Translate

Google Translate
Arabic Korean Japanese Chinese Simplified Russian Portuguese
English French German Spain Italian Dutch

Quem sou eu

Minha foto

Pesquisadora nas áreas de sustentabilidade e saúde da habitação. Tem como objetivo projetar e prestar consultoria a clientes com interesse na busca pelo Viver Saudável, uma interação equilibrada entre meio ambiente, pessoas  e o Lar em que habitam.

Fale Conosco

- Deixe seu comentário ou envie um e-mail: celinalago@hotmail.com
- Se desejar receber as novidades do site seja um seguidor que o envio é automático.
- A sua participação é muito importante. Só assim, unidos conseguiremos reverter o processo de destruição planetária pelo qual estamos passando e encontrar um equilíbrio saudável.

Muita Luz e Amor,

Celina Lago

16 de set de 2015

Eletrofitas: o que são e como funcionam?

Por Weruska Goeking

Quebrar uma parede nova e recém pintada para aumentar o número de tomadas ou de pontos de iluminação não é uma prática agradável, embora às vezes seja necessária. Foi pensando nesse tipo de situação que o administrador de empresas John Davies desenvolveu no Brasil a Eletrofita, um conceito semelhante a um produto conhecido e utilizado nos Estados Unidos e na Europa como Undercarpet que usa cabos planos e paralelos para a condução de eletricidade.
O Undercarpet é admitido pelo NEC (National Electrical Code – norma americana de instalações elétricas) e chegou a ser citado em 1990 e 1997 pela ABNT NBR 5410, mas a falta de utilização do produto em território nacional levou à sua retirada na versão de 2004 da mesma norma nacional. A Eletrofita teve patente requerida em 2003, mas só entrou no mercado há dois anos.
Davies afirma que já ouviu falar da utilização do Undercarpet no mercado americano, mas que não encontrou nenhum produto parecido no país quando precisou de uma solução prática para sua instalação, por isso desenvolveu seu próprio produto utilizando policarbonato e adesivos como o papel siliconizado. “Obviamente há muitos cabos chatos e planos em outros países, mas é uma coisa que não foi explorada”.
 

Os componentes de um sistemas Eletrofitas podem custar mais que os de uma instalação usual (eletrodutos, caixas, condutores isolados), contudo, não há gastos com pedreiro para quebra, reconstrução e acabamento da parede.
De acordo com Davies, a vantagem da Eletrofita, além de descartar a quebra de paredes, é a maior dissipação de calor e eficiência em caso de sobrecarga, além de não oferecer nenhum risco maior que o uso de fios e cabos comuns. O produto é indicado para instalações internas, principalmente em pré-moldados, divisórias, paredes de gesso acartonado (dry wall).. “Não é um produto para substituir os fios em toda a instalação, é um complemento para locais mais difíceis, onde não se pode usar fios comuns e onde não se pode, ou não se quer, quebrar”, completa.
Amostras das Eletrofitas foram enviadas em 2007 pela empresa e analisadas pelo Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) comparando-as com o fio comum e, nos itens cabíveis, foram consideradas de acordo com as normas NBR 5410, NBR NM 247-3, NBR NM 280 e NBR 8661.
O consultor e engenheiro eletricista Hilton Moreno acredita que usar condutores planos isolados e protegidos mecanicamente por uma chapa ou outro material mecanicamente resistente, como é o caso do Undercarpet ou da Eletrofitas, pode ser uma opção na instalação, desde que o sistema seja exaustivamente ensaiado. “O tipo de solução apresentada é perfeitamente adequado e pode até ser algo seguro, desde que devidamente normalizado, bem produzido e bem instalado”, ressalta.
A correta instalação é apontada pelo engenheiro eletricista Paulo Barreto como ponto principal para a obtenção do melhor desempenho possível para este tipo de produto. “No Brasil temos problema com mão de obra barata e precária, o que não acontece na Europa, que possui serviço especializado”, compara.
Como este tipo de produto ainda é pouco conhecido no mercado nacional, trazemos um passo a passo mostrando sua correta instalação. Confira a seguir.

1º passo - Destacar e cortar a isolação de policarbonato.


2º passo - Encaixar o conector de três saídas deslizando-o lateralmente.


3º passo - Conectar com a rede e destacar o papel protetor ao aplicar o lado adesivado à superfície, acompanhando a linha traçada, garantindo assim o alinhamento desejado.


4º passo - Aplicar a tela de fibra de vidro TFV-100 para proteção mecânica, evitando trincas na massa.


5º passo - Conectar a tomada externa.


6º passo - Recobrir com massa e pintar.


7º passo – Instalação pronta.


Fonte: O Setor Eletrico