Pular para o conteúdo principal

Rio Grande do Sul quer liderar energia eólica no Brasil




<p>
 A produção gaúcha que, atualmente, é de 460 MW, deve chegar a 1.418 MW, em quatro anos. | Foto: <a href='http://www.flickr.com/photos/holacomovai/8007992653/sizes/m/in/photostream/' target='_blank'>Hola como vai/Flickr</a></p>
A produção gaúcha que, atualmente, é de 460 MW, deve chegar a 1.418 MW, em quatro anos. | Foto:Hola como vai/Flickr
O Rio Grande do Sul está disposto a se tornar o estado brasileiro líder em produção de energia eólica. Atualmente os gaúchos ocupam a segunda posição nacional, atrás do Ceará. Mas, novos investimentos no setor poder mudar este cenário.

Recentemente, a montadora japonesa Honda, anunciou a construção de uma usina eólica no litoral norte do estado, em Xangri-lá. O projeto é de que a estrutura seja equipada com nove turbinas de três megawatts, que somarão o potencial de 27 MW. O montante seria suficiente para suprir a demanda de 35 mil pessoas.

O investimento foi feito pela empresa com o intuito de fornecer energia limpa para abastecer a fábrica da Honda em Sumaré, SP. Dessa forma, a eletricidade produzida em Xangri-lá é direcionada às redes de transmissão, enquanto a montadora utiliza a energia distribuída em sua região, equilibrando o gasto.

O Rio Grande do Sul está entre os estados brasileiros que mais cresceram e investiram em energia limpa. As condições geográficas propícias e os trabalhos de incentivo resultaram nos 15 parques eólicos já em funcionamento e cooperaram para que até 2017 esse número chegue à casa dos 40, conforme planejado.

A produção gaúcha que, atualmente, é de 460 MW, deve chegar a 1.418 MW, quando todos os parques estiverem finalizados. O montante deve ser suficiente para abastecer toda a capital Porto Alegre. Com informações do G1.

Via: CicloVivo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Casas Sustentáveis

Diversos modelos e ideias ou projetos de casas sustentáveis bem legais! Divirta-se e apreciem os modelos sem moderação! Captação de água e circulação de ar que mantém a temperatura agradável.  Ideias para aplicar em casas já construídas! Telhado verde! Tendência e obrigatoriedade em alguns países! Este modelo apresenta novas tecnologias! Lâmpadas com energia eólica! Captação de água e armazenamento. Fonte: Bioconservation

Como Assentar um Piso Drenante?

O piso drenante não é apenas um piso pré moldado em placas de concreto drenante, é na verdade um sistema que engloba os materiais de assentamento formando uma escala granulométrica que drena as águas pluviais para o solo. As placas de piso não podem ser assentadas diretamente sobre a terra, pois a mesma irá entupir os vazios da placa de concreto evitando o correto funcionamento. A placa drenante deve ser assentada em um colchão drenante da seguinte forma de acordo com o manual técnico da Segato Pisos do Brasil: -Espalhar sobre o solo compactado uma camada de brita de aproximadamente 12cm de espessura. -Sobre a camada de brita, espalhar uma camada de Areia de aproximadamente 7cm de espessura. -Fazer colocação das placas usando uma linha de nylon para orientar no alinhamento e nivelamento. -A colocação tem que ser feita de forma que as peças fiquem travadas. Seguindo essas regras, teremos um piso ecologicamente correto podendo participar dos projetos com princípios

Telhado de Bambu

É muito resistente quando devidamente tratado, com uma estética linda e, não se utiliza só como cobertura, mas como vedação (paredes).  Quando os bambus não são tratados, o sol e a chuva os tornam fragilizados, criando fungos e ressecamento, a durabilidade é de uns 2 ou 3 anos, dependendo da região. Mas, se souber colher no dia certo (não caruncha e dura bastante) e aplicar um spray impermeável, a duração será muito maior que três anos *Dica:  - popularmente, a lua minguante (4ºdia) é conhecida como a melhor lua para se cortar os colmos (caule) de bambu.  - Use sulfato de cobre. Fonte: Brincadeira Sustentável