Translate

Google Translate
Arabic Korean Japanese Chinese Simplified Russian Portuguese
English French German Spain Italian Dutch

Quem sou eu

Minha foto

Pesquisadora nas áreas de sustentabilidade e saúde da habitação. Tem como objetivo projetar e prestar consultoria a clientes com interesse na busca pelo Viver Saudável, uma interação equilibrada entre meio ambiente, pessoas  e o Lar em que habitam.

Fale Conosco

- Deixe seu comentário ou envie um e-mail: celinalago@hotmail.com
- Se desejar receber as novidades do site seja um seguidor que o envio é automático.
- A sua participação é muito importante. Só assim, unidos conseguiremos reverter o processo de destruição planetária pelo qual estamos passando e encontrar um equilíbrio saudável.

Muita Luz e Amor,

Celina Lago

22 de abr de 2015

Casa sustentável em Brasília segue os conceitos da permacultura


Em tempos de falta d’água, a autossuficiência hídrica pode ser considerada uma conquista valiosa. Em busca dessa independência e de uma vida com maior integração com a natureza, há 17 anos o bioarquiteto Sérgio Pamplona vive em um sítio, localizado em Brasília, onde toda a água consumida é captada da chuva.

Outros conceitos da bioarquitetura, como o uso de materiais e iluminação naturais, também foram empregados no projeto do sítio Nós na Teia. O espaço ainda serve como um centro de pesquisas em sustentabilidade e oferece cursos regulares de práticas como permacultura e manejo de água.

O sítio conta com uma estrutura complexa de captação e reaproveitamento de água, mas segundo Pamplona, algumas das práticas para economizar podem ser adotadas também em residências comuns. Veja algumas delas:

- Santa chuva


Toda a água usada na casa e nas dependências do sítio é captada da chuva. Seis reservatórios no próprio sítio garantem um armazenamento 80 mil litros de água. Apenas nos meses de seca na região (inverno), a água de caminhão-pipa pode ser necessária para uma emergência. O próximo objetivo do bioarquiteto é se tornar 100% autossuficiente.

- Louças limpas sem água corrente


No intuito de poupar água, as louças sujas são lavadas sem água corrente. Os utensílios são lavados em três pias: uma para lavagem; outra para enxágue com água pura; e uma terceira para um segundo enxágue em uma solução com água, limão (para desengordurar) e água oxigenada (para desbacterizar).

- Sanitário seco


No sanitário seco (sanitário compostável) não é preciso dar descarga. As necessidades são cobertas com serragem e vão para dois reservatórios lacrados. Enquanto um dos reservatórios enche, o outro vai se transformando em um composto para adubagem. Detalhe: ao contrário do que se imagina, o banheiro não tem cheiro.

- Irrigação


A água captada da chuva irriga todo o terreno, incluindo pequenos lagos e plantações ao redor da casa. Mesmo a água usada no vaso sanitário da casa (usado em caso de emergência) é utilizada para alimentação de bananeiras. A água da lavanderia e da cozinha também é usada na irrigação de plantas.

A tentativa de criação de uma casa sustentável não fica apenas na questão da água. Sérgio também utiliza materiais reciclados para a construção da casa (como pneus na entrada e garrafas de vidro na parede, que proporcionam iluminação natural durante o dia) e tenta poupar energia elétrica com o design da moradia. O bioarquiteto dá cursos para quem deseja aprender mais sobre permacultura e sustentabilidade, confira aqui.

Por Edgard Matsuki e Gustavo Gomes, do Portal EBC.   Via: Ciclo Vivo

10 de abr de 2015

Sistema feito por garota de 17 anos purifica água e gera energia

Ideia foi finalista da Google Science Fair


A australiana Cynthia Sin Nga Lam, de apenas 17 anos, desenvolveu um sistema portátil que é capaz de purificar a água ao mesmo tempo em que gera energia. A ideia, que a levou a ser uma das finalistas do Google Science Fair, promete ser uma ótima saída para comunidades que vivem isoladas, por prover duas necessidades básicas ao mesmo tempo e de forma sustentável.

Batizada de H2prO, a invenção é composta por apenas duas partes, sendo que a unidade superior é usada para geração de energia, enquanto a parte de baixo serve para purificar a água.

O dispositivo, que utiliza apenas dióxido de titânio e luz, tem uma eficiência de 90% na remoção de poluentes orgânicos da água em um processo que pode durar até duas horas.

A jovem criadora explica tudo no vídeo abaixo (em inglês):

Fonte: EcoD Via: Ecycle

8 de abr de 2015

Quando o verde deixe de pertencer apenas ao jardim



Temos visto diversos exemplos de arquiteturas que buscam integrar de maneira mais efetiva edificação e paisagismo. Telhados verdes e jardins verticais tem se tornado populares e mesmo não sendo sistemas propriamente novos, estão sendo mais praticados do que nunca.


O projeto da Residência unifamiliar 1406 desenvolvido pelo estúdio catalão on-a arquitectura tem como premissa mesclar o design da arquitetura contemporânea com as características naturais através de “tapete” vegetal que vai do jardim no térreo à cobertura da casa criando a sensação de um piso único.


A casa que lembra a letra “C” foi implantada de modo que otimizasse a circulação de ar no ambiente interno tornando sua temperatura confortável sem a necessidade de equipamentos de climatização. Além disso, seus fechamentos envidraçados são sombreados e tornam os espaços internos e externos ainda mais integrados sem comprometer o conforto ambiental.


Localizada em uma planície na cidade de Tona em Barcelona, na Espanha, a casa conta com um fluxo repleto de vistas privilegiadas que começam na entrada do terreno e terminam de frente para o rio Tona Castelo.


A área edificada é de cerca de 140 m² em um uso racional e adequado do lote, sem excessos.