Translate

Google Translate
Arabic Korean Japanese Chinese Simplified Russian Portuguese
English French German Spain Italian Dutch

Quem sou eu

Minha foto

Pesquisadora nas áreas de sustentabilidade e saúde da habitação. Tem como objetivo projetar e prestar consultoria a clientes com interesse na busca pelo Viver Saudável, uma interação equilibrada entre meio ambiente, pessoas  e o Lar em que habitam.

Fale Conosco

- Deixe seu comentário ou envie um e-mail: celinalago@hotmail.com
- Se desejar receber as novidades do site seja um seguidor que o envio é automático.
- A sua participação é muito importante. Só assim, unidos conseguiremos reverter o processo de destruição planetária pelo qual estamos passando e encontrar um equilíbrio saudável.

Muita Luz e Amor,

Celina Lago

4 de mar de 2012

Cinza pelo verde: Jardins suspensos e telhados verdes popularizam-se na Argentina

Jardim suspenso é alternativa para criar mais áreas verdes nas cidades/Foto: Muesca61

Como diz o velho ditado, é a partir da necessidade que surgem as oportunidades. Pois a dificuldade de ampliar os espaços verdes na Argentina está popularizando a adoção de telhados verdes e jardins suspensos.
A ideia, na realidade, é cobrir a grande superfície de cimento e concreto com plantas e gramas. Assim, além dos telhados, no país já se encontra facilmente os jardins suspensos, montados sobre uma estrutura de aço galvanizado nas paredes.
Tanto os terraços verdes quanto os jardins verticais oferecem vantagens paisagísticas e ambientais concretas. Estes atuam, por exemplo, como isolantes e reguladores térmicos, além de permitir a economia de energia, uma maior produção e renovação do ar.

Plantações no topo de um edifício/Foto: Milton Jung

Dessa forma, os jardins suspensos transformam-se em cortinas verdes que funcionam como para-sóis deslizantes, reguladores de temperatura e fornecedores de oxigênio. O novo sistema complementa os telhados verdes, que converte terraços e varandas de azulejos em cobertura vegetal. 
Segundo a arquiteta argentina Alba Guanjajevic, autora do projeto, o fornecimento de folhas pequenas de um lado do outro do edifício produz uma maior fotossíntese, gerando mais oxigenação.
Segundo ela, isto irá formar um contrapeso importante para a ilha de calor urbano. Além das vantagens ambientais, esses sistemas facilitam a certificação LEED, um conjunto de recomendações para edifícios verdes.

Fonte: Clarín                        Via: Portal EcoD