Translate

Google Translate
Arabic Korean Japanese Chinese Simplified Russian Portuguese
English French German Spain Italian Dutch

Quem sou eu

Minha foto

Pesquisadora nas áreas de sustentabilidade e saúde da habitação. Tem como objetivo projetar e prestar consultoria a clientes com interesse na busca pelo Viver Saudável, uma interação equilibrada entre meio ambiente, pessoas  e o Lar em que habitam.

Fale Conosco

- Deixe seu comentário ou envie um e-mail: celinalago@hotmail.com
- Se desejar receber as novidades do site seja um seguidor que o envio é automático.
- A sua participação é muito importante. Só assim, unidos conseguiremos reverter o processo de destruição planetária pelo qual estamos passando e encontrar um equilíbrio saudável.

Muita Luz e Amor,

Celina Lago

13 de abr de 2013

Casa da década de 70 é eleita modelo de construção passiva




<p>
 Os arquitetos Vagn Korsgaard e Esbensen Torben foram os responsáveis pelo projeto que iria inspirar outras construções europeias feitas com baixo impacto ambiental e gasto energético zero, antes mesmo que o termo sustentabilidade fosse inventado. - Foto: <a href='http://www.passivehouse-international.org/index.php?page_id=76' target='_blank'>Divulgação</a></p>
Os arquitetos Vagn Korsgaard e Esbensen Torben foram os responsáveis pelo projeto que iria inspirar outras construções europeias feitas com baixo impacto ambiental e gasto energético zero, antes mesmo que o termo sustentabilidade fosse inventado. - Foto: Divulgação
O Instituto Passivhaus acaba de escolher uma residência construída na década de 70 como exemplo de edificação projetada para ser energeticamente passiva. A casa está localizada em Copenhague e foi a vencedora do concurso anual da organização internacional.

Os arquitetos Vagn Korsgaard e Esbensen Torben foram os responsáveis pelo projeto que iria inspirar outras construções europeias feitas com baixo impacto ambiental e gasto energético zero, antes mesmo que o termo sustentabilidade fosse inventado.

“A obra de Korsgaard e Torben demonstrou nos anos 1970 que a tecnologia de eficiência energética realmente funcionam. A construção deste edifício foi uma importante base para desenvolvimentos posteriores na Europa e ao redor do mundo”, explicou o Dr. Wolfgang Feist, diretor e fundador do Instituto Passivhaus.

A casa, que agora é reconhecida internacionalmente, foi erguida nos campus da Universidade de Copenhague e desde 1974 tem servido como uma espécie de laboratório. A residência foi utilizada como base para testes, que incluem a simulações e medições para a otimização de componentes e serviços de construção.

Como exemplo de alguns itens incorporados à obra, os arquitetos utilizaram isolamentos móveis em frente às janelas, um dispositivo de recuperação de calor, sistemas de aquecimento com 42 m² de placas solares e um tanque de armazenamento de água quente com capacidade para 30 m³.

Fonte: CicloVivo