Pular para o conteúdo principal

Resíduos de bioenergia podem produzir até aditivos para carros


A produção do biocombustível passou de 404 mil metros cúbicos para 2,7 milhões de metros cúbicos em 2011.

Estudos em desenvolvimento por empresas do Brasil e do Canadá apontam que, além de combustíveis, a geração de bioenergia também pode produzir embalagens plásticas, materiais elétricos e aditivos para carros.

A reciclagem dos resíduos utilizados na geração do combustível pode dar vida a diversos produtos – é o que diz uma pesquisa realizada por corporações brasileiras e canadenses, que investigam os métodos de reaproveitamento do material proveniente das usinas de bioenergia.

Com o apoio da FAPESP e da ISTPCanada, a empresa brasileira Plasmarco e a canadense Casco, estão realizando uma série de pesquisas sobre a reciclagem dos resíduos da produção de biodiesel. O projeto visa o aproveitamento total do glicerol bruto, uma das principais substâncias da geração de bioenergia, que pode ser transformada em materiais elétricos e em embalagens descartáveis.

O projeto ainda está em fase de desenvolvimento, mas alguns resultados já foram apresentados durante o primeiro simpósio da FAPESP Week 2012, realizada no dia 17 de outubro, em Toronto. Ao longo do evento, Carlos Correa, representante da Plasmacro, explicou que o uso do biodiesel aumentou exponencialmente entre 2007 e 2011. Segundo Correa, a produção do biocombustível passou de 404 mil metros cúbicos para 2,7 milhões de metros cúbicos em 2011 – resultando no aumento das reservas de glicerol, substância com alto potencial de reciclagem, utilizada na produção dos novos materiais.

O projeto também espera ampliar o uso da substância na produção de materiais termoplásticos, como o PVC: os resíduos da geração de biodiesel poderão fazer com que mais de 59 milhões de toneladas métricas de material termoplástico sejam produzidas até 2020.

Embora os estudos visem o crescimento mundial da fabricação de PVC, as sobras da geração de bioenergia poderão ser utilizadas para desenvolver outros materiais, desde embalagens descartáveis até aditivos anticongelantes para radiadores de automóveis. Com informações da Agência FAPESP.
Fonte: CicloVivo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Casas Sustentáveis

Diversos modelos e ideias ou projetos de casas sustentáveis bem legais! Divirta-se e apreciem os modelos sem moderação! Captação de água e circulação de ar que mantém a temperatura agradável.  Ideias para aplicar em casas já construídas! Telhado verde! Tendência e obrigatoriedade em alguns países! Este modelo apresenta novas tecnologias! Lâmpadas com energia eólica! Captação de água e armazenamento. Fonte: Bioconservation

AQUECEDOR SOLAR DE ÁGUA FEITO COM TUBOS DE PVC

PROJETO EXPERIMENTAL solução barata para aquecer água para banho Nota:  Aquecedor Solar de Água com o coletor solar feito com tubos de PVC: Criação, pesquisa e desenvolvimento por Edison Urbano. Obs.: Esse projeto foi baseado na tecnologia do ASBC - Sigla que caracteriza o Aquecedor Solar de Baixo Custo, projeto originalmente elaborado pela equipe da ONG Sociedade do Sol que, para a confecção do seu coletor térmico solar, usa placas alveolares de PVC (normalmente usadas para construções de forros). ÍNDICE INTRODUÇÃO Energia Elétrica - consumo sustentável. Formas simples para economizar energia elétrica. Estudo do consumo de energia elétrica por um chuveiro elétrico Explicações gerais do projeto experimental do Aquecedor Solar de água feito com tubos de PVC próprios para água potável. Aprendendo a dimensionar um Aquecedor Solar feito com tubos de PVC. MONTAGEM do(s) COLETOR(es) MONTAGEM do COLETOR feito com TUBOS de PVC Obs.: as medidas podem ser alt

Como Assentar um Piso Drenante?

O piso drenante não é apenas um piso pré moldado em placas de concreto drenante, é na verdade um sistema que engloba os materiais de assentamento formando uma escala granulométrica que drena as águas pluviais para o solo. As placas de piso não podem ser assentadas diretamente sobre a terra, pois a mesma irá entupir os vazios da placa de concreto evitando o correto funcionamento. A placa drenante deve ser assentada em um colchão drenante da seguinte forma de acordo com o manual técnico da Segato Pisos do Brasil: -Espalhar sobre o solo compactado uma camada de brita de aproximadamente 12cm de espessura. -Sobre a camada de brita, espalhar uma camada de Areia de aproximadamente 7cm de espessura. -Fazer colocação das placas usando uma linha de nylon para orientar no alinhamento e nivelamento. -A colocação tem que ser feita de forma que as peças fiquem travadas. Seguindo essas regras, teremos um piso ecologicamente correto podendo participar dos projetos com princípios