Quem sou eu

Minha foto

Pesquisadora nas áreas de sustentabilidade e saúde da habitação. Tem como objetivo projetar e prestar consultoria a clientes com interesse na busca pelo Viver Saudável, uma interação equilibrada entre meio ambiente, pessoas  e o Lar em que habitam.

Fale Conosco

- Deixe seu comentário ou envie um e-mail: celinalago@hotmail.com
- Se desejar receber as novidades do site seja um seguidor que o envio é automático.
- A sua participação é muito importante. Só assim, unidos conseguiremos reverter o processo de destruição planetária pelo qual estamos passando e encontrar um equilíbrio saudável.

Muita Luz e Amor,

Celina Lago

3 de jun de 2015

Rio Grande do Sul vai transformar lixo orgânico em energia renovável


A primeira usina de geração de energia a partir do gás de aterro sanitário no Rio Grande do Sul é inaugurada nesta terça-feira (2). Pronta para iniciar sua operação, a Biotérmica Energia fica localizada no aterro sanitário de Minas do Leão, a 90 quilômetros de Porto Alegre.

O aterro recebe diariamente 3,5 mil toneladas de resíduos da capital e de outras 130 cidades. Desta forma, o estado será capaz de produz energia suficiente para atender uma cidade com 200 mil habitantes.

A tecnologia consiste em utilizar o metano proveniente da decomposição dos resíduos que, em vez de ser queimado e lançado na atmosfera, é aproveitado para produção de energia. Assim, haverá a redução da emissão de CO2 em 170 mil toneladas por ano, contribuindo para a redução de gases do efeito estufa.

Com investimento de R$ 30 milhões, pelo Grupo Solví e Copelmi Mineração, a termelétrica tem potência instalada de 8,55 MW e, a pleno, chegará a 15 MW, gerando energia limpa a partir do lixo doméstico depositado no aterro da Companhia Riograndense de Valorização de Resíduos (CRVR).

De acordo com a Prefeitura de Porto Alegre, o aterro de Minas do Leão foi um dos primeiros do Brasil a obter crédito de carbono e o primeiro no mundo a incluir uma termelétrica no projeto de crédito de carbono com queima de metano em flare, ou seja, por meio de chama instável.

Foto: Biotérmica Energia/Divulgação PMPA