Pular para o conteúdo principal

Arquitetura Sustentável Na Malásia

Desde a construção das torres Petronas que a Malásia, e mais propriamente a sua capital, Kuala Lumpur, é referência na arquitetura mundial. Assim sendo, não surpreende ali vermos nascerem mais alguns edifícios notórios. Só que, desta vez, o seu interesse não reside na altura – bem pelo contrário! – mas sim no fato de serem bons exemplos de arquitetura bioclimática e sustentável. Oito edifícios invulgares irão prolongar a frente urbana de Putrajaya, zona situada 30 km a Sul da capital e conhecida como Precinct 4.
O projeto nasceu da colaboração entre o Studio Nicoletti Associati e uma firma local, a Hijjas Kasturi Associates, que elaboraram também todo o arranjo urbano da zona privilegiando a relação com o lago circundante.
No entanto estes oito edifícios são, sem margem para dúvidas, a parte mais interessante de todo o conjunto.
A pequena altura e a transparência são, desde logo, os aspectos mais marcantes e a imagem global evoca vagamente ou propositadamente motivos navais, sejam barcos empilhados verticalmente exibindo o seu cavername ou uma frota de veleiros numa regata, razão porque o projeto já é conhecido como a frota de Putrajaya. Mas há também aqui algo de arquitetura islâmica, sugerido pela curvatura dos edifícios. E, no fundo, tudo se resume a habitações como outras quaisquer, que também incluem terraços, sombreadores, ventilação natural, envidraçados com espaços verdes, etc.

Fosse ou não procurada esta imagem, o que é certo é que ela resulta da introdução no desenho arquitetônico de novos elementos e novos problemas para resolver. Estes requisitos exteriores, chamemos-lhes assim, e as suas necessidades específicas, muitas delas de carácter tecnológico, são um estímulo e um fator importante de renovação da linguagem arquitetônica. Os autores deste projeto souberam fazê-lo com mestria.

 Fonte: Inhabitat

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Casas Sustentáveis

Diversos modelos e ideias ou projetos de casas sustentáveis bem legais! Divirta-se e apreciem os modelos sem moderação! Captação de água e circulação de ar que mantém a temperatura agradável.  Ideias para aplicar em casas já construídas! Telhado verde! Tendência e obrigatoriedade em alguns países! Este modelo apresenta novas tecnologias! Lâmpadas com energia eólica! Captação de água e armazenamento. Fonte: Bioconservation

AQUECEDOR SOLAR DE ÁGUA FEITO COM TUBOS DE PVC

PROJETO EXPERIMENTAL solução barata para aquecer água para banho Nota:  Aquecedor Solar de Água com o coletor solar feito com tubos de PVC: Criação, pesquisa e desenvolvimento por Edison Urbano. Obs.: Esse projeto foi baseado na tecnologia do ASBC - Sigla que caracteriza o Aquecedor Solar de Baixo Custo, projeto originalmente elaborado pela equipe da ONG Sociedade do Sol que, para a confecção do seu coletor térmico solar, usa placas alveolares de PVC (normalmente usadas para construções de forros). ÍNDICE INTRODUÇÃO Energia Elétrica - consumo sustentável. Formas simples para economizar energia elétrica. Estudo do consumo de energia elétrica por um chuveiro elétrico Explicações gerais do projeto experimental do Aquecedor Solar de água feito com tubos de PVC próprios para água potável. Aprendendo a dimensionar um Aquecedor Solar feito com tubos de PVC. MONTAGEM do(s) COLETOR(es) MONTAGEM do COLETOR feito com TUBOS de PVC Obs.: as medidas podem ser alt

Como Assentar um Piso Drenante?

O piso drenante não é apenas um piso pré moldado em placas de concreto drenante, é na verdade um sistema que engloba os materiais de assentamento formando uma escala granulométrica que drena as águas pluviais para o solo. As placas de piso não podem ser assentadas diretamente sobre a terra, pois a mesma irá entupir os vazios da placa de concreto evitando o correto funcionamento. A placa drenante deve ser assentada em um colchão drenante da seguinte forma de acordo com o manual técnico da Segato Pisos do Brasil: -Espalhar sobre o solo compactado uma camada de brita de aproximadamente 12cm de espessura. -Sobre a camada de brita, espalhar uma camada de Areia de aproximadamente 7cm de espessura. -Fazer colocação das placas usando uma linha de nylon para orientar no alinhamento e nivelamento. -A colocação tem que ser feita de forma que as peças fiquem travadas. Seguindo essas regras, teremos um piso ecologicamente correto podendo participar dos projetos com princípios