Pular para o conteúdo principal

Ex-detento cria cooperativa em Brasília e lucra R$ 1 milhão ao ano


<p>
 O empresário conta com uma equipe de 80 colaboradores, a maioria ex-presidiários e detentos em regime semiaberto. | Foto: <a href='http://www.facebook.com/pages/Cooperativa-Sonho-de-Liberdade/405490219546374?fref=ts' target='_blank'>Reprodução/Facebook</a></p>
O empresário conta com uma equipe de 80 colaboradores, a maioria ex-presidiários e detentos em regime semiaberto. | Foto:Reprodução/Facebook
Depois de encontrar dificuldades para conseguir um novo emprego, o ex-detento Fernando Figueiredo decidiu montar uma cooperativa de madeira reciclada em Brasília. Atualmente com uma equipe de 80 funcionários – a maioria composta por presidiários e ex-detentos – o empresário dá uma lição de empreendedorismo social.

A experiência adquirida nas oficinas de trabalho artesanal na cadeia deram base para que o atual empresário montasse sua cooperativa de madeira sustentável em Brasília. Fernando Figueiredo, que passou mais de seis anos na cadeia por roubo de automóvel e uso de entorpecentes, criou a companhia com mais três colegas, que sofreram preconceito ao buscar um novo emprego. “Eu e alguns colegas já tínhamos discutido a possibilidade de abrir uma empresa caso o mercado fechasse as portas para a gente. Só tínhamos três caminhos: conseguir emprego, abrir uma empresa ou voltar ao crime. Ficamos com a segunda opção”, conta Figueiredo.

A empresa gera lucro aproximado de um milhão de reais por ano. Lá são produzidos móveis, bolas e a empresa ainda tritura madeira para transformá-la em combustível. A madeira utilizada como matéria-prima nos primeiros trabalhos foi encontrada no lixo. A estrutura foi levantada a partir do dinheiro dos próprios cooperativados. Hoje, o empreendimento conta com uma extensa lista de clientes, dentre eles a multinacional Bunge.

Além de combater o descarte irregular de madeira na cidade em que foi instalado, o negócio dá uma nova oportunidade às pessoas que passaram algum tempo à margem da sociedade. “Não damos oportunidade para quem tem currículo bom e está com ficha-limpa. Oferecemos vagas para quem precisa mudar de vida como eu precisei. Não estamos investindo em banco, estamos investindo em vidas”, alerta o empresário, que conta com uma equipe de 80 colaboradores, a maioria ex-presidiários e detentos em regime semiaberto. Com informações do Tribuna Hoje.

<p>
 O empresário conta com uma equipe de 80 colaboradores, a maioria ex-presidiários e detentos em regime semiaberto. | Foto: <a href='http://www.facebook.com/pages/Cooperativa-Sonho-de-Liberdade/405490219546374?fref=ts' target='_blank'>Reprodução/Facebook</a></p>
O empresário conta com uma equipe de 80 colaboradores, a maioria ex-presidiários e detentos em regime semiaberto. | Foto:Reprodução/Facebook
Depois de encontrar dificuldades para conseguir um novo emprego, o ex-detento Fernando Figueiredo decidiu montar uma cooperativa de madeira reciclada em Brasília. Atualmente com uma equipe de 80 funcionários – a maioria composta por presidiários e ex-detentos – o empresário dá uma lição de empreendedorismo social.
A experiência adquirida nas oficinas de trabalho artesanal na cadeia deram base para que o atual empresário montasse sua cooperativa de madeira sustentável em Brasília. Fernando Figueiredo, que passou mais de seis anos na cadeia por roubo de automóvel e uso de entorpecentes, criou a companhia com mais três colegas, que sofreram preconceito ao buscar um novo emprego. “Eu e alguns colegas já tínhamos discutido a possibilidade de abrir uma empresa caso o mercado fechasse as portas para a gente. Só tínhamos três caminhos: conseguir emprego, abrir uma empresa ou voltar ao crime. Ficamos com a segunda opção”, conta Figueiredo.
A empresa gera lucro aproximado de um milhão de reais por ano. Lá são produzidos móveis, bolas e a empresa ainda tritura madeira para transformá-la em combustível.  A madeira utilizada como matéria-prima nos primeiros trabalhos foi encontrada no lixo. A estrutura foi levantada a partir do dinheiro dos próprios cooperativados. Hoje, o empreendimento conta com uma extensa lista de clientes, dentre eles a multinacional Bunge.
Além de combater o descarte irregular de madeira na cidade em que foi instalado, o negócio dá uma nova oportunidade às pessoas que passaram algum tempo à margem da sociedade. “Não damos oportunidade para quem tem currículo bom e está com ficha-limpa. Oferecemos vagas para quem precisa mudar de vida como eu precisei. Não estamos investindo em banco, estamos investindo em vidas”, alerta o empresário, que conta com uma equipe de 80 colaboradores, a maioria ex-presidiários e detentos em regime semiaberto. Com informações do Tribuna Hoje.i


<p>
 O empresário conta com uma equipe de 80 colaboradores, a maioria ex-presidiários e detentos em regime semiaberto. | Foto: <a href='http://www.facebook.com/pages/Cooperativa-Sonho-de-Liberdade/405490219546374?fref=ts' target='_blank'>Reprodução/Facebook</a></p>
O empresário conta com uma equipe de 80 colaboradores, a maioria ex-presidiários e detentos em regime semiaberto. | Foto:Reprodução/Facebook
Depois de encontrar dificuldades para conseguir um novo emprego, o ex-detento Fernando Figueiredo decidiu montar uma cooperativa de madeira reciclada em Brasília. Atualmente com uma equipe de 80 funcionários – a maioria composta por presidiários e ex-detentos – o empresário dá uma lição de empreendedorismo social.
A experiência adquirida nas oficinas de trabalho artesanal na cadeia deram base para que o atual empresário montasse sua cooperativa de madeira sustentável em Brasília. Fernando Figueiredo, que passou mais de seis anos na cadeia por roubo de automóvel e uso de entorpecentes, criou a companhia com mais três colegas, que sofreram preconceito ao buscar um novo emprego. “Eu e alguns colegas já tínhamos discutido a possibilidade de abrir uma empresa caso o mercado fechasse as portas para a gente. Só tínhamos três caminhos: conseguir emprego, abrir uma empresa ou voltar ao crime. Ficamos com a segunda opção”, conta Figueiredo.
A empresa gera lucro aproximado de um milhão de reais por ano. Lá são produzidos móveis, bolas e a empresa ainda tritura madeira para transformá-la em combustível.  A madeira utilizada como matéria-prima nos primeiros trabalhos foi encontrada no lixo. A estrutura foi levantada a partir do dinheiro dos próprios cooperativados. Hoje, o empreendimento conta com uma extensa lista de clientes, dentre eles a multinacional Bunge.
Além de combater o descarte irregular de madeira na cidade em que foi instalado, o negócio dá uma nova oportunidade às pessoas que passaram algum tempo à margem da sociedade. “Não damos oportunidade para quem tem currículo bom e está com ficha-limpa. Oferecemos vagas para quem precisa mudar de vida como eu precisei. Não estamos investindo em banco, estamos investindo em vidas”, alerta o empresário, que conta com uma equipe de 80 colaboradores, a maioria ex-presidiários e detentos em regime semiaberto. Com informações do Tribuna Hoje.



<p>
 O empresário conta com uma equipe de 80 colaboradores, a maioria ex-presidiários e detentos em regime semiaberto. | Foto: <a href='http://www.facebook.com/pages/Cooperativa-Sonho-de-Liberdade/405490219546374?fref=ts' target='_blank'>Reprodução/Facebook</a></p>
O empresário conta com uma equipe de 80 colaboradores, a maioria ex-presidiários e detentos em regime semiaberto. | Foto:Reprodução/Facebook
Depois de encontrar dificuldades para conseguir um novo emprego, o ex-detento Fernando Figueiredo decidiu montar uma cooperativa de madeira reciclada em Brasília. Atualmente com uma equipe de 80 funcionários – a maioria composta por presidiários e ex-detentos – o empresário dá uma lição de empreendedorismo social.
A experiência adquirida nas oficinas de trabalho artesanal na cadeia deram base para que o atual empresário montasse sua cooperativa de madeira sustentável em Brasília. Fernando Figueiredo, que passou mais de seis anos na cadeia por roubo de automóvel e uso de entorpecentes, criou a companhia com mais três colegas, que sofreram preconceito ao buscar um novo emprego. “Eu e alguns colegas já tínhamos discutido a possibilidade de abrir uma empresa caso o mercado fechasse as portas para a gente. Só tínhamos três caminhos: conseguir emprego, abrir uma empresa ou voltar ao crime. Ficamos com a segunda opção”, conta Figueiredo.
A empresa gera lucro aproximado de um milhão de reais por ano. Lá são produzidos móveis, bolas e a empresa ainda tritura madeira para transformá-la em combustível.  A madeira utilizada como matéria-prima nos primeiros trabalhos foi encontrada no lixo. A estrutura foi levantada a partir do dinheiro dos próprios cooperativados. Hoje, o empreendimento conta com uma extensa lista de clientes, dentre eles a multinacional Bunge.
Além de combater o descarte irregular de madeira na cidade em que foi instalado, o negócio dá uma nova oportunidade às pessoas que passaram algum tempo à margem da sociedade. “Não damos oportunidade para quem tem currículo bom e está com ficha-limpa. Oferecemos vagas para quem precisa mudar de vida como eu precisei. Não estamos investindo em banco, estamos investindo em vidas”, alerta o empresário, que conta com uma equipe de 80 colaboradores, a maioria ex-presidiários e detentos em regime semiaberto. Com informações do Tribuna Hoje.   

<p>
 O empresário conta com uma equipe de 80 colaboradores, a maioria ex-presidiários e detentos em regime semiaberto. | Foto: <a href='http://www.facebook.com/pages/Cooperativa-Sonho-de-Liberdade/405490219546374?fref=ts' target='_blank'>Reprodução/Facebook</a></p>
O empresário conta com uma equipe de 80 colaboradores, a maioria ex-presidiários e detentos em regime semiaberto. | Foto:Reprodução/Facebook
Depois de encontrar dificuldades para conseguir um novo emprego, o ex-detento Fernando Figueiredo decidiu montar uma cooperativa de madeira reciclada em Brasília. Atualmente com uma equipe de 80 funcionários – a maioria composta por presidiários e ex-detentos – o empresário dá uma lição de empreendedorismo social.
A experiência adquirida nas oficinas de trabalho artesanal na cadeia deram base para que o atual empresário montasse sua cooperativa de madeira sustentável em Brasília. Fernando Figueiredo, que passou mais de seis anos na cadeia por roubo de automóvel e uso de entorpecentes, criou a companhia com mais três colegas, que sofreram preconceito ao buscar um novo emprego. “Eu e alguns colegas já tínhamos discutido a possibilidade de abrir uma empresa caso o mercado fechasse as portas para a gente. Só tínhamos três caminhos: conseguir emprego, abrir uma empresa ou voltar ao crime. Ficamos com a segunda opção”, conta Figueiredo.
A empresa gera lucro aproximado de um milhão de reais por ano. Lá são produzidos móveis, bolas e a empresa ainda tritura madeira para transformá-la em combustível.  A madeira utilizada como matéria-prima nos primeiros trabalhos foi encontrada no lixo. A estrutura foi levantada a partir do dinheiro dos próprios cooperativados. Hoje, o empreendimento conta com uma extensa lista de clientes, dentre eles a multinacional Bunge.
Além de combater o descarte irregular de madeira na cidade em que foi instalado, o negócio dá uma nova oportunidade às pessoas que passaram algum tempo à margem da sociedade. “Não damos oportunidade para quem tem currículo bom e está com ficha-limpa. Oferecemos vagas para quem precisa mudar de vida como eu precisei. Não estamos investindo em banco, estamos investindo em vidas”, alerta o empresário, que conta com uma equipe de 80 colaboradores, a maioria ex-presidiários e detentos em regime semiaberto. Com informações do Tribuna Hoje.
Via: Ciclo Vivo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Política dos 5 R's e Consumo Consciente

A politica dos 5Rs, são as possíveis acções práticas que no dia a dia, podem reduzir o impacto no meio ambiente, através do estímulo ao consumo consciente. São elas: 1 - Repensar os hábitos de consumo Pense na real necessidade da compra daquele produto, antes de comprá-lo. Depois de consumi-lo, separe as embalagens, matéria orgânica e óleo de cozinha usado. Deite no lixo apenas o que não for reutilizável ou reciclável. Evite o desperdício de alimentos. Use produtos de limpeza biodegradáveis. Prefira embalagens de papel e papelão. Adquira produtos recicláveis ou produzidos com matéria-prima reciclada, durável e resistente. Utilize lâmpadas economizadoras e pilhas recarregáveis ou alcalinas. Mude seus hábitos de consumo. 2- Recusar produtos que prejudicam o meio ambiente e a saúde Compre apenas produtos que não agridem o meio ambiente e a saúde. Fique atento ao prazo de validade e escolha as fábricas e empresas que têm compromissos com a ecologia. Evite o excesso de sacos

Casas Sustentáveis

Diversos modelos e ideias ou projetos de casas sustentáveis bem legais! Divirta-se e apreciem os modelos sem moderação! Captação de água e circulação de ar que mantém a temperatura agradável.  Ideias para aplicar em casas já construídas! Telhado verde! Tendência e obrigatoriedade em alguns países! Este modelo apresenta novas tecnologias! Lâmpadas com energia eólica! Captação de água e armazenamento. Fonte: Bioconservation

AQUECEDOR SOLAR DE ÁGUA FEITO COM TUBOS DE PVC

PROJETO EXPERIMENTAL solução barata para aquecer água para banho Nota:  Aquecedor Solar de Água com o coletor solar feito com tubos de PVC: Criação, pesquisa e desenvolvimento por Edison Urbano. Obs.: Esse projeto foi baseado na tecnologia do ASBC - Sigla que caracteriza o Aquecedor Solar de Baixo Custo, projeto originalmente elaborado pela equipe da ONG Sociedade do Sol que, para a confecção do seu coletor térmico solar, usa placas alveolares de PVC (normalmente usadas para construções de forros). ÍNDICE INTRODUÇÃO Energia Elétrica - consumo sustentável. Formas simples para economizar energia elétrica. Estudo do consumo de energia elétrica por um chuveiro elétrico Explicações gerais do projeto experimental do Aquecedor Solar de água feito com tubos de PVC próprios para água potável. Aprendendo a dimensionar um Aquecedor Solar feito com tubos de PVC. MONTAGEM do(s) COLETOR(es) MONTAGEM do COLETOR feito com TUBOS de PVC Obs.: as medidas podem ser alt