliças e temperos. “A duração é ilimitada. As minhocas vão se procriando também e eventualmente essa caixa pode ser dividida para ser usada em outra família ou com mais volume de resíduos”, diz Furtado.

O empresário investiu R$ 20 mil no negócio. Atualmente, ele consegue vender 30 unidades por mês, sendo que cada uma custa R$ 145. Além disso, ele desenvolve projetos para a destinação correta do lixo, em especial para empresas. Ele ensina como fazer o tratamento de poda, grama, alimentos processados, entre outros alimentos, no próprio local. Desta forma, evita-se o transporte para aterros sanitários. 

“A preocupação é enorme com o meio ambiente, com a sustentabilidade, e esse tipo de produto vem possibilitar que as pessoas simplesmente possam colaborar com todo esse movimento social”, diz o empresário.

A Novaterra Ambiental trabalha com a venda de produtos e consultoria especializada de atividades educacionais. “É uma rede interdisciplinar dedicada a ampliar as possibilidades de novos negócios pautados na inovação, minimização do impacto, implantação e aprimoramento da gestão para a sustentabilidade”, afirma a empresa, em seu site. Com informações do PEGN.

Via: CicloVivo