Translate

Google Translate
Arabic Korean Japanese Chinese Simplified Russian Portuguese
English French German Spain Italian Dutch

Quem sou eu

Minha foto

Pesquisadora nas áreas de sustentabilidade e saúde da habitação. Tem como objetivo projetar e prestar consultoria a clientes com interesse na busca pelo Viver Saudável, uma interação equilibrada entre meio ambiente, pessoas  e o Lar em que habitam.

Fale Conosco

- Deixe seu comentário ou envie um e-mail: celinalago@hotmail.com
- Se desejar receber as novidades do site seja um seguidor que o envio é automático.
- A sua participação é muito importante. Só assim, unidos conseguiremos reverter o processo de destruição planetária pelo qual estamos passando e encontrar um equilíbrio saudável.

Muita Luz e Amor,

Celina Lago

14 de fev de 2011

A primeira base espacial da NASA na Terra: um tour pela Base da Sustentabilidade

Não que isso surpreenda alguém, mas a NASA construiu o mais sustentável entre todos os prédios do governo federal dos EUA. Vamos dar uma olhada nesta construção experimental ultra-verde, uma estação espacial na Terra, apelidada de Base da Sustentabilidade.
Base da Sustentabilidade abrirá as suas portas em maio deste ano – apenas dois anos depois da construção iniciada. Esta semana, tivemos a oportunidade de comparecer ao Autodesk Sustainability Summit e ouvir de algumas pessoas envolvidas no processo como foi o planejamento desta obra da NASA, que fica em Moffett, Califórnia.
A NASA tinha uma lista de exigências para cumprir com seu prédio US$ 20.6 milhões no Ames Research Center: um ambiente de trabalho saudável, excelente qualidade do ar e iluminação natural, baixo consumo de energia e a mais difícil de todas as exigências: status LEED Platina enquanto exemplo de sustentabilidade.
“A NASA está acostumada a ser responsável no espaço, e eles querem trazer isso de volta à Terra”, explica June Grant, uma das Gerentes de Projeto da AECOM que ajudou a projetar o prédio.
Então a AECOM e a William McDonough + Partners começaram a projetar o prédio de dois andares e duas asas, onde cada uma consistirá em mais de 15.000 metros quadrados de espaço, abrigando cerca de 225 trabalhadores quando estiver completo. Usando o software Autodesk, a equipe foi capaz de projetar uma estrutura equipada com exoesqueleto de aço, alto pé-direito para melhorara iluminação, ventilação natural e sistemas de controle que reagem ao ambiente (ajustando automaticamente a temperatura do ambiente, e mais.
Um dos maiores desafios para a AECOM foi entender como usar o teto da construção como uma fonte de energia – uma das exigências da NASA. Qualquer que fosse o sistema utilizado, ele teria que funcionar em climas que iriam de 15ºC pela manhã a 38º à tarde, e depois de volta. A solução: painéis de radiação de teto nos escritórios, painéis de aquecimento nas paredes laterais e pisos elevados para oferecer acesso fácil às instalações. Em espaços que não sejam de escritório, que nem sempre estarão ocupados, a AECOM escolheu pisos de concreto radiante e ventilação natural.
E, claro, bastante tecnologia futurista da NASA foi adicionada ao prédio. “A ideia era: e se a gente pudesse imaginar a primeira estação espacial da NASA na Terra?”, explica DavidJohnson, um sócio da William McDonough + Partners.
A tecnologia projetada pela NASA presente na construção inclui os controles inteligentes de do prédio, um sistema indutivo de monitoramento que detecta quando algo não está funcionando e um sistema de reciclagem de água por osmose que foi originalmente projetado para a Estação Espacial Internacional.
O local usará 90% menos água potável do que um prédio convencional do mesmo porte. A Base de Sustentabilidade da NASA também criará 22% mais energia do que consumirá, graças a uma combinação de painéis solares, um dispositivo de célula combustível e um sistema geotermal que enviará água naturalmente resfriada do solo para painéis de teto no interior da construção.
E este é só o começo para este lugar de testes. “A NASA terá um local para desenvolver e testar tecnologias que que estará por aqui daqui a 50 ou 100 anos”, diz Johnson. Independente da NASA continuar as suas missões ambiciosas ou não, pelo menos a agência terá uma rica fonte de inovação na Terra.
A Fast Company apoia os inovadores para desafiar as convenções e criar o futuro dos negócios.
Por Ariel Schwartz - Fast Company
Fonte: Gizmodo