Quem sou eu

Minha foto

Pesquisadora nas áreas de sustentabilidade e saúde da habitação. Tem como objetivo projetar e prestar consultoria a clientes com interesse na busca pelo Viver Saudável, uma interação equilibrada entre meio ambiente, pessoas  e o Lar em que habitam.

Fale Conosco

- Deixe seu comentário ou envie um e-mail: celinalago@hotmail.com
- Se desejar receber as novidades do site seja um seguidor que o envio é automático.
- A sua participação é muito importante. Só assim, unidos conseguiremos reverter o processo de destruição planetária pelo qual estamos passando e encontrar um equilíbrio saudável.

Muita Luz e Amor,

Celina Lago

28 de dez de 2009

Estudante cria bicicleta “contorcionista”


Existem diversas formas de tornar a mobilidade urbana mais sustentável. Uma dessas maneiras é facilitando o acesso de bicicletas a outros meios de transporte, como metros e ônibus, bem como simplificando seu armazenamento e transporte. Foi pensando nisso que o estudante do Royal College of Art, Dominic Hargreaves, criou a “Contorcionista” – uma bicicleta articulada que pode ser dobrada e levada para qualquer lugar.

Além do design arrojado e da praticidade de poder “torcer” a bicicleta e carregá-la de um canto a outro, a criação tem uma vantagem em relação às outras bikes dobráveis – uma roda de 26 polegadas, considerada grande para os padrões desse tipo de bicicleta e, consequentemente, mais confortáveis e fáceis de pedalar.


Em poucos minutos é possível “dobrar” todo o equipamento graças às suas articulações estrategicamente planejadas. Depois, é só montá-la novamente e sair pedalando. Não é preciso fazer força nem utilizar equipamentos específicos.

Com apenas 24 anos, o estudante não sabe se a criação deixará de ser um protótipo nem quando ela poderá estar à venda. Mas garante que o preço de uma “Contorcionista” não passará de £400, cerca de R$2.8400. “Não há nenhum motivo para não ser esse valor. Não existe nada nessa bike que não possa ser produzido em larga escala”, conclui Hargreaves.

22 de dez de 2009

Edifício SUstentável em Londres

Bahrain World Trade Center

Sob a pressão de outros edifícios mais sustentáveis surgindo em todo o mundo, como o recentemente apresentado Bahrain World Trade Center, em Londres Gherkin Tower, projetada por Norman Foster, recentemente começou a testar um painel inovador de fachada de vegetação que promete mudar a face do projeto de construção para sempre. Este novo produto “Parede Verde” , conhecido como painel Core Hydraulic Integrated Arboury, promete trazer os benefícios de telhados verdes a toda a superfície externa do arranha-céu.
 
O painel funciona através da obtenção da humidade do ar e canalização através das propriedades dessa especializada membrana que permite prover água suficiente para permitir o crescimento das plantas. É esperado que as plantas, principalmente uma mistura de liquens e gramíneas, cresçam fora do painel e do envelope da fachada. Desnecessário dizer que os benefícios dos painéis são muitos: sombreamento, aumento da iluminação natural interna, isolamento térmico, redução do consumo de água, geração de energia para todo o edifício, a reciclagem de materiais, redução de toxicidade nos espaços interiores, a aceitação do Tratado de Quioto pela países que ainda têm de assinar a paz no mundo, e um aumento da propriedade de renda.
IVG Asticus, os donos da torre, estão animados com sua propriedade. "Espera-se que a Torre utilize menos da metade da energia consumida pelos ar condicionados em torres de escritórios."

13 de dez de 2009

Certificação Aqua será estendida a prédios residenciais

A Fundação Vanzolini informou que lançará o referencial técnico do Processo Aqua (Alta Qualidade Ambiental) para empreendimentos residenciais até o final de dezembro de 2009.

> Fundação Vanzolini apresenta certificação ambiental Aqua
> Setor de materiais de construção abre espaço para a sustentabi
Após lançar referenciais técnicos para prédios comerciais, a Fundação Vanzolini agora apresenta os referenciais para habitações residenciais, mercado que ainda não foi explorado pela certificação norteamericana Leed.
Para que um empreendimento seja certificado, devem ser observados 14 itens de Qualidade Ambiental do Edifício (QAE), que são baseados em critérios de desempenho. A certificação também exige uma auditoria presencial independente.
O certificado internacional é emitido em cada uma das três fases do empreendimento (programa, concepção e realização) e considera desde a redução do impacto dos canteiros da obra até o conforto térmico e acústico do imóvel, passando pela gestão de água e energia.
“O comprador sabe que terá uma habitação mais saudável e confortável, com valorização patrimonial, além de menores custos no consumo de água, energia e conservação", disse Manuel Carlos Reis Martins, coordenador do processo Aqua.
O referencial habitacional leva em conta conceitos convencionais de construções verdes, como o reaproveitamento de água, a automação visando a redução do consumo de energia, a utilização de energia solar e a adoção de produtos e materiais recicláveis, e inclui particularidades para edifícios habitacionais, como especificações sobre as dimensões mínimas da cozinha, o uso de equipamentos eletrônicos com selo Procel e coleta seletiva de resíduos.
O referencial estará disponível a partir de dezembro de 2009.
A Fundação Vanzolini desenvolveu a certificação Aqua baseada nas pesquisas do Centre Scientifique et Technique du Bâtiment (CSTB), adaptando os conceitos propostos pelos franceses à realidade do Brasil.


São Paulo sanciona lei que prevê redução de 20% do CO2 até 2020


Governador de SP, José Serra, ao assinar a nova política contra as mudanças climáticas/
Foto: Divulgação/Alesp

Estado mais industrializado do país e também maior poluidor, São Paulo passa a contar agora com a Política Estadual de Mudanças Climáticas, instrumento que institui uma lei para reduzir em 20% as emissões de gases causadores de efeito estufa (em nível estadual) até 2020 - a sanção do decreto foi assinada pelo governador José Serra na segunda-feira, 9 de novembro.

Com a nova lei a meta é reduzir as emissões de 122 milhões de toneladas de CO2 por ano (dados de 2005) para 98 milhões de toneladas em 2020. O inventário com os dados sobre as emissões de gases de efeito estufa de São Paulo só deverá ser terminado em dezembro de 2010.

Críticas
Durante o evento de assinatura da Política Estadual de Mudanças Climáticas, o secretário do Meio Ambiente, Xico Graziano, e o governador criticaram o governo federal, sob a alegação de que estaria faltando coragem e ousadia em relação as possíveis metas que serão levadas pela delegação brasileira a 15ª Conferência das Partes das Nações Unidas sobre o Clima (COP-15), em dezembro, em Copenhague (Dinamarca).


SP pretende reduzir emissões de gases poluentes dos atuais 122 milhões de
toneladas/ano para 98 milhões até 2020/Foto: Oneeighteen
“São distintas uma meta de redução de emissões e uma de redução da tendência das emissões”, afirmou o secretário. Segundo Graziano, a meta de 20% estabelecida por São Paulo pode parecer menor do que a que está sendo cogitada pelo governo federal para o país (em 40%), mas na verdade ela “vai muito além”.


Comparações

A afirmação do secretário se baseia no fato de que o governo federal trabalha com uma queda baseada na tendência do crescimento das emissões no futuro, enquanto São Paulo considera a redução dos dados referentes a 2005. “Uma coisa é desacelerar, outra é reduzir de forma absoluta”, acrescentou Serra.
O governador paulista nega que a lei seja "eleitoreira" e também criticou setores do governo que afirmam que não é possível reduzir as emissões de carbono sem resultar em queda do desenvolvimento do país. “O que diminui a taxa de crescimento é a política do Banco Central de juros e taxa de câmbio e não a pobre da política ambiental que muitas vezes é considerada um obstáculo, um estorvo para o crescimento econômico", observou Serra.
Apesar das críticas, o governador de São Paulo deu um voto de confiança no governo em Copenhague. “Não vou ficar torcendo para que o governo federal fixe uma meta pouco ambiciosa para depois criticar. Prefiro torcer para que ele adote metas ousadas”, afirmou. “Há dois tipos de posições. O Brasil não pode ceder antes que os outros cedam ou o Brasil deve ceder e pressionar para que os outros cedam. Prefiro a segunda”, adiantou Serra.
De acordo com ele, a redução não será homogênea nos diferentes setores da economia paulista, mas deve se concentrar na área de transporte - a que mais preocupa o governo. Há previsão de multa ou taxações para quem não cumprir as metas estabelecidas. A intenção é incluir a redução da emissão de carbono nos critérios de licenciamento ambiental para projetos no estado.
A ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Roussef, elogiou a proposta. "Acho que a ideia é muito boa. Muito produtiva. O que estamos fazendo é reduzir a taxa de crescimento. A ideia é boa, mas não pode comparar coisas que não são iguais. Nós somos um país. Não somos um estado", concluiu.




Casa sustentável de Papai Noel vira atração em parque da Av. Paulista


Imóvel de 70 m² é feito com madeira certificada.
Quarto, sala e banheiro com ofurô são abertos à visitação.

O roteiro de decoração de Natal de São Paulo ganhou mais uma atração no início da noite desta quinta-feira (10), após ser inaugurada a casa sustentável de Papai Noel, construída dentro do Parque Trianon, no coração da Avenida Paulista. As paredes e piso do imóvel são de madeira certificada, o telhado é de grama e os vidros ajudam a regular a temperatura interna. Com direito a quarto com cama de casal e até banheira de ofurô, Papai Noel, no entanto, é visto logo na frente do imóvel, ao lado de uma das árvores de Natal. A casa estará aberta ao público de segunda a sexta, das 19h às 23h; e sábado e domingo, das 14h às 23h.(Foto: Claudia Silveira/G1)

6 de dez de 2009

Peugeot lança bicicleta elétrica e reforça conceito de mobilidade sustentável



A Peugeot acaba de lança uma opção de transporte mais sustentável para os clientes da marca. Trata-se de uma bicicleta elétrica desenvolvida em parceria com a Ultra Motor, uma das principais fabricantes de veículos elétricos leves do mundo. A bike funciona com uma bateria removível de 36 V e um motor de 250 W que permite até 70 km autonomia.

O lançamento acontece dois séculos depois de Armand Peugeot criar a “Grand-Bi”, a bicicleta que inaugurou a entrada da marca francesa no mundo das rodas. De volta às origens, a montadora investe para reforçar seu conceito de mobilidade sustentável.

Prática e altamente sustentável, a bicicleta híbrida pode ser carregada em tomadas comuns e reabastecida com as pedaladas do ciclista. Graças aos três níveis de assistência e ao sensor de torque, a bike vence até os terrenos mais íngremes com facilidade, garante o fabricante.

Ela ainda possui freios de disco dianteiros e traseiros, luzes automáticas e independentes e suspensão – o que garante maior segurança ao usuário. Por enquanto, a bike da fabricante será comercializada apenas na Europa por 2.290 euros, cerca de R$ 7.725.
Fonte: http://www.ecodesenvolvimento.org.br/noticias/peugeot-lanca-bicicleta-eletrica-e-reforca