Pular para o conteúdo principal

Dígitro tem retorno por edifício verde

Dígitro tem retorno por edifício verde

Ao construir sua nova sede em Florianópolis, a Dígitro investiu 15% a mais em materiais e tecnologia para tornar o projeto sustentável – e colhe agora os resultados do planejamento.
Há dois anos, é em um prédio revestido de pastilhas brancas, que aproveita água da chuva e energia solar, que trabalham cerca de 600 funcionários da desenvolvedora brasileira de soluções em inteligência, TI e telecom.

“Queríamos um prédio que representasse um pouco da empresa e do que a gente imagina de Florianópolis – uma cidade com vocação para tecnologia e também para o verde e a natureza”, explica Luiz Aurélio Baptista, diretor administrativo e de qualidade da Dígitro.
O projeto começou há cinco anos, levou dois para ser estruturado (devido á busca por parceiros e fornecedores de materiais sustentáveis) e mais um para a construção. “Hoje, temos uma economia de luz de 25% se comparada a um prédio normal e uma conta de água muito pequena para uma empresa desse porte – ela beira os mil reais”, diz Baptista.
Tudo graças ao sistema de captação de água da chuva nos beirais especialmente construídos com essa finalidade, com capacidade de 60 mil litros de armazenamento. A água coletada é destinada a descarga dos banheiros, que corresponde a 70% do consumo.

Quanto à luz e refrigeração, uma série de sistemas simples permite a economia. O primeiro deles é uma abertura no centro do prédio, por onde entra luz natural em todos os andares. Há também células fotovoltaicas e luminárias que podem ser controladas de acordo com a necessidade de luz do ambiente. “O prédio é todo claro, com telhado e pastilhas brancas, o que já garante um ganho de 2ºC na temperatura”, explica o diretor. “Os vidros são especiais, insulados, pois permitem a iluminação perfeita mas só deixam passar 30% do calor”, diz.
O esgoto que sai do prédio também é tratado com microorganismos e dispensa a aplicação de cloro na etapa final. Os resíduos saem com 93% de pureza e parte da água resultante é utilizada para a irrigação de jardins.

“As pessoas têm a visão de que, ao investir em um edifício verde, leva-se muito tempo para recuperar. O que estamos vendo é que ele custou apenas 15% acima de um prédio normal e esse valor será recuperado em cinco ou seis anos”, diz Baptista. O diretor cita ainda os benefícios indiretos, como a importância que muitos clientes dão a esse tipo de iniciativa na hora de escolher um fornecedor. “Sentimos que as pessoas gostam do projeto quando visitam a Digitro e, no fim, o que fizemos hoje por vontade, com certeza, em alguns anos, terá que ser feito por lei”, diz.

Fonte: Info.abril

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Casas Sustentáveis

Diversos modelos e ideias ou projetos de casas sustentáveis bem legais! Divirta-se e apreciem os modelos sem moderação! Captação de água e circulação de ar que mantém a temperatura agradável.  Ideias para aplicar em casas já construídas! Telhado verde! Tendência e obrigatoriedade em alguns países! Este modelo apresenta novas tecnologias! Lâmpadas com energia eólica! Captação de água e armazenamento. Fonte: Bioconservation

AQUECEDOR SOLAR DE ÁGUA FEITO COM TUBOS DE PVC

PROJETO EXPERIMENTAL solução barata para aquecer água para banho Nota:  Aquecedor Solar de Água com o coletor solar feito com tubos de PVC: Criação, pesquisa e desenvolvimento por Edison Urbano. Obs.: Esse projeto foi baseado na tecnologia do ASBC - Sigla que caracteriza o Aquecedor Solar de Baixo Custo, projeto originalmente elaborado pela equipe da ONG Sociedade do Sol que, para a confecção do seu coletor térmico solar, usa placas alveolares de PVC (normalmente usadas para construções de forros). ÍNDICE INTRODUÇÃO Energia Elétrica - consumo sustentável. Formas simples para economizar energia elétrica. Estudo do consumo de energia elétrica por um chuveiro elétrico Explicações gerais do projeto experimental do Aquecedor Solar de água feito com tubos de PVC próprios para água potável. Aprendendo a dimensionar um Aquecedor Solar feito com tubos de PVC. MONTAGEM do(s) COLETOR(es) MONTAGEM do COLETOR feito com TUBOS de PVC Obs.: as medidas podem ser alt

Como Assentar um Piso Drenante?

O piso drenante não é apenas um piso pré moldado em placas de concreto drenante, é na verdade um sistema que engloba os materiais de assentamento formando uma escala granulométrica que drena as águas pluviais para o solo. As placas de piso não podem ser assentadas diretamente sobre a terra, pois a mesma irá entupir os vazios da placa de concreto evitando o correto funcionamento. A placa drenante deve ser assentada em um colchão drenante da seguinte forma de acordo com o manual técnico da Segato Pisos do Brasil: -Espalhar sobre o solo compactado uma camada de brita de aproximadamente 12cm de espessura. -Sobre a camada de brita, espalhar uma camada de Areia de aproximadamente 7cm de espessura. -Fazer colocação das placas usando uma linha de nylon para orientar no alinhamento e nivelamento. -A colocação tem que ser feita de forma que as peças fiquem travadas. Seguindo essas regras, teremos um piso ecologicamente correto podendo participar dos projetos com princípios