Translate

Google Translate
Arabic Korean Japanese Chinese Simplified Russian Portuguese
English French German Spain Italian Dutch

Quem sou eu

Minha foto

Pesquisadora nas áreas de sustentabilidade e saúde da habitação. Tem como objetivo projetar e prestar consultoria a clientes com interesse na busca pelo Viver Saudável, uma interação equilibrada entre meio ambiente, pessoas  e o Lar em que habitam.

Fale Conosco

- Deixe seu comentário ou envie um e-mail: celinalago@hotmail.com
- Se desejar receber as novidades do site seja um seguidor que o envio é automático.
- A sua participação é muito importante. Só assim, unidos conseguiremos reverter o processo de destruição planetária pelo qual estamos passando e encontrar um equilíbrio saudável.

Muita Luz e Amor,

Celina Lago

28 de jul de 2012

10 coisas para fazer com madeira de demolição


A empresa Madeira de Demolição.com dá algumas dicas de como se empregar este material em projetos arquitetônicos e decorativos. O CicloVivo aproveita para repassar as sugestões para a reutilização da madeira.
Painéis para televisão
O painel em madeira de demolição vem sendo utilizado para decorar e estilizar ambientes de maneira sofisticada e original. Boas opções são painéis em peroba rosa de demolição, que combina bem com ambientes internos. Seus tons mesclados conferem um ar especial ao espaço.
Mesa de jantar
O ar rústico das madeiras de jantar feitas com restos de demolição traz à lembrança a tradição das famílias grandes, unidas ao redor da mesa. É uma opção, que se encaixa em diversos projetos e dura para toda uma vida.
Jardim vertical
Jardins verticais e hortas orgânicas têm se tornado tendência em apartamentos bem projetados e modernos. Os projetos trazem um ar verde e saudável a ambientes requintados, que refletem o estilo de vida de pessoas antenadas à sustentabilidade. Uma sugestão é montar um em madeira de demolição.
Portas pivotantes
A madeira de demolição possui ranhuras únicas, que faz do objeto uma atração singular. O visual é charmoso e surpreendente.
Pergolados
Pergolados em madeira de demolição são uma excelente aposta para ambientes externos. Estes são peças formadas por pilares e vigas paralelas vazadas, utilizados como decoração em jardins. O efeito é bem agradável.
Piso de cruzetas
As cruzetas, pedaços de madeira que originalmente encaixavam-se em postes de energia elétrica, tornam-se a cada dia peças mais apreciadas. Elas ficaram muito tempo expostas aos efeitos naturais, o que lhes garante um belo aspecto de madeira forte e envelhecida. O resultado da sua aplicação em revestimentos cria um efeito muito bonito.
Chuveiro e cascata
É possível inserir detalhes elegantes em madeira de demolição aos ambientes mais inusitados, como o jardim ou a área da piscina. Peças de decoração como chuveiros e cascatas confeccionados com o produto denotam criatividade e charme.
Escada
Uma opção inusitada e muito elegante é revestir aquela escada sem graça que poderia nem ter muito destaque no projeto com madeira de demolição. As vigas de madeira podem torná-la a grande sensação do ambiente, conferindo um ar bem aconchegante.
Tampos e balcões
Tampos e balcões em madeira de demolição são cada vez mais utilizados por arquitetos e decoradores, que contrastam o rústico das peças com o restante da mobília do ambiente.
Objetos e detalhes
Pequenas peças em madeira de demolição podem dar um charme especial ao seu projeto, como cachepots feitos de cruzetas, revisteiros e cubos em peroba rosa de demolição, que dão um toque especial de originalidade.
Fonte: Ciclo Vivo

Arena do basquete em Londres é temporária e reciclável




A opção por estruturas recicláveis é uma alternativa plausível para tornar a recepção de grandes eventos mais acessível aos países em desenvolvimento. Foto: London 2012
Projetos arquitetônicos planejados para os jogos olímpicos são, tradicionalmente, monumentais. No entanto, a Olimpíada de Londres preferiu ser diferente neste aspecto e parte das construções será temporária, para que possa ser reutilizada em outro local após o evento esportivo.
A arena olímpica em que serão disputados os jogos de basquete é um exemplo das edificações que seguem este modelo e combinam mobilidade, leveza e o mínimo de construção possível. Apesar de ser pensado dentro desta premissa, o ginásio, projetado em conjunto por Sinclair Knight Merz, Wilkinson Eyre e KSS, mantém a beleza dos prédios definitivos.
A opção por estruturas recicláveis é uma alternativa plausível para tornar a recepção de grandes eventos mais acessível aos países em desenvolvimento. As construções temporárias podem ser adaptadas às necessidades locais após os jogos e ainda podem ser transferidas para outras localidades.
Além do benefício financeiro a arena do basquete foi uma das edificações a ser erguida com maior facilidade. As obras tiveram início em outubro de 2009 e ficaram prontas com um ano de antecedência ao início dos jogos.
Apesar de ter os ideais de sustentabilidade envolvidos no projeto, principalmente no que diz respeito aos benefícios financeiros e sociais, a estrutura não pode ser considerada inteiramente verde, por utilizar mil toneladas de aço.
Confira o vídeo da construção:

Com informações do Architizer.
Via: CicloVivo


Rede mexicana de restaurantes inaugura unidade feita em contêineres



O projeto foi desenvolvido pelo escritório inglês de arquitetura Softroom e contou com o reaproveitamento de oito contêineres. l Foto: Divulgação
 
A cadeia de restaurantes mexicana Wahaca inaugurou neste mês uma loja feita a partir de contêineres. A instalação temporária está localizada no terraço do Queen Elizabeth Hall, em Londres, e contrasta com o concreto característico da arquitetura local.
O projeto foi desenvolvido pelo escritório inglês de arquitetura Softroom e contou com o reaproveitamento de oito contêineres. O trabalho tem o ideal de valorizar a região, mas a opção pelo reaproveitamento do material também está muito ligada à sua praticidade e grande capacidade de armazenamento.
Cada um dos ambientes foi pintado com uma cor diferente e viva. Além disso, a fachada conta com uma série de desenhos mexicanos. Os contêineres foram dispostos de maneira a oferecer conforto e uma bela paisagem aos usuários. Um dos contentores superiores foi organizado de maneira a proporcionar sombra a quem está no piso térreo, por exemplo.
Os dois andares da estrutura contam com grandes janelas de vidro, que permitem o maior aproveitamento da luminosidade natural e ainda possibilita a vista de Westminster. Parte da mobília utilizada no restaurante foi reaproveita, enquanto o restante foi feito sob medida para atender às necessidades dos clientes.
No espaço externo, o Wahaca conta com diversos bancos e mesas, um bar e um deck, construído em madeira, que deve servir como uma galeria de arte para a exposição de diversos murais.
O restaurante foi aberto ao público no dia quatro de julho, capacidade para 130 pessoas, e deve permanecer em funcionamento por, pelo menos, 18 meses.
Fonte: Dezeen.
Via: CicloVivo

Saiba como fazer um jardim vertical usando pallets


Existem muitos projetos decorativos que usam pallets, da mesma forma que existem diversas opções de jardins verticais. A ideia de misturar os dois é da paisagista Fern Richardson. | Foto: Life on the Balcony
 
Existem muitos projetos decorativos que usam pallets, da mesma forma que existem diversas opções de jardins verticais. A ideia de misturar os dois é da paisagista Fern Richardson, do blog Life on the Balcony, e o CicloVivo mostra o passo a passo. 
Materiais: 

Um pallet, lona de jardim, lixa, grampeador e grampo, martelo e pregos, terra para envasamento e suculentas ou outras plantas.

Instruções: 

Lixe o pallet para que fique liso e sem farpas. Se a parte traseira de seu pallet não tiver muito apoio (às vezes você pode encontrar um, muito aberto na parte de trás), encontre alguns pedaços de madeira, com cerca de sete a dez centímetros de largura e 1/4 de espessura (ou a espessura das outras ripas) e pregue-os em seu pallet, usando dois pregos de cada lado.

Corte a lona, com tamanho de duas a três vezes maior que o pallet, e comece a grampear. Grampeie atrás, nas laterais e no fundo, tomando cuidado nos cantos. Dobre a lona de modo que a terra nunca seja derramada. 

Coloque a estrutura montada em uma superfície plana e despeje a terra adubada através das ripas, pressionando firmemente. Deixe espaço suficiente para acrescentar as plantas.

Inicie a plantação, começando pela parte de baixo do estrado e terminando no topo. Certifique-se de que o solo está firmemente embalado. Adicione o solo conforme necessário para que as plantas fiquem bem firmes no final.

Regue seu jardim vertical completamente e deixe-o na horizontal de uma a duas semanas para permitir que as plantas sem enraízem. Passado este tempo, ele já pode ser configurado na posição vertical.

Nota: lembre-se de começar a regar pelo topo e depois cada seção subsequente com uma quantidade um pouco menor, pois a água irá naturalmente se infiltrar nas plantas do fundo. 

Clique aqui para ver outras maneiras de fazer jardins verticais.

Fonte: Design Sponge                          Via: Ciclo Vivo

Casas construídas com plástico reciclado


Rio de Janeiro – O uso de garrafas PET em tapetes, bases de pufes, luminárias e sistemas de aquecimento solar já é conhecido. Pois no segmento de materiais de construção, o tal polietieleno tereftalato também vem ganhando destaque. Em Manaus, o engenheiro eletrônico Luiz Antônio Pereira Formariz começou a investir na resina, tradicionalmente usadas em embalagens de refrigerante e água mineral, para fazer telhas. Assim, fundou a empresa Telhas Leve. O custo do metro quadrado do produto é de R$ 39, duas vezes mais alto que o da telha convencional de barro, que gira em torno de R$ 19. Mas, de acordo com Formariz, devido à sua leveza, o gasto com a estrutura do telhado custa R$ 15, um quarto do preço da tradicional, que é de R$ 70 em média.
As telhas de PET podem ainda ser encontradas em diferentes cores, como azul, amarela e vermelha. A marrom-cerâmica reproduz fielmente o tom das peças de barro. E a durabilidade do produto pode ser até cinco vezes maior. Além disso, Formariz destaca a importância que o produto traz ao meio ambiente.
“Hoje em dia, devido a popularização do consumo de refrigerantes embalados em garrafas de PET, a telha plástica tornou-se também uma grave ameaça ao meio ambiente, pois, após o consumo do conteúdo dessas garrafas, elas se transformam em lixo, causando poluições que afetam drasticamente o meio ambiente. Com a reciclagem do PET, existe a possibilidade de controlar esse problema, pois o material poderá ser transformado em outros produtos de grande utilidade e necessidades básicas para as pessoas”, explica o engenheiro.
Telha feita de garrafa PET pela Telha Leve (Fotos: Divulgação)
Telha feita de garrafa PET pela Telha Leve (Fotos: Divulgação)
A coleta das garrafas PET é feita por cooperativas e associações de catadores de lixo. A reciclagem do material, segundo o engenheiro, além de poder contribuir para uma possível fonte de renda para famílias pobres ou desempregadas, reduz os de custos de fabricação dos produtos. Por ser um material que depende apenas de coleta, reciclagem, e dos devidos tratamentos de preparação, o plástico implica num preço um pouco menor do que se fosse comprado novo.
Cores diferentes de telhas de plástico reciclado
Cores diferentes de telhas de plástico reciclado
PLÁSTICO RECICLADO PODE SUBSTITUIR O COMPENSADO EM ESTRUTURA DE EDIFÍCIOS - O plástico reciclado também vem substituindo os compensados de madeira tradicionalmente utilizados na construção de edifícios como suporte para a confecção da laje plana (“tipo cogumelo”, feita de concreto e que não necessita de vigas).
A ideia é da Premag, do Ceará, que fabrica o chamado “plasterit” partir de garrafas PET recolhidas por cerca de mil catadores da região. Segundo o engenheiro Luiz Edmundo Pereira, sócio-diretor da empresa, o emprego do plasterit na estrutura dos prédios pode trazer uma economia de cerca de 15% no valor da estrutura do prédio, pois o compensado do material pode ser reutilizado várias vezes.
“Essa concepção estrutural, aliada ao uso das formas plásticas com material reciclado e de peças metálicas, reduz o gasto de madeira a praticamente zero, numa edificação. Além disso, o uso da plasterit na construção civil evita o desmatamento e ainda a queima de madeira, já que os compensados tradicionais têm pouca durabilidade e são, posteriormente, queimados”, afirma Pereira.
A Premag, que foi contemplada com o prêmio Top Imobiliário 2009 da Associação de Dirigentes de Empresas do Mercado Imobiliário (Ademi-Niterói), na categoria Sustentabilidade ambiental, já ergueu seis edificações com essa tecnologia no estado. E há mais cinco em construção: duas em Niterói, duas em Rio das Ostras e uma em Macaé. Entre elas, a do Hospital Icaraí, na Marquês do Paraná, e o prédio residencial La Brisa, na Praia de Piratininga.

Consumo Consciente - Produtos para Banheiro





Se é hora de construir ou reformar, é momento, então, de investir em equipamentos inteligentes que vão trazer benefícios para o meio ambiente e também para o seu bolso. Há, no mercado, diversos produtos eficientes, que reduzem o consumo de água, energia e nos proporciona viver em ambientes mais sustentáveis. Listamos alguns desses:



O mictório seco Urimat é um produto suíço de alta qualidade, feito de policarbonato. O mictório não utiliza água ou qualquer química, o que significa uma economia de até 100 mil litros de água potável por ano. Além disso, a forma da cuba garante que o mictório seja 100% livre de respingos, protegendo as roupas e o ambiente. É possível adquirir o produto no site EcoWin



A nova W+W é a soma de elementos indispensáveis para economizar água e espaço. Isso porque ela é capaz de filtrar a água da pia para reutilizá-la na descarga do vaso sanitário. O produto está disponível no site da Roca.



A torneira Biopress é um produto com acionamento manual e fechamento automático, que reduzem o desperdício de água. Além disso, ela tem um bom custo-benefício, botão inox resistente, arejador antivandalismo embutido e regulador de vazão constante de 6 litros por minuto. Atualmente custa R$ 142,90 e pode ser encontrada no site da Fabrimar.



O chuveiro de parede Piccolo Light, além de compacto e com corpo articulável, vem equipado com dois crivos de alta e de baixa pressão. Trata-se de um produto econômico ideal para locais públicos como hotéis, clubes, empresas e locais com grande consumo de água. O seu crivo de baixa pressão garante um banho com jato forte, mesmo com menor consumo de água. O produto também se encontra no site da loja Fabrimar.



As duchas LorenAir da Lorenzetti possuem exclusivo sistema que mistura ar com água, o que torna o jato aerado e mais espaçado, dando impressão de maior volume durante o banho. Ao mesmo tempo em que reduz o consumo de água, oferece o máximo de conforto na hora do banho. O preço está em R$ 449,00. A ducha pode ser adquirida pelo portal Greenvana ou no site da própria fabricanteLorenzetti.

Controlador de Temperatura


O Eco Shower é um controlador de temperatura de chuveiro que promove economia de água e energia elétrica. Pode gerar economia superior a 40% de água e de energia. O equipamento é facilmente instalado em qualquer chuveiro elétrico (110V ou 220V) e, além disso, prolonga a vida útil do chuveiro e da resistência elétrica. O valor não está disponível e o produto pode ser adquirido por meio da Greenvana.



Banheiro organizado e sustentável. O conjunto de banheiro da marca Ou tem lugar para escovas, pasta e sabonetes. O conjunto é feito com plástico produzido 40% de cana-de-açúcar. O etanol, vindo da cana, substitui parte do petróleo utilizado. Esse processo reduz a nossa dependência em relação aos recursos não-renováveis, além de diminuir as emissões de CO2. O plástico ainda é reciclável. Preço R$ 89,90. Disponível no Greenvana.



O porta-toalhas Anis é feito de bambu. Essa matéria-prima é renovável e muito mais ecológica que a madeira ou plásticos. O porta-toalhas possui dois ganchos para você pendurar as toalhas e não ter mais que se preocupar com elas jogadas pela casa. Dimensão: 29 x 09 x 08 cm. Peso: 300 gramas. Valor R$ 79,90. Local de venda Greenvana.



Você pode ajudar a preservar o meio ambiente com pequenas mudanças. A lixeira de 3,5 litros Kirk da marca Ou é produzida com 40% de cana-de-açúcar. O plástico também é reciclável. Você pode encontrar o produto no Greenvana por R$ 47,90.



A marca Ou também tem um suporte de escova que vai ajudar você a deixar seu banheiro sempre arrumado. Além disso, ele ainda é sustentável. O suporte é feito com plástico produzido 40% com cana-de-açúcar e com plástico reciclável. Preço R$ 39,90 no portal Greenvana.