Translate

Google Translate
Arabic Korean Japanese Chinese Simplified Russian Portuguese
English French German Spain Italian Dutch

Quem sou eu

Minha foto

Pesquisadora nas áreas de sustentabilidade e saúde da habitação. Tem como objetivo projetar e prestar consultoria a clientes com interesse na busca pelo Viver Saudável, uma interação equilibrada entre meio ambiente, pessoas  e o Lar em que habitam.

Fale Conosco

- Deixe seu comentário ou envie um e-mail: celinalago@hotmail.com
- Se desejar receber as novidades do site seja um seguidor que o envio é automático.
- A sua participação é muito importante. Só assim, unidos conseguiremos reverter o processo de destruição planetária pelo qual estamos passando e encontrar um equilíbrio saudável.

Muita Luz e Amor,

Celina Lago

13 de abr de 2013

Ex-detento cria cooperativa em Brasília e lucra R$ 1 milhão ao ano


<p>
 O empresário conta com uma equipe de 80 colaboradores, a maioria ex-presidiários e detentos em regime semiaberto. | Foto: <a href='http://www.facebook.com/pages/Cooperativa-Sonho-de-Liberdade/405490219546374?fref=ts' target='_blank'>Reprodução/Facebook</a></p>
O empresário conta com uma equipe de 80 colaboradores, a maioria ex-presidiários e detentos em regime semiaberto. | Foto:Reprodução/Facebook
Depois de encontrar dificuldades para conseguir um novo emprego, o ex-detento Fernando Figueiredo decidiu montar uma cooperativa de madeira reciclada em Brasília. Atualmente com uma equipe de 80 funcionários – a maioria composta por presidiários e ex-detentos – o empresário dá uma lição de empreendedorismo social.

A experiência adquirida nas oficinas de trabalho artesanal na cadeia deram base para que o atual empresário montasse sua cooperativa de madeira sustentável em Brasília. Fernando Figueiredo, que passou mais de seis anos na cadeia por roubo de automóvel e uso de entorpecentes, criou a companhia com mais três colegas, que sofreram preconceito ao buscar um novo emprego. “Eu e alguns colegas já tínhamos discutido a possibilidade de abrir uma empresa caso o mercado fechasse as portas para a gente. Só tínhamos três caminhos: conseguir emprego, abrir uma empresa ou voltar ao crime. Ficamos com a segunda opção”, conta Figueiredo.

A empresa gera lucro aproximado de um milhão de reais por ano. Lá são produzidos móveis, bolas e a empresa ainda tritura madeira para transformá-la em combustível. A madeira utilizada como matéria-prima nos primeiros trabalhos foi encontrada no lixo. A estrutura foi levantada a partir do dinheiro dos próprios cooperativados. Hoje, o empreendimento conta com uma extensa lista de clientes, dentre eles a multinacional Bunge.

Além de combater o descarte irregular de madeira na cidade em que foi instalado, o negócio dá uma nova oportunidade às pessoas que passaram algum tempo à margem da sociedade. “Não damos oportunidade para quem tem currículo bom e está com ficha-limpa. Oferecemos vagas para quem precisa mudar de vida como eu precisei. Não estamos investindo em banco, estamos investindo em vidas”, alerta o empresário, que conta com uma equipe de 80 colaboradores, a maioria ex-presidiários e detentos em regime semiaberto. Com informações do Tribuna Hoje.

<p>
 O empresário conta com uma equipe de 80 colaboradores, a maioria ex-presidiários e detentos em regime semiaberto. | Foto: <a href='http://www.facebook.com/pages/Cooperativa-Sonho-de-Liberdade/405490219546374?fref=ts' target='_blank'>Reprodução/Facebook</a></p>
O empresário conta com uma equipe de 80 colaboradores, a maioria ex-presidiários e detentos em regime semiaberto. | Foto:Reprodução/Facebook
Depois de encontrar dificuldades para conseguir um novo emprego, o ex-detento Fernando Figueiredo decidiu montar uma cooperativa de madeira reciclada em Brasília. Atualmente com uma equipe de 80 funcionários – a maioria composta por presidiários e ex-detentos – o empresário dá uma lição de empreendedorismo social.
A experiência adquirida nas oficinas de trabalho artesanal na cadeia deram base para que o atual empresário montasse sua cooperativa de madeira sustentável em Brasília. Fernando Figueiredo, que passou mais de seis anos na cadeia por roubo de automóvel e uso de entorpecentes, criou a companhia com mais três colegas, que sofreram preconceito ao buscar um novo emprego. “Eu e alguns colegas já tínhamos discutido a possibilidade de abrir uma empresa caso o mercado fechasse as portas para a gente. Só tínhamos três caminhos: conseguir emprego, abrir uma empresa ou voltar ao crime. Ficamos com a segunda opção”, conta Figueiredo.
A empresa gera lucro aproximado de um milhão de reais por ano. Lá são produzidos móveis, bolas e a empresa ainda tritura madeira para transformá-la em combustível.  A madeira utilizada como matéria-prima nos primeiros trabalhos foi encontrada no lixo. A estrutura foi levantada a partir do dinheiro dos próprios cooperativados. Hoje, o empreendimento conta com uma extensa lista de clientes, dentre eles a multinacional Bunge.
Além de combater o descarte irregular de madeira na cidade em que foi instalado, o negócio dá uma nova oportunidade às pessoas que passaram algum tempo à margem da sociedade. “Não damos oportunidade para quem tem currículo bom e está com ficha-limpa. Oferecemos vagas para quem precisa mudar de vida como eu precisei. Não estamos investindo em banco, estamos investindo em vidas”, alerta o empresário, que conta com uma equipe de 80 colaboradores, a maioria ex-presidiários e detentos em regime semiaberto. Com informações do Tribuna Hoje.i


<p>
 O empresário conta com uma equipe de 80 colaboradores, a maioria ex-presidiários e detentos em regime semiaberto. | Foto: <a href='http://www.facebook.com/pages/Cooperativa-Sonho-de-Liberdade/405490219546374?fref=ts' target='_blank'>Reprodução/Facebook</a></p>
O empresário conta com uma equipe de 80 colaboradores, a maioria ex-presidiários e detentos em regime semiaberto. | Foto:Reprodução/Facebook
Depois de encontrar dificuldades para conseguir um novo emprego, o ex-detento Fernando Figueiredo decidiu montar uma cooperativa de madeira reciclada em Brasília. Atualmente com uma equipe de 80 funcionários – a maioria composta por presidiários e ex-detentos – o empresário dá uma lição de empreendedorismo social.
A experiência adquirida nas oficinas de trabalho artesanal na cadeia deram base para que o atual empresário montasse sua cooperativa de madeira sustentável em Brasília. Fernando Figueiredo, que passou mais de seis anos na cadeia por roubo de automóvel e uso de entorpecentes, criou a companhia com mais três colegas, que sofreram preconceito ao buscar um novo emprego. “Eu e alguns colegas já tínhamos discutido a possibilidade de abrir uma empresa caso o mercado fechasse as portas para a gente. Só tínhamos três caminhos: conseguir emprego, abrir uma empresa ou voltar ao crime. Ficamos com a segunda opção”, conta Figueiredo.
A empresa gera lucro aproximado de um milhão de reais por ano. Lá são produzidos móveis, bolas e a empresa ainda tritura madeira para transformá-la em combustível.  A madeira utilizada como matéria-prima nos primeiros trabalhos foi encontrada no lixo. A estrutura foi levantada a partir do dinheiro dos próprios cooperativados. Hoje, o empreendimento conta com uma extensa lista de clientes, dentre eles a multinacional Bunge.
Além de combater o descarte irregular de madeira na cidade em que foi instalado, o negócio dá uma nova oportunidade às pessoas que passaram algum tempo à margem da sociedade. “Não damos oportunidade para quem tem currículo bom e está com ficha-limpa. Oferecemos vagas para quem precisa mudar de vida como eu precisei. Não estamos investindo em banco, estamos investindo em vidas”, alerta o empresário, que conta com uma equipe de 80 colaboradores, a maioria ex-presidiários e detentos em regime semiaberto. Com informações do Tribuna Hoje.



<p>
 O empresário conta com uma equipe de 80 colaboradores, a maioria ex-presidiários e detentos em regime semiaberto. | Foto: <a href='http://www.facebook.com/pages/Cooperativa-Sonho-de-Liberdade/405490219546374?fref=ts' target='_blank'>Reprodução/Facebook</a></p>
O empresário conta com uma equipe de 80 colaboradores, a maioria ex-presidiários e detentos em regime semiaberto. | Foto:Reprodução/Facebook
Depois de encontrar dificuldades para conseguir um novo emprego, o ex-detento Fernando Figueiredo decidiu montar uma cooperativa de madeira reciclada em Brasília. Atualmente com uma equipe de 80 funcionários – a maioria composta por presidiários e ex-detentos – o empresário dá uma lição de empreendedorismo social.
A experiência adquirida nas oficinas de trabalho artesanal na cadeia deram base para que o atual empresário montasse sua cooperativa de madeira sustentável em Brasília. Fernando Figueiredo, que passou mais de seis anos na cadeia por roubo de automóvel e uso de entorpecentes, criou a companhia com mais três colegas, que sofreram preconceito ao buscar um novo emprego. “Eu e alguns colegas já tínhamos discutido a possibilidade de abrir uma empresa caso o mercado fechasse as portas para a gente. Só tínhamos três caminhos: conseguir emprego, abrir uma empresa ou voltar ao crime. Ficamos com a segunda opção”, conta Figueiredo.
A empresa gera lucro aproximado de um milhão de reais por ano. Lá são produzidos móveis, bolas e a empresa ainda tritura madeira para transformá-la em combustível.  A madeira utilizada como matéria-prima nos primeiros trabalhos foi encontrada no lixo. A estrutura foi levantada a partir do dinheiro dos próprios cooperativados. Hoje, o empreendimento conta com uma extensa lista de clientes, dentre eles a multinacional Bunge.
Além de combater o descarte irregular de madeira na cidade em que foi instalado, o negócio dá uma nova oportunidade às pessoas que passaram algum tempo à margem da sociedade. “Não damos oportunidade para quem tem currículo bom e está com ficha-limpa. Oferecemos vagas para quem precisa mudar de vida como eu precisei. Não estamos investindo em banco, estamos investindo em vidas”, alerta o empresário, que conta com uma equipe de 80 colaboradores, a maioria ex-presidiários e detentos em regime semiaberto. Com informações do Tribuna Hoje.   

<p>
 O empresário conta com uma equipe de 80 colaboradores, a maioria ex-presidiários e detentos em regime semiaberto. | Foto: <a href='http://www.facebook.com/pages/Cooperativa-Sonho-de-Liberdade/405490219546374?fref=ts' target='_blank'>Reprodução/Facebook</a></p>
O empresário conta com uma equipe de 80 colaboradores, a maioria ex-presidiários e detentos em regime semiaberto. | Foto:Reprodução/Facebook
Depois de encontrar dificuldades para conseguir um novo emprego, o ex-detento Fernando Figueiredo decidiu montar uma cooperativa de madeira reciclada em Brasília. Atualmente com uma equipe de 80 funcionários – a maioria composta por presidiários e ex-detentos – o empresário dá uma lição de empreendedorismo social.
A experiência adquirida nas oficinas de trabalho artesanal na cadeia deram base para que o atual empresário montasse sua cooperativa de madeira sustentável em Brasília. Fernando Figueiredo, que passou mais de seis anos na cadeia por roubo de automóvel e uso de entorpecentes, criou a companhia com mais três colegas, que sofreram preconceito ao buscar um novo emprego. “Eu e alguns colegas já tínhamos discutido a possibilidade de abrir uma empresa caso o mercado fechasse as portas para a gente. Só tínhamos três caminhos: conseguir emprego, abrir uma empresa ou voltar ao crime. Ficamos com a segunda opção”, conta Figueiredo.
A empresa gera lucro aproximado de um milhão de reais por ano. Lá são produzidos móveis, bolas e a empresa ainda tritura madeira para transformá-la em combustível.  A madeira utilizada como matéria-prima nos primeiros trabalhos foi encontrada no lixo. A estrutura foi levantada a partir do dinheiro dos próprios cooperativados. Hoje, o empreendimento conta com uma extensa lista de clientes, dentre eles a multinacional Bunge.
Além de combater o descarte irregular de madeira na cidade em que foi instalado, o negócio dá uma nova oportunidade às pessoas que passaram algum tempo à margem da sociedade. “Não damos oportunidade para quem tem currículo bom e está com ficha-limpa. Oferecemos vagas para quem precisa mudar de vida como eu precisei. Não estamos investindo em banco, estamos investindo em vidas”, alerta o empresário, que conta com uma equipe de 80 colaboradores, a maioria ex-presidiários e detentos em regime semiaberto. Com informações do Tribuna Hoje.
Via: Ciclo Vivo