Pular para o conteúdo principal

Projeto da Câmara dos Vereadores de Itaguaí - Projeto do Arquiteto WInston Ramalho

                                      
Câmara dos Vereadores de Itaguaí
Conceito

Um dos aspectos mais importantes que um edifício público como a sede da Câmara de Vereadores de Itajaí deve atender é o de proporcionar condições ambientais ideais para que seus usuários desempenhem suas atividades - sejam eles vereadores e funcionários, seja o público que a ele acorre - além de naturalmente expressar todo o caráter, qualidades e requisitos que farão da edificação um marco arquitetônico e urbanístico dentro da cidade.

Partido Arquitetônico

O partido propõe um edifício composto de dois grandes blocos: a sul, mais próximo da Rua José Joaquim dos Santos, que é a via de acesso, a volumetria irregular do Plenário/Auditório é resultante da exteriorização da função interna. Este volume é circundado pela rampa curva de acesso público e está estrategicamente posicionado para ser uma referência visual não só para quem chega ao edifício, mas também para o observador posicionado mais ao longe. A norte, com sua Praça Interna fortemente vegetada que será o local de encontro de todos, público, funcionários e vereadores, e concebida ambientalmente para funcionar como "pulmão verde" dos espaços de escritório, está o volume administrativo. Estes dois blocos são interligados por um Átrio com altura de 8,50 metros, que possui cobertura de vidro protetivo e atravessa o conjunto de leste (onde situa-se o Acesso de Público) a oeste. Assim posicionado, o Átrio constitui-se no espaço de integração de todas as funções deste edifício público.

Estratégia Energética

A proposta busca refletir a racionalização e os avanços significativos na conservação de energia, na proteção do meio ambiente e a preocupação com a saúde e o bem-estar dos usuários do edifício, utilizando principalmente a ventilação natural impelida pelo efeito chaminé, a ventilação natural cruzada nos ambientes e a adequada proteção solar por meio de brises-soleil colocados nas aberturas (janelas), com orientação nordeste-sudoeste, que é a direção dos ventos dominantes em uma cidade com clima de temperaturas médias elevadas. As formas cuidadosamente estudadas destes elementos construtivos foram projetadas para, por um lado bloquear a incidência solar indesejada nas diversas estações do ano, e por outro, fazer a captação das brisas que irão contribuir significativamente para o conforto ambiental interno, sem haver necessidade do uso de sistemas artificiais de climatização, a não ser em pouco dias durante o ano.

No volume do Plenário/Auditório o ingresso do ar frio se dá por meio de grelhas reguláveis localizadas na base das paredes internas a aproximadamente 40cm do nível do piso. O sistema de entrada de ar frio é composto de tomadas de ar posicionadas externamente na face sul, sob um agrupamento do belo arbusto chamado cambará de cheiro (lantana camara) que proporcionará sombra para baixar a temperatura do ar que deve entrar nos tubos, ao mesmo tempo que exalará agradável perfume de floresta; as saídas do ar quente se dão através de dampers situados nos sheds da cobertura, que automaticamente se fecham quando o sistema de ar condicionado, nos dias de picos de temperatura, precisa ser acionado.

A partir de todos os ambientes do Bloco Administrativo, o usuário estará rodeado de verde, tendo contato direto com jardins, seja externos, seja internos. Os ambientes de escritório que o compõem estão voltados para o grande espaço central, a Praça em dois níveis com espécies nativas da Mata Atlântica, como os palmitos que rasgam altaneiros o espaço vertical, e as bromélias que forram o chão.

A iluminação natural é abundante em todos os ambientes: no Auditório os sheds situados na cobertura permitem a entrada farta da luz natural refletida, possibilitando seu pleno funcionamento durante o dia sem necessidade de iluminação artificial; no Espaço Central do Bloco Administrativo, os sheds da cobertura fazem jorrar a luz natural difusa, produzindo um verdadeiro banho de luz que fará ressaltar a vegetação da Mata Atlântica; no Átrio, com sua cobertura e vedações em vidro protetivo, a luz natural será o protagonista principal, valorizando os eventos que ali ocorrerão; e os ambientes de trabalho são também fartamente iluminados naturalmente.

As estimativas técnicas realizadas pelos especialistas das áreas de climatização, energia elétrica e de hidráulica, indicam que este sistema de condicionamento bio-ambiental ou ecológico, criteriosamente orquestrado, deverá gerar uma economia energética acima de 50% do consumo total, o que financeiramente significa uma amortização que pode chegar a 5% ao ano sobre o investimento feito na obra.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Casas Sustentáveis

Diversos modelos e ideias ou projetos de casas sustentáveis bem legais! Divirta-se e apreciem os modelos sem moderação! Captação de água e circulação de ar que mantém a temperatura agradável.  Ideias para aplicar em casas já construídas! Telhado verde! Tendência e obrigatoriedade em alguns países! Este modelo apresenta novas tecnologias! Lâmpadas com energia eólica! Captação de água e armazenamento. Fonte: Bioconservation

AQUECEDOR SOLAR DE ÁGUA FEITO COM TUBOS DE PVC

PROJETO EXPERIMENTAL solução barata para aquecer água para banho Nota:  Aquecedor Solar de Água com o coletor solar feito com tubos de PVC: Criação, pesquisa e desenvolvimento por Edison Urbano. Obs.: Esse projeto foi baseado na tecnologia do ASBC - Sigla que caracteriza o Aquecedor Solar de Baixo Custo, projeto originalmente elaborado pela equipe da ONG Sociedade do Sol que, para a confecção do seu coletor térmico solar, usa placas alveolares de PVC (normalmente usadas para construções de forros). ÍNDICE INTRODUÇÃO Energia Elétrica - consumo sustentável. Formas simples para economizar energia elétrica. Estudo do consumo de energia elétrica por um chuveiro elétrico Explicações gerais do projeto experimental do Aquecedor Solar de água feito com tubos de PVC próprios para água potável. Aprendendo a dimensionar um Aquecedor Solar feito com tubos de PVC. MONTAGEM do(s) COLETOR(es) MONTAGEM do COLETOR feito com TUBOS de PVC Obs.: as medidas podem ser alt

Como Assentar um Piso Drenante?

O piso drenante não é apenas um piso pré moldado em placas de concreto drenante, é na verdade um sistema que engloba os materiais de assentamento formando uma escala granulométrica que drena as águas pluviais para o solo. As placas de piso não podem ser assentadas diretamente sobre a terra, pois a mesma irá entupir os vazios da placa de concreto evitando o correto funcionamento. A placa drenante deve ser assentada em um colchão drenante da seguinte forma de acordo com o manual técnico da Segato Pisos do Brasil: -Espalhar sobre o solo compactado uma camada de brita de aproximadamente 12cm de espessura. -Sobre a camada de brita, espalhar uma camada de Areia de aproximadamente 7cm de espessura. -Fazer colocação das placas usando uma linha de nylon para orientar no alinhamento e nivelamento. -A colocação tem que ser feita de forma que as peças fiquem travadas. Seguindo essas regras, teremos um piso ecologicamente correto podendo participar dos projetos com princípios