Quem sou eu

Minha foto

Pesquisadora nas áreas de sustentabilidade e saúde da habitação. Tem como objetivo projetar e prestar consultoria a clientes com interesse na busca pelo Viver Saudável, uma interação equilibrada entre meio ambiente, pessoas  e o Lar em que habitam.

Fale Conosco

- Deixe seu comentário ou envie um e-mail: celinalago@hotmail.com
- Se desejar receber as novidades do site seja um seguidor que o envio é automático.
- A sua participação é muito importante. Só assim, unidos conseguiremos reverter o processo de destruição planetária pelo qual estamos passando e encontrar um equilíbrio saudável.

Muita Luz e Amor,

Celina Lago

20 de abr de 2016

Serão as Fazendas Verticais o futuro da arquitetura sustentável?

The Asian Cairns farmscrapers (Image courtesy Vincent Callebaut Architects)
As Fazendas Verticais "Asian Cairns" (Imagem Cortesia Vincent Callebaut Architects)

Uma das vantagens de viver em uma cidade é que o ambiente urbano é de muitas maneiras mais sustentável do que nos subúrbios - o transporte de massa proporciona fácil acesso às diferentes áreas sem carros ou auto-estradas, e o denso planejamento se encaixa de forma eficiente onde tem-se mais pessoas em menos espaços. Mas a unidade de Arquitetura por excelência da cidade, o arranha-céu, nem sempre é o método mais verde de edifício. Essas fazendas Verticais são uma criação da Empresa Vincent Callebaut Architectsde com sede na França e Bélgica.

Detail of a farmscraper unit (Image courtesy Vincent Callebaut Architects)
Detalhe de uma Unidade -  (Imagem cortesia Vincent Callebaut Architects)

As Construções Verticais Verde são chamadas de ""Farmscraper" que é o termo que eles inventaram para um plano de seis arranha-céus, considerado "Asian Cairns," criado para a província de Shenzhen, na China. As estruturas imponentes são divididas em seções ovulares, "Blob-like" que se parecem com pedras alisadas pela água corrente durante os anos. Cada gota (blob) contém uma floresta em miniatura com árvores e grama, juntamente com turbinas eólicas e células solares. Cada "Farmscraper" mede 396,24 metros de altura e tem 111 andares, relata New York Daily News.

Essas "Farmscrapers" são projetadas para atuar como ecossistemas auto-suficientes: A água criada e coletada pelas plantas das Edificações que será reciclada para uso no interior do edifício. As "Farmscrapers" não vão necessariamente, produzir alimentos para sustentar a comunidade, mas vão melhorar a qualidade do ar legendariamente ruim da cidade. Cada seixo de unidade também irá conter uma mistura de escritórios, residencias e espaços de lazer. Misturando densidade eficiente com as estratégias de design verde, Callebaut está desenvolvendo uma solução arquitetônica para a expansão urbana em crescimento da China. "Neste contexto de hipercrescimento e urbanismo acelerado, o projeto "Asian Cairns"luta pela construção de um pólo urbano multifuncional, multicultural e ecológico", a empresa explicou no World Architecture News.

Close-up of a farmscraper (Image courtesy Vincent Callebaut Architects)

O projeto da Callebaut ainda pode ser teórica, mas o plano para integrar a tecnologia amiga do ambiente em arranha-céus já foi realizada em muitos edifícios. como nas torres residenciais verticais "Bosco Verticale" de Milão, com árvores que crescem em varandas modulares na parte externa de cada unidade. O projeto se espalharia por um hectare de floresta por 27 andares, de acordo com FastCo, enquanto apenas adicionaria 5% sobre os custos de construção. A "Harmonia 57's desenvolvida em São Paulo, Brasil, incorpora plantas junto às suas paredes de concreto.

MAD's Urban Forest (Image courtesy inhabitat.com)
MAD’s Urban Forest (Image courtesy inhabitat.com)

A empresa chinesa "MAD Architects" também projetou uma "Farmscrapers" ou "Floresta Urbana" para Chongqing. O edifício torcido, onde fatias arredondadas são uma reminiscência do alto modernismo, mas cada nível também abriga grandes áreas de árvores, semelhante ao plano "Farmscraper". É uma maneira de trazer os espaços verdes para o ambiente urbano, mantendo as cidades como numa embalagem, tanto quanto possível em um espaço apertado.