Pular para o conteúdo principal

Casa Pinar / MO+G taller de arquitectura

© Miguel Valverde Hernández / Fabrica de Arquitectura

Localização: Zapopan, JAL, México

Área: 535.0 m²

Ano Do Projeto: 2014

Fotografias: Miguel Valverde Hernández / Fabrica de Arquitectura , Helmer Murayama Caro / Fabrica de Arquitectura 

Equipe De Projeto: Andrés Mayorga García Rulfo, Diego González Díaz Ochoa, Leopoldo Orendain Ruiz Escoto.

Contrução: Orozco y Soto construcciones S. A. de C. V. 

© Helmer Murayama Caro / Fabrica de Arquitectura

Do arquiteto. O projeto está localizado dentro de um terreno próximo a um dos pulmões mais importantes da Zona Metropolitana da cidade de Guadalajara, o Bosque de la Primavera.

© Helmer Murayama Caro / Fabrica de Arquitectura

Com uma extensão 2.578 m² e uma vegetação densa conformada em sua maioria por pinheiros e carvalhos, o terreno abrigava uma série de construções abandonadas há aproximadamente 30 anos, incluindo piscina, garagens e uma quadra poliesportiva.


© Helmer Murayama Caro / Fabrica de Arquitectura

Sendo a vegetação o principal protagonista do terreno, o projeto se desenvolve imerso nela, gerando vistas para o interior do terreno.

© Miguel Valverde Hernández / Fabrica de Arquitectura

A separação do programa proposto, os materiais e a honestidade nos sistemas construtivos são definidos como conceitos principais do projeto, onde dispomos principalmente de dois edifícios ao redor da piscina e da quadra existentes.
Planta Baixa Térreo

O primeiro edifício dividido em três volumes abriga a área privada, conformada pelos espaços de serviços, as áreas de estar e os dormitórios. O segundo edifício dividido em dois abriga a área social conformada pelo terraço e um escritório. Esta separação de volumes gera uma exploração do programa onde se criam cheios e vazios, fazendo do exterior uma extensão da casa que incita o usuário a viver seu entorno.

© Helmer Murayama Caro / Fabrica de Arquitectura

Os materiais e sistemas construtivos existentes como as paredes de alvenaria e pedra extraídas do próprio terreno, as paredes em tijolos aparentes, os rebocos em cores, criam um sentimento de pertencimento ao terreno e provocam, graças à sua virtude de envelhecimento, uma gama cromática que muda com o passar do tempo.

© Helmer Murayama Caro / Fabrica de Arquitectura

Algumas estratégias como o amplo uso de elementos em madeira evocam os métodos de construção tradicionalistas da região.

© Miguel Valverde Hernández / Fabrica de Arquitectura© Helmer Murayama Caro / Fabrica de Arquitectura© Miguel Valverde Hernández / Fabrica de Arquitectura
© Helmer Murayama Caro / Fabrica de Arquitectura© Miguel Valverde Hernández / Fabrica de Arquitectura© Miguel Valverde Hernández / Fabrica de Arquitectura
© Helmer Murayama Caro / Fabrica de Arquitectura© Miguel Valverde Hernández / Fabrica de Arquitectura© Helmer Murayama Caro / Fabrica de Arquitectura
© Miguel Valverde Hernández / Fabrica de Arquitectura© Miguel Valverde Hernández / Fabrica de Arquitectura© Miguel Valverde Hernández / Fabrica de Arquitectura
© Miguel Valverde Hernández / Fabrica de Arquitectura© Helmer Murayama Caro / Fabrica de Arquitectura© Helmer Murayama Caro / Fabrica de Arquitectura
© Helmer Murayama Caro / Fabrica de Arquitectura© Miguel Valverde Hernández / Fabrica de Arquitectura© Helmer Murayama Caro / Fabrica de Arquitectura
© Helmer Murayama Caro / Fabrica de Arquitectura© Helmer Murayama Caro / Fabrica de Arquitectura© Helmer Murayama Caro / Fabrica de Arquitectura
© Miguel Valverde Hernández / Fabrica de Arquitectura© Miguel Valverde Hernández / Fabrica de Arquitectura© Helmer Murayama Caro / Fabrica de Arquitectura
© Helmer Murayama Caro / Fabrica de Arquitectura© Helmer Murayama Caro / Fabrica de Arquitectura© Helmer Murayama Caro / Fabrica de Arquitectura
© Helmer Murayama Caro / Fabrica de ArquitecturaPlanta de SituaçãoPlanta Baixa Térreo
Planta Baixa Primeiro PavimentoPlanta Baixa TerraçoFachada Norte
Corte AACorte BB


Fonte: Archdaily



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Casas Sustentáveis

Diversos modelos e ideias ou projetos de casas sustentáveis bem legais! Divirta-se e apreciem os modelos sem moderação! Captação de água e circulação de ar que mantém a temperatura agradável.  Ideias para aplicar em casas já construídas! Telhado verde! Tendência e obrigatoriedade em alguns países! Este modelo apresenta novas tecnologias! Lâmpadas com energia eólica! Captação de água e armazenamento. Fonte: Bioconservation

AQUECEDOR SOLAR DE ÁGUA FEITO COM TUBOS DE PVC

PROJETO EXPERIMENTAL solução barata para aquecer água para banho Nota:  Aquecedor Solar de Água com o coletor solar feito com tubos de PVC: Criação, pesquisa e desenvolvimento por Edison Urbano. Obs.: Esse projeto foi baseado na tecnologia do ASBC - Sigla que caracteriza o Aquecedor Solar de Baixo Custo, projeto originalmente elaborado pela equipe da ONG Sociedade do Sol que, para a confecção do seu coletor térmico solar, usa placas alveolares de PVC (normalmente usadas para construções de forros). ÍNDICE INTRODUÇÃO Energia Elétrica - consumo sustentável. Formas simples para economizar energia elétrica. Estudo do consumo de energia elétrica por um chuveiro elétrico Explicações gerais do projeto experimental do Aquecedor Solar de água feito com tubos de PVC próprios para água potável. Aprendendo a dimensionar um Aquecedor Solar feito com tubos de PVC. MONTAGEM do(s) COLETOR(es) MONTAGEM do COLETOR feito com TUBOS de PVC Obs.: as medidas podem ser alt

Como Assentar um Piso Drenante?

O piso drenante não é apenas um piso pré moldado em placas de concreto drenante, é na verdade um sistema que engloba os materiais de assentamento formando uma escala granulométrica que drena as águas pluviais para o solo. As placas de piso não podem ser assentadas diretamente sobre a terra, pois a mesma irá entupir os vazios da placa de concreto evitando o correto funcionamento. A placa drenante deve ser assentada em um colchão drenante da seguinte forma de acordo com o manual técnico da Segato Pisos do Brasil: -Espalhar sobre o solo compactado uma camada de brita de aproximadamente 12cm de espessura. -Sobre a camada de brita, espalhar uma camada de Areia de aproximadamente 7cm de espessura. -Fazer colocação das placas usando uma linha de nylon para orientar no alinhamento e nivelamento. -A colocação tem que ser feita de forma que as peças fiquem travadas. Seguindo essas regras, teremos um piso ecologicamente correto podendo participar dos projetos com princípios