Translate

Google Translate
Arabic Korean Japanese Chinese Simplified Russian Portuguese
English French German Spain Italian Dutch

Quem sou eu

Minha foto

Pesquisadora nas áreas de sustentabilidade e saúde da habitação. Tem como objetivo projetar e prestar consultoria a clientes com interesse na busca pelo Viver Saudável, uma interação equilibrada entre meio ambiente, pessoas  e o Lar em que habitam.

Fale Conosco

- Deixe seu comentário ou envie um e-mail: celinalago@hotmail.com
- Se desejar receber as novidades do site seja um seguidor que o envio é automático.
- A sua participação é muito importante. Só assim, unidos conseguiremos reverter o processo de destruição planetária pelo qual estamos passando e encontrar um equilíbrio saudável.

Muita Luz e Amor,

Celina Lago

18 de mar de 2016

Ecoeficiência - O Verde sobe dos Jardins para as Coberturas

O TELHADO VERDE VEM CONQUISTANDO ADEPTOS POR FAVORECER O DESEMPENHO TÉRMICO DOS EDIFÍCIOS, AUMENTAR A UMIDADE DO AR E COLABORAR COM A REDUÇÃO DA POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA. MAS SUA INSTALAÇÃO EXIGE CUIDADOS.

Cidades com elevado grau de urbanização, como São Paulo e Rio de Janeiro, possuem grande concentração de asfalto e concreto, pouca quantidade de verde e alto índice de poluição atmosférica, resultando nas chamadas ilhas de calor, em que as temperaturas aumentam e a umidade relativa do ar fica mais baixa.

O recurso para amenizar esse efeito indesejável e danoso ao meio ambiente é reduzir as superfícies escuras, que absorvem calor, substituindo-as por superfícies claras, capazes de refletir a energia solar que incide sobre elas, ou por coberturas verdes. Tanto um quanto o outro elemento não só atendem com eficiência a esses objetivos, como contribuem para a redução do consumo de energia.

Um dos efeitos positivos dos telhados verdes é o aumento da umidade relativa do ar na microrregião em que está instalado, uma vez que a raiz da planta, ao absorver a água, libera vapor para a atmosfera. As plantas também retiram partículas em suspensão no ar, o que torna muito mais agradável o ambiente, como se pode verificar em parques e espaços arborizados. Outro benefício diz respeito à fotossíntese, uma vez que a retirada de gás carbônico do ar ajuda no combate ao aquecimento global.


Segundo o engenheiro agrônomo Sérgio Rocha, diretor técnico do Instituto Cidade Jardim, fabricante de telhados verdes com sede em Itu, SP, para cada 10 mil metros quadrados desses elementos instalados é possível sequestrar cerca de 50 toneladas de carbono.

O diretor do Green Building Council Brasil, Nelson Kawakami, afirma que “se medirmos a temperatura da zona rural de uma cidade e a compararmos com a de seu centro urbano, poderemos ter uma diferença de quatro a cinco graus”. Esse aquecimento é provocado não só pelo uso do asfalto no capeamento da malha viária, como pelo emprego das mantas escuras que impermeabilizam boa parte da cobertura dos edifícios.

“O bairro da Mooca, em São Paulo, é mais quente que muitos outros em razão do concreto e da ausência de árvores, situação que contrasta com a Cantareira ou com o Morumbi; como consequência, poderemos ter uma diferença de até dois graus nesses lugares”, ele complementa.

O arquiteto Luís Felipe Aflalo Herman, do escritório Aflalo & Gasperini, revela que o cuidado com o isolamento térmico das coberturas dos edifícios, especialmente os de uso comercial, é uma preocupação antiga da empresa. “Sempre tivemos muito claro que o concreto é um irradiador de calor. Portanto, o sol incidindo ao longo do dia sobre a laje provoca um aumento crescente da temperatura, transferindo parte desse calor para o interior dos ambientes”, ele explica.

Lajes que davam para pátios ou andares de escritórios e lajes de cobertura de imensas garagens eram impermeabilizadas segundo procedimentos técnicos apropriados, com camadas de terra, pedriscos para a drenagem da água, mantas asfálticas e, por cima, jardim. No entanto, “o processo era caro: para criarmos um jardim com árvores era necessária uma camada de 40 centímetros de terra, o que tornava a cobertura muito pesada, com grande impacto no custo da estrutura”, lembra Aflalo.

Nos casos de lajes com máquinas, a providência para o isolamento térmico fica reduzida a uma pintura reflexiva. São as chamadas coberturas brancas, para as quais existem tintas com pigmentos especiais cujo índice de refletância é muito elevado, além de contarem com grande poder de resistência a água, sol e poluição.

Segundo Kawakami, não há material específico para o telhado branco. “Pode ser qualquer telha, uma vez que o fenômeno é de reflexão, mas é necessário considerar a transmissão, ou seja, a parte de energia que passa pela camada de tinta. Nesse caso, o material de que a telha é constituída conta no resultado”, ele avalia. Isso mostra que, ao contrário da telha de barro, a de alumínio necessitaria de um isolamento térmico adequado.

O arquiteto Siegbert Zanettini tem resolvido a questão do isolamento térmico com o emprego de telhas termoacústicas, do tipo sanduíche, com miolo de poliuretano. A lâmina superior é de alumínio pintado de branco e a de baixo - que independe da cor da tinta - é perfurada, para absorver o ruído, especialmente o provocado pela chuva.

Segundo o arquiteto, “a cobertura branca oferece menos benefícios que a cobertura verde, mas é solução simplificada tanto para edifícios novos quanto para os já construídos e tem como qualidades o elevado índice de reflexão solar e o baixo custo de implementação, além de ser aplicável a telhas de variada natureza, como metálicas, de concreto e de fibrocimento, entre outras”.

BENEFÍCIOS DO VERDE
Em comparação com a cobertura branca, o telhado verde em módulos é um sistema relativamente novo no Brasil. Os exemplos pioneiros vêm dos Estados Unidos. No Millenium Park, em Chicago, uma das maiores coberturas do mundo nesse sistema abriga um shopping center. E a fábrica de caminhões da Ford, no estado do Michigan, considerada por alguns anos a maior cobertura verde do mundo, com 4,2 hectares, teve uma economia de 7% em todos os gastos com energia elétrica. Apesar de recente, a tecnologia do telhado verde representa um avanço considerável, por sua eficiência muito maior que a da cobertura branca.

Segundo Zanettini, a cobertura verde mostra-se interessante sob vários aspectos. Ela favorece o desempenho térmico dos edifícios, melhorando o conforto interno, diminuindo a temperatura através do resfriamento evaporativo e aumentando a umidade do ar em dias quentes de verão, o que representa significativa economia de energia com sistemas de refrigeração.

Além disso, tem a vantagem de manter o ciclo oxigênio-gás carbônico, contribuindo para a diminuição da poluição atmosférica. Retém até 75% de água de uma chuva, que é liberada gradualmente na atmosfera via condensação e transpiração; provê um hábitat para plantas, insetos e outros pequenos animais; assegura efeito visual e estético aos edifícios, bem como conforto ambiental e saúde aos habitantes.

Há fatores que influenciam diretamente no conforto da edificação e na consequente economia energética com os sistemas de climatização. A massa térmica, a porosidade e a capacidade de absorção das coberturas são fatores decisivos e têm comportamento distinto nos dois sistemas.

Conforme estudo de Zanettini, baseado em tabela de valores gerais de absortância da Associação Brasileira de Normas Técnicas (2003), estima-se que na cobertura branca a absortância seja de 20%, enquanto na cor preta esse índice alcança 97%. Já na cobertura verde, cerca de 27% da radiação solar incidente é refletida, 60% é absorvida pelas plantas e apenas 13% é transmitida à superfície inferior.

PLANTAS SUCULENTAS
O fabricante Instituto Cidade Jardim tem como carro-chefe a telha Sempre Viva. Trata-se de módulo de 40 x 50 centímetros, com nove centímetros de altura, composto por uma bandeja de plástico 100% reciclável com base em formato de copinhos que armazenam até duas vezes mais água da chuva do que nos sistemas que não dispõem desse recurso.

Sobre esses pequenos recipientes há um filtro de partículas (uma espécie de espuma) para impedir a entrada de terra. Por cima dele é colocado um substrato muito leve (metade do peso da terra). “No substrato já estão as plantas pré-cultivadas. Então, temos tudo numa única peça”, diz Sérgio Rocha.

A telha Sempre Viva oferece duas opções de plantas. Uma são as plantas suculentas de forração, que asseguram a máxima sustentabilidade. Trata-se de pequenas plantas de deserto, do gênero sedum, adaptadas ao clima do local. Em sua grande maioria originárias da África do Sul, são praticamente as mesmas utilizadas por todas as empresas de telhados verdes no mundo.

Resistentes tanto em regiões de clima seco quanto à neve e ao granizo, têm manutenção reduzida - uma vez por ano, incluindo adubação e aplicação de inseticida natural para controle de pragas. Outra opção é o gramado esmeralda, que exige sistema de manutenção e de irrigação, pois, como cresce mais rápido, necessita de poda e consome mais água e nutrientes, sendo necessário irrigá-lo a cada 20 dias e adubá-lo com maior frequência.

Neste caso, o peso estrutural é de 150 kg/m2, com 80 kg/m2 correspondendo à planta. “Tecnicamente, é possível colocar qualquer tipo de planta, como jabuticabeira e bambu, mas isso vai depender do projeto paisagístico e da carga que a estrutura do telhado pode suportar.

Além disso, é necessário providenciar uma proteção mecânica para evitar que a força da raiz provoque perfuração da superfície impermeabilizada”, afirma Rocha. Assim, o cliente poderá personalizar o jardim, escolher as plantas, criar caminhos e colocar até bancos.

A primeira empresa brasileira no setor de telhados verdes foi a Ecotelhados, com sede em Porto Alegre. Seu sistema é muito semelhante ao do Instituto Cidade Jardim. Compreende uma bandeja modular de 35 x 70 centímetros e cerca de 11 centímetros de altura, fabricada em EVA (etil vinil acetato), material leve, flexível, reaproveitado da indústria.

As camadas se sucedem de baixo para cima, da seguinte forma: membrana antirraízes (evita infiltrações na laje), membrana alveolar tridimensional com copinhos para reter a água, camada filtrante que impede a passagem de terra e, por último, o substrato nutritivo com a planta, como se fosse um xaxim.

Segundo João Manuel Linck Feijó, engenheiro agrônomo e diretor da Ecotelhado, “o conjunto todo, incluindo a água da chuva absorvida, soma cerca de 50 kg/m2; o peso pequeno permite empregar o telhado em prédios existentes, que não levaram em consideração essa carga”. O produto utiliza plantas de forração, preferencialmente de baixo porte, do gênero sedum, dada a profundidade reduzida da bandeja.

“Se o cliente desejar, é possível plantar soja, arroz, milho; há tecnologia disponível para isso, bastando mais substrato e irrigação. O que não pode é planta de raiz agressiva, como a figueira, pois penetra na impermeabilização”, afirma Feijó.

A água fica retida por alguns dias, alimentando, por evaporação, plantas que dispensam a chuva por longos períodos, superiores aos dos registros pluviométricos das cidades. As bandejas podem ser substituídas facilmente, além de impedirem que as raízes das plantas obstruam as tubulações.

Na avaliação do arquiteto Aflalo Herman, tal princípio “apresenta uma dupla vantagem: a de podermos dispensar a irrigação e a de substituirmos as coberturas tradicionais, que absorvem muito calor, por um material orgânico”. Além disso, a solução assegura não só melhor qualidade de ar - uma vez que o ambiente fica mais úmido -, mas também melhor condição térmica, porque dissipa o calor e pode representar uma estratégia de combate às enchentes.

IMPERMEABILIZAÇÃO
Esse tipo de telhado requer cuidados especiais, em particular com a impermeabilização. Trata-se de um pré-requisito que não pode apresentar falhas no sistema. Diferentemente de uma telha normal, que tem a característica de ser estanque, os produtos para telhado verde precisam ser vazados, uma vez que as plantas não podem ficar encharcadas por muito tempo.

Portanto, a água deve ser escoada, drenada, e consequentemente a parte de baixo deve ser estanque, o que só é garantido com boa impermeabilização. Por razões de segurança, uma exigência das empresas que trabalham com telhados verdes é que a drenagem seja dimensionada em função da captação de água desse telhado.

Há normas da ABNT com fórmulas que permitem calcular o volume máximo suportado por uma laje pelo período de uma hora, por exemplo, numa grande tempestade. Isso implica a definição do número e do diâmetro dos bocais necessários para dar vazão a essa água.

Uma opção à laje impermeabilizada é a telha de alumínio zipada, fabricada pela Bemo. Trata-se do Sistema Green Roof, composto por chapas contínuas, da cumeeira ao beiral, com a junção longitudinal feita por um zíper, resultando em estanqueidade suficiente para receber um grande volume de água.

Para tornar o produto completo, a Bemo utiliza os módulos vegetados da Ecotelhados. Ela disponibiliza também as telhas metálicas zipadas revestidas na cor branca com índice de refletância solar (SRI, na sigla em inglês) dentro dos valores exigidos pelo Leadership in Energy and Environmental Design (Leed).

CASOS ESPECIAIS DE APLICAÇÃO
Qualquer telhado pode receber cobertura branca. Os cerâmicos, no entanto, dispensam essa providência, uma vez que já apresentam bom desempenho térmico devido a sua porosidade e elevada absorção de água.

Por outro lado, o sistema de cobertura verde pode ser utilizado sobre qualquer superfície, desde que corretamente preparada e impermeabilizada. Mesmo nas preexistentes, as condições de aplicação são plenamente viáveis. No entanto, é preciso considerar, nos telhados com madeiramento, a carga adicional dessa vegetação. Daí a importância do responsável técnico: é ele quem confirmará se a estrutura poderá suportar esse peso.

O sistema de cobertura verde também pode ser aplicado em telhados inclinados, dependendo do grau de declividade. Se esta for acentuada, faz-se necessária uma análise cuidadosa.

NATUREZA NAS ALTURAS:
A utilização de telhados verdes não é recente. Ao contrário, há registros de sua presença desde a antiga Mesopotâmia. Quem nunca ouviu falar dos jardins suspensos da Babilônia, criados no século 6 a. C.? Considerados uma das sete maravilhas do mundo antigo, eles tinham, antes de beleza paisagística ou contemplativa, o objetivo de atenuar as temperaturas elevadas dessas regiões.

E as cidades do Mediterrâneo, com suas casas totalmente pintadas de branco, tradição antiga de moradores que sabiam dos efeitos desse recurso no meio ambiente? Ao longo do tempo, o uso desse sistema foi sendo aperfeiçoado e se propagou pelo mundo, constituindo elemento fundamental da arquitetura de países da Europa Central e da Escandinávia.

Nos anos 1960, as pesquisas foram intensificadas na Alemanha e novas tecnologias introduzidas, tais como materiais drenantes, membranas impermeabilizantes, agentes inibidores de raízes, substratos de baixa densidade e espécies adequadas de plantas. Atualmente, a Alemanha é o único país do mundo com telhados verdes aplicados em escala significativa: cerca de 15% do total das construções.

Em países de clima tropical, como o Brasil, o conceito existe há muitas décadas, porém sua viabilização mostrou-se muito difícil no passado. Hoje, com o aquecimento global, o aumento das ilhas de calor e a degradação ambiental, o assunto vem ganhando maior atenção do poder público, das empresas privadas e dos cidadãos.

As coberturas verdes se beneficiaram da evolução da técnica construtiva e, especialmente, dos recursos de impermeabilização. Constituíram um dos princípios básicos da arquitetura moderna, já nas primeiras décadas do século passado. Uma referência pioneira é a antiga sede do Ministério de Educação e Saúde, atual Palácio Capanema, projeto de 1936, com o terraço-jardim de Roberto Burle Marx.

MAIS VERDE NAS COBERTURAS:
Para sensibilizar a sociedade e exigir do poder público a implantação de legislação federal que regulamente a utilização dos telhados verdes, foi fundada a Associação Telhado Verde Brasil, tendo como diretor o engenheiro João Manuel Linck Feijó, da Ecotelhados.

Por enquanto, somente o estado de Santa Catarina dispõe de lei que define a criação do Programa Estadual de Incentivo à Adoção de Telhados Verdes em espaços urbanos densamente povoados, em que a implantação de sistemas vegetados não pode ser inferior a 40% da área total do imóvel.

Em âmbito municipal, a Secretaria do Meio Ambiente de Porto Alegre defende a destinação de uma porcentagem da área total dos terrenos para vegetação sem elemento construtivo permeável. Em Curitiba ainda não existe uma lei que mencione as coberturas vegetadas, mas são comuns as reduções parciais de IPTU para imóveis com áreas verdes.

Exemplo da importância dos telhados verdes é o fato de em algumas regiões dos Estados Unidos ser obrigatória a execução de coberturas com alto índice de refletância. Em Nova York, a municipalidade oferece estímulos para as construtoras que implantarem telhados verdes em pelo menos 50% de suas obras e ainda prevê desconto no imposto predial desses imóveis. “O que propomos para associações é a criação de um espaço vivo dentro das cidades, ou seja, precisamos pagar um tributo à natureza, devolver-lhe aquilo que dela foi retirado”, conclui Feijó.

O Green Building Council, em atividade no Brasil desde 2007, realizou uma campanha incentivando o uso dos telhados brancos e verdes. “Fizemos sucessivos seminários e palestras para mais de 10 mil pessoas, em sua maioria da área da construção civil e do setor imobiliário”, conta Nelson Kawakami. Agora a entidade desenvolve a campanha One Degree Less (Um Grau a Menos), com filmes veiculados em várias mídias, como televisão, internet e cinema.

“É uma campanha de ordem educativa no sentido de conscientizar a sociedade sobre a importância de adotar os telhados verdes e contribuir, assim, para o desaquecimento de nossas cidades”, finaliza Kawakami.

COMO CUIDAR:
A manutenção das coberturas verdes é muito prática. Deve ser feita anualmente e inclui adubação e aplicação de algum tipo de inseticida natural para controle de pragas. A cada seis meses recomenda-se uma inspeção no telhado para verificar se há alguma planta invasora ou árvore de grande porte, já que eventualmente o vento ou passarinhos podem trazer sementes.
Via: Arcoweb