Pular para o conteúdo principal

Valorização de pedestres é destaque no projeto de Lina Bo Bardi para o Anhangabaú


Jardim suspenso, gente pisando na grama e floresta. Foi assim que a arquiteta Lina Bo Bardi imaginou o Vale do Anhangabaú, no centro de São Paulo, quando participou de um concurso para revitalização da área.

Realizado pela Prefeitura de São Paulo em 1981, o Concurso Nacional de Projetos para a Recuperação do Vale do Anhangabaú reuniu diversas ideias, uma delas vem à tona com a exposição “Anhangabaú: Jardim tropical”.

A arquiteta, que projetou o Masp, queria fazer um jardim e um longo viaduto elevado para carros, que ficou conhecido como “tobogã”. O solo seria permeável e o pedestre seria prioridade. “Liberando aos pedestres, o vale volta a viver”, afirma o projeto.

Desenvolvida por Lina e uma equipe composta por oito pessoas, a proposta fala sobre “devolver aos homens” o Anhangabaú e chama os carros de “perigosos inimigos”. Além de valorizar os moradores, o projeto demonstra preocupação em preservar a história do centro. Destaca que os velhos e pequenos prédios seriam mantidos e recuperados, sem destruições.

Créditos da foto: Curador Renato Anelli.

“Bancos de pedras debaixo das árvores e muitos vendedores: pipocas, sorvetes, churrasquinhos, livros velhos e jornais novos, cataventos, brinquedos caseiros. Será permitido pisar na grama (a grama será logo reposta quando estragada). Um exército de limpadores tirará cada segunda-feira (como nas maiores cidades do mundo) os restos de piqueniques e os papéis e plásticos jogados fora”, sugere o projeto.

O texto de Lina destaca que é, sim, um projeto caro, porém, “os sonhos são sempre a verdadeira realidade”. Entretanto, como se pode ver na região central da capital paulista, a proposta não foi escolhida, tendo o arquiteto Jorge Wilheim o projeto vencedor. Mas, pode ser conferida na mostra que integra a programação da X Bienal de Arquitetura.

A exposição reúne desenhos originais, croquis de Lina Bo Bardi e equipe e uma maquete confeccionada para a exposição, com curadoria do arquiteto Renato Anelli, diretor do Instituto Lina Bo e P. M Bardi. O evento, que teve início no dia 13 de outubro, segue até 24 de novembro, de quinta a domingo, das 11h às 16h, na Casa de Vidro: Rua General Almério de Moura, 200, Morumbi.


Fonte: CicloVivo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Casas Sustentáveis

Diversos modelos e ideias ou projetos de casas sustentáveis bem legais! Divirta-se e apreciem os modelos sem moderação! Captação de água e circulação de ar que mantém a temperatura agradável.  Ideias para aplicar em casas já construídas! Telhado verde! Tendência e obrigatoriedade em alguns países! Este modelo apresenta novas tecnologias! Lâmpadas com energia eólica! Captação de água e armazenamento. Fonte: Bioconservation

AQUECEDOR SOLAR DE ÁGUA FEITO COM TUBOS DE PVC

PROJETO EXPERIMENTAL solução barata para aquecer água para banho Nota:  Aquecedor Solar de Água com o coletor solar feito com tubos de PVC: Criação, pesquisa e desenvolvimento por Edison Urbano. Obs.: Esse projeto foi baseado na tecnologia do ASBC - Sigla que caracteriza o Aquecedor Solar de Baixo Custo, projeto originalmente elaborado pela equipe da ONG Sociedade do Sol que, para a confecção do seu coletor térmico solar, usa placas alveolares de PVC (normalmente usadas para construções de forros). ÍNDICE INTRODUÇÃO Energia Elétrica - consumo sustentável. Formas simples para economizar energia elétrica. Estudo do consumo de energia elétrica por um chuveiro elétrico Explicações gerais do projeto experimental do Aquecedor Solar de água feito com tubos de PVC próprios para água potável. Aprendendo a dimensionar um Aquecedor Solar feito com tubos de PVC. MONTAGEM do(s) COLETOR(es) MONTAGEM do COLETOR feito com TUBOS de PVC Obs.: as medidas podem ser alt

Como Assentar um Piso Drenante?

O piso drenante não é apenas um piso pré moldado em placas de concreto drenante, é na verdade um sistema que engloba os materiais de assentamento formando uma escala granulométrica que drena as águas pluviais para o solo. As placas de piso não podem ser assentadas diretamente sobre a terra, pois a mesma irá entupir os vazios da placa de concreto evitando o correto funcionamento. A placa drenante deve ser assentada em um colchão drenante da seguinte forma de acordo com o manual técnico da Segato Pisos do Brasil: -Espalhar sobre o solo compactado uma camada de brita de aproximadamente 12cm de espessura. -Sobre a camada de brita, espalhar uma camada de Areia de aproximadamente 7cm de espessura. -Fazer colocação das placas usando uma linha de nylon para orientar no alinhamento e nivelamento. -A colocação tem que ser feita de forma que as peças fiquem travadas. Seguindo essas regras, teremos um piso ecologicamente correto podendo participar dos projetos com princípios